terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

RUA DE BUENOS AIRES

Rua de Buenos Aires - (2002) Foto Andres Lejona in AFML
Rua de Buenos Aires - (1970) Foto João H. Goulart in AFML

Rua de Buenos Aires - (1960) Foto Arnaldo Madureira (Instituto Industrial de Lisboa) in AFML


Rua de Buenos Aires - (Ant. 1895) Foto Francisco Rocchini in AFML



Rua de Buenos Aires - (Ant. 1895) Foto Francisco Rocchini (Palacete) in Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa



A RUA DE BUENOS AIRES anteriormente chamada de Rua Direita de Buenos Aires pertence à freguesia da LAPA, começa na Rua dos Navegantes no número 41 e acaba na Rua de São Caetano e Rua de São Domingos.
É de crer que tendo o qualificativo "Direita" desaparecido com o tempo, trata-se da Rua de Buenos Aires. Se assim for é a "2ª à esquerda na Rua dos Navegantes, vindo da Rua do Quelhas e termina no fim da Rua de S. Domingos". Fica ali à Estrela, por detrás da Basílica. Na mesma rua ergue-se o palacete que foi dos viscondes dos Olivais. É justamente na Rua de Buenos Aires que serve de fronteira ao Bairro da Lapa - outrora habitado apenas por marítimos, depois quase exclusivamente por ingleses é hoje um dos lugares mais cobiçados e luxuosos da cidade.
A paisagem da zona é dominada pela Basílica da Estrela. Imponente no seu estilo, foi fundada pela Rainha D. Maria I e construída entre 1779 e 1790. O seu traçado foi da responsabilidade dos arquitectos (da escola de Mafra) Mateus Vicente e Reinaldo Manuel. Possui uma varanda donde se desfruta de uma excepcional vista sobre a cidade.
A Basílica da Estrela e o jardim da Estrela, frente a frente num noivado que já conta dezenas de anos! A separá-los apenas a praça. O Jardim - um dos locais mais aprazíveis de Lisboa, belo e bem cuidado. Construído entre 1842 e 1852, da sua luxuriante flora destacam-se araucárias, tílias, dragoeiros, álamos, espécies raras entre outras que por lá existem. Os lagos, em número de três, refrescam o panorama onde passeiam descontraídos belos cisnes e patos - brancos uns, negros outros, para que a paisagem tenha mais cor.
Também o coreto merece a nossa atenção.
A partir do ponto alto do jardim podemos desfrutar excepcionais vistas de um horizonte curiosamente definido, de forma recortada, por uma interpenetração do casario, vegetação e rio, que em conjunto compõem uma unidade representativa da cidade - uma cidade que vale a pena visitar sem conta, sempre do mesmo sítio se necessário for.
A Rua João de Deus, ali ao lado recebeu tal designação porque lá viveu o famoso poeta lírico do mesmo nome. Na Rua de Buenos Aires fica a casa do conde de Monte Real, construída em estilo pseudo-português «onde um curto espaço se acumulam claustros, uma capela, um passadiço, um tanque, silhares de azulejos. (...) Mais adiante, antes da Rua do Prior, do lado direito, o palacete dos Condes de Porto Covo da Bandeira, brasonado e com capela. Na parte baixa há ainda o palacete dos condes de Arnoso.
À esquerda parte da Rua de S. Domingos à Lapa, com a igreja de Nossa Senhora da Lapa, e à direita a do Sacramento à Lapa, onde se eleva o característico palacete dos viscondes de Sacavém, com a sua fachada, janelas, cunhais, varandas, etc., decoradas com barro das Caldas» (in GUIA DE PORTUGAL, F.C.G.).

4 comentários:

Sara Seydak disse...

Boa tarde.

Encontrei o seu blog quando andava à procura de mais informação sobre uma zona chamada pelos ingleses de "Buenos Ayres", nomeadamente sobre descrições desta zona e dos hotéis em que ficavam instalados numa época por volta das Invasões Francesas.
Muito obrigada por partilhar este blog connosco e muito obrigada por dar resposta a esta dúvida que eu tinha.
Se quiser ler mais sobre "Buenos Ayres", deixo-lhe o link do meu blog.

http://myneighborwellington.blogspot.pt/2016/10/buenos-aires-is-in-portugal.html

Respeitosamente,
Sara Seydak.

APS disse...

Cara SARA SEYDAK

Bem vinda a este Blogue de alguma "HISTÓRIA DE LISBOA".

Congratulo-me por ter conseguido tirar os resultados desejados.

Visitei os seus Blogues, nomeadamente "ATALEIGA" sobre a alimentação dos portugueses ma Idade Média, bem assim como, "A COVILHEIRA" relacionado com roupas usadas também na Idade Média.
Li (com bastante agrado) o "post" que indicava "ROUPAS INTERIORES MASCULINAS".

Aproveito o seu interesse sobre "A GUERRA PENINSULAR - INVASÕES FRANCESAS", posso indicar-lhe dois LINKS que pertencem à RUA DO SÉCULO e neste momento está ali instalado o "TRIBUNAL CONSTITUCIONAL, anteriormente o "PALÁCIO DE JÁCOME RATTON", de origem Francesa, que acolheu "muito bem" os invasores e teve resultados finais bastante desagradáveis.
LINK-http://aps-ruasdelisboacomhistria.blogspot.pt/2011/09/rua-do-seculo-iii.html
LINK - http://aps-ruasdelisboacomhistria.blogspot.pt/2011/09/rua-do-seculo-iv.html

Despeço-me com amizade
Cumprimentos
APS-Agostinho Paiva Sobreira

Sara Seydak disse...

Caro Agostinho Paiva Sobreira.

Agradeço os seus elogios e a continuada ajuda que ofereceu.
Espero que o meu post sobre "Buenos Ayres" lhe tenha, igualmente, adicionado mais alguma informação sobre essa parte de Lisboa.
Talvez um dia eu venha a descobrir onde ficavam esses hotéis.
Os melhores cumprimentos,
Sara Seydak.

Marco Albuquerque disse...

Olá a todos,

Quere-me parecer que um desses hóteis seria o palácio onde hoje se instala a FLAD (Fundação Luso-Americano para o Desenvolvimento), no 21 da Rua do Sacramento à Lapa.

Estou a fazer a minha tese sobre o Palácio Conde de Murça (mais a baixo, na Rua de Santos-o-Velho) e um dos livros que li aprofunda a história quer do bairro da Lapa quer deste palácio da FLAD em questão. Quando li quis-me parecer que a certa altura este servira de hotel e de quartel militar para os generais ingleses que cá vieram ajudar-nos a combater e expulsar os franceses.

O livro é intitulado 'Uma Casa na Lapa' de José Sarmento Matos.

Em relação à toponímia de Buenos Aires, segundo este mesmo livro, esta parece ser anterior ao bairro da Lapa em si. Como se pode ver no colossal painel de azulejos do Museu do Azulejo, datada do início do século XVIII, está lá no alto o tal cruzeiro de Buenos Aires, importante marca de entrada para a barra do Tejo. Parece que o local era por essa altura conhecido como o Sítio de Buenos Aires e que como tal esse nome tenha posteriormente transitado para o nome da rua uma vez no contexto urbano do Bairro da Lapa

Cumprimentos,

Marco Albuquerque