terça-feira, 8 de abril de 2008

RUA DO CARMO [ III ]

Rua do Carmo - (2008) Foto de APS (Uma loja na Rua do Carmo depois da restauração do Chiado)
Estrada de Benfica, 419 - (2003) Fotógrafo não identificado (Bairro Grandella-Biblioteca-Museu República e Resistência) in http://revelarlx.cm-lisboa.pt/

Rua do Carmo - (200-) Fotógrafo não identificado ( Livraria Aillaud & Lellos, Limitada in www.fonlshop.pe/detail Rua do Carmo - (1957) Foto Judah Benoliel (O Grandela à esquerda) in Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

Rua do Carmo - (1905) Fotógrafo não identificado (Rua do Carmo enfeitada)


(CONTINUAÇÃO)
RUA DO CARMO
«ARMAZÉNS GRANDELLA»
Os empregados de Francisco Grandella beneficiavam de condições sociais únicas à época e ainda hoje surpreendentes. A sala dos empregados era decorada com azulejos artísticos das Caldas da Rainha. Escadas de serviço para o público ligavam os vários pisos, quer a partir da Rua do Ouro, quer da Rua do Carmo, enquanto que, a inovação era «um grande e elegantíssimo elevador eléctrico que podia comportar doze pessoas perfeitamente à vontade».
Na fachada da Rua do Carmo, um relógio monumental encima ainda dois baixos-relevos representando «a Verdade e o Comércio».

Ao monumental estabelecimento, cuja distribuição anterior das secções era inspirado no dos grandes armazéns de Paris e Londres, correspondiam estruturas de apoio como os automóveis para entregar as mercadorias na casa dos clientes, secções de amostras e de expedição de encomendas para todo o País, Colónias e Brasil, serviços de armazenagem espaçosas, secções de confecção para senhoras, com luxuosos gabinetes de provas, monta cargas que transportavam mercadorias entre os andares, além de uma fábrica de confecção especialmente constituída de raiz em Benfica, onde trabalhavam mais de 200 operários de ambos os sexos.


O total dos seus trabalhadores ultrapassava mais de quinhentos, por isso, Francisco Grandella foi também um percursor no que respeitava ao bem estar dos seus trabalhadores. Assim, organizou um bairro operário com creche em São Domingos de Benfica.
Como curiosidade o "Bairro Grandella" localiza-se na Estrada de Benfica no número 419, construção de 1903 da autoria de João Pedro dos Santos. Na entrada do bairro existem dois edifícios de fachada neoclássica com colunas encimadas por um florão, onde podemos observar a insígnia de Grandella, uma estrela cercada de louros com a frase: «SEMPRE POR BOM CAMINHO E SEGUE».
Falando ainda das suas realizações; as salas para refeição eram duas, uma para homens, outra para senhoras, no edifício da Rua do Carmo, com confecção das refeições por pessoal da casa; Caixa de Socorros seguindo o "sistema das caixas operárias alemãs, criadas por Bismark", para a qual o empregado pagava mensalmente uma quotização segundo o seu vencimento, e a empresa, o equivalente a um terço das receitas angariadas em cada mês pela quotização. No âmbito da Caixa de Socorros, todas as terças e sextas-feiras um médico dava consultas gratuitas aos empregados; e, muito antes de se falar em férias, já o pessoal de escritório do Grandella tinha anualmente uma semana de férias remunerada. Foi Francisco Grandella que criou, ainda antes da proclamada República, as Escolas Liberais, totalmente custeadas do seu bolso.
(CONTINUA)


Enviar um comentário