sábado, 13 de fevereiro de 2010

RUA DE XABREGAS [ I ]

Rua de Xabregas - (2009) - (Panorama da «RUA DE XABREGAS» e o sítio de XABREGAS) in GOOGLE
Rua de Xabregas - (2006) ( O sítio de Xabregas e «RUA DE XABREGAS» vista na GOOGLE) in GOOGLE

Rua de Xabregas - (1942) - Foto de APS (Na praia de Xabregas uma família desfrutando do local numa tarde de Domingo) (Hoje este espaço é um cais para contentores) ARQUIVO/APS


Rua de Xabregas - (C. 1938) - Foto de Eduardo Portugal - (Na Zona fronteira de Xabregas apresentava em finais da Década de 30, um cenário pouco vulgar em toda a orla ribeirinha de Lisboa. Aí existia uma "praia" «A praia da MARABANA», (até 1940/42), altura em que o novo desenvolvimento Industrial da cidade a fez desaparecer para sempre. in AFML



Rua de Xabregas - (Planta Nº 23 onde está representada a «RUA DIREITA DE XABREGAS» e a «FÁBRICA DO TABACO DE XABREGAS» - Atlas da Carta Topográfica de Lisboa, sob a direcção de Filipe Folque: 1856-1858. in CML-Departamento de Património Cultural-Arquivo Municipal de LISBOA.
--//--
RUA DE XABREGAS [ I ]
«O SÍTIO DE XABREGAS»
A «RUA DE XABREGAS» - Pertence à Freguesia do «BEATO».
Começa na «CALÇADA DE DOM GASTÃO» no número 32 e termina na «RUA DA MADRE DE DEUS» junto ao «VIADUTO FERROVIÁRIO».
Este topónimo foi atribuído por Deliberação Camarária de 18 de Maio de 1889, tendo como designação «RUA DIREITA DE XABREGAS», em 1937 passou a chamar-se «RUA DE XABREGAS»(1).
Convergem para esta rua os arruamentos seguintes: (de nascente para poente)- «RUA JOSÉ ANTÓNIO LOPES»; «TRAVESSA DA MANUTENÇÃO»; «RUA DA MANUTENÇÃO»; «BECO DOS TOUCINHEIROS»; «LARGO MARQUÊS DE NISA» e «RUA BISPO DE COCHIM» uma rua recente (2001) que faz a ligação entre a «RUA DE XABREGAS» e a «AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE».
PROVÁVEIS ORIGENS DA PALAVRA «XABREGAS»
Da origem do termo «XABREGAS» a toponímia histórica não nos dá uma explicação segura.
Tentaremos algumas propostas de diversos autores, sem nunca encontrarmos um verdadeiro significado.
Em tempos terá existido por estes sítios um lavadouro público, onde o diálogo entre as suas utilizadoras não era de bom agrado, quando se zangavam. As desordeiras tinham exclamações de: «LEIXA BREGA!» o que correspondia (DEIXA BRIGAS!), sendo frequentemente usada esta expressão no lavadouro, sempre que surgiam «BRIGAS». A partir daqui teríamos «ENXOBREGAS» e, finalmente «XABREGAS».
Ainda, por este local se encontrar muito junto ao TEJO, existe o relacionamento do nome «XAVEGA» (do Árabe XABAKA), rede de arrasto.
O nome de «XABREGAS» também poderá estar associado à existência de diversos vestígios Romanos encontrados na região - (marco miliário, lápide,sarcófago) e uma povoação chamada «AXABRICA».
«XABREGAS» no século XVI, era um lugar dos mais aprazíveis do «TERMO DA CIDADE», com as suas hortas e pomares e também uma praia. Era na praia de «XABREGAS» que se realizavam torneios de cavalaria, touradas e os tradicionais jogos de canas. Esta zona era ideal para a Realeza poder sair da cidade a descanso. Lentamente, os Nobres foram aproveitando os terrenos disponíveis para se instalarem em «XABREGAS».
A «RUA DE XABREGAS» e seu envolvente, representa muita história para a cidade que nessa altura se encontrava às portas de «LISBOA».
(CONTINUA) - (PRÓXIMO) - «RUA DE XABREGAS [II] - INÍCIO DA INDUSTRIALIZAÇÃO EM XABREGAS»





6 comentários:

Ricardo Moreira disse...

Só dois pequenos reparos.
A Rua do Bispo de Cochim foi aberta em 1998, no âmbito das obras de acesso à então Expo-98, actual Parque das Nações. Só recebeu o nome actual mais tarde, provavelmente no referido ano de 2001.
O segundo diz respeito à praia. Esta ficava onde é actualmente a doca ou onde é a Av. Infante D. Henrique? É que ambas as obras foram feitas em terrenos conquistados ao rio.
E que venham mais Histórias de Xabregas.

APS disse...

Caro Ricardo Moreira

Existem várias ruas que são concluídas, utilizadas e só mais tarde lhes é atribuído o nome. É este o caso.
Posso acrescentar que a Deliberação Camarária é de 18/07/2001 e a data do Edital de 25/07/2001. E possivelmente a cerimónia da inauguração terá sido noutra ocasião.

Quanto à praia de Xabregas não tenha dúvida ela existiu mesmo.
Pelas fotos que apresento podemos fazer o seguinte exercício. Ao fundo conseguimos ver o receptor dos cereais da NACIONAL, actualmente a Av.Infante D. Henrique passa-lhe por baixo. O areal da praia começava sensivelmente junto da rua da Manutenção do Estado (estabelecimento do 50-abertura para a futura-Avenida)e prolongava-se até dito receptor de cereais.
Eu próprio muitas vezes fui à praia de Xabregas.
Os terrenos conquistados ao Tejo, isso é outra história.
Espero ter esclarecido quanto à localização.
Mande sempre!
um abraço
APS

José Quintela Soares disse...

Excelentes, quer o texto quer as fotografias.
Especialmente a da família no areal, com espaço de sobra,espaço hoje em dia mero sonho.
Um abraço.

APS disse...

Caro José Quintela Soares

Agradecido pelo seu comentário.

Efectivamente espaço não faltava (nessa época) e quando somos "miúdos" tudo nos parece maior.
Um abraço
APS

Gracioso disse...

Caro APS
Eu creio que a praia da Marabana começava mesmo ao nível da entrada da igreja da Madre de Deus.
Frente à igreja, havia um portão, passáva-se por cima dos carris.
Havia os barracões do clube de remo do Ferroviário e era logo a Av. Infante D. Henrique.
Do lado ocidental, era cais até ao Jardim do Tabaco. Uma parte do cais era acessível.
Do lado oriental, era logo o plano inclinado para os barcos desportivos de remo.
Efectivamente, ía até à NACIONAL.
Mas nos anos 50, foi construído um cais aproximadamente ao nível do Grilo até à NACIONAL.
Lembra-se que de vez em quando, barcos de guerra estrangeiros atracavam lá.
O que as pessoas não acreditam é que nessa altura a água do Tejo era muito mais limpa.
Os golfinhos acompanhavam os cacilheiros.
Um abraço
JG

Agostinho Paiva disse...

Caro Graciano

Existiu realmente uma praia em XABREGAS chamada de "MARABANA" nome que nunca foi oficializado.
Esta praia tem consequência dos vários aterros feitos ao longo dos anos, mas mais acentuado na década de quarenta, com a finalidade na normalização e regularização do PORTO DE LISBOA.

A partir da década de 50 tudo se modificou (como praia e não só), na década de noventa foi novamente acrescentado para "parque" de CONTENTORES.
Vou-lhe enviar umas fotos de diversas épocas.

Obrigado pelo comentário e volte sempre!
Um abraço
APS