quarta-feira, 23 de junho de 2010

RUA DO POÇO DOS NEGROS [ II ]

Rua do Poço dos Negros - (1961) Foto de Artur Goulart ( Um troço da Rua do Poço dos Negros, no lado esquerdo fica-nos o Palácio Flor da Murta) in AFML
Rua do Poço dos Negros - (entre 1898 e 1908) Fotógrafo não identificado ( A Rua do Poço dos Negros, 2 a 8 e antigo Largo do Poço Novo) in AFML

Rua do Poço dos Negros - (entre 1898 e 1908) Fotógrafo não identificado ( A Rua do Poço dos Negros) in AFML


Rua do Poço dos Negros, 74 - (Entre 1898 e 1908) Fotógrafo não identificado (A Rua do Poço dos Negros) in AFML
-
(CONTINUAÇÃO)
-
RUA DO POÇO DOS NEGROS [ II ]
-
«A RUA DO POÇO DOS NEGROS (2)»
-
O olisipógrafo «GUSTAVO DE MATOS SEQUEIRA» na sua obra «DEPOIS DO TERRAMOTO», coloca ainda outra hipótese para a origem deste topónimo, associado à aproximação que existe do «CONVENTO DE SÃO BENTO» (actual Parlamento), e também conhecido no tempo, pelo «CONVENTO DE SÃO BENTO DOS FRADES NEGROS», devido à cor negra dos hábitos de seus frades e ainda da possível existência de um «POÇO» nas hortas dos respectivos frades.
«LUÍS PASTOR DE MACEDO» recolheu nos «LIVROS PAROQUIAIS» as seguintes denominações para esta artéria, nas datas que vão assinaladas: «RUA DIREITA QUE VAI DA ESPERANÇA para a "CALÇADA DO COMBRO" (1576); «RUA DO POÇO» (1578); «RUA DO POÇO DO CAMINHO» (1605); «RUA DA CRUZ DE SÃO BENTO» (1619); «RUA DIREITA DO POÇO DOS NEGROS» (1695).
Afirma-nos ainda «GUSTAVO DE MATOS SEQUEIRA» sobre a «RUA DO POÇO DOS NEGROS» que pela primeira vez viu este nome em (1681). E anteriormente conheceu as seguintes denominações: «RUA DIREITA QUE VAI DA ESPERANÇA para a "CALÇADA DO COMBRO" em (1576), substituindo a mais vetusta das estradas a «HORTA NAVIA» e «CAMINHO DAS PORTAS DE SANTA CATARINA» para SANTOS de (1515).
«RUA DA CRUZ DE SÃO BENTO» de (1599) a (1639). Esta cruz (de madeira) serviu de baliza à demarcação da freguesia das MERCÊS, e foi a causa da denominação da rua. Existiu uma cruz, durante muito tempo, no ponto de cruzamento das ruas do «POÇO DOS NEGROS» e a «RUA DA CRUZ DOS POIAIS».
O facto de só em (1681) se ter começado a chamar de «RUA DO POÇO DOS NEGROS», levou este olisipógrafo a admitir a possibilidade de o povo pretender fixar a localização da rua em referencia aos monges negros de São Bento.
A ajudar esta hipótese, aparece frequentemente, no século XVIII, a designação bairrista de «RUA DE SÃO BENTO DOS NEGROS».
Conta-nos ainda «JORGE MACAÍSTA MALHEIROS» na sua obra «À DESCOBERTA DOS NOVOS DESCOBRIMENTOS» que muitos dos escravos que mais tarde obtiveram alforria, acabaram por se concentrar nesta zona e na MADRAGOA. Tendo existido um bairro com o nome de «MOCAMBO» sendo o termo original "mu-kambu" que significa esconderijo em "KIMBUNDU" de ANGOLA.
-
(CONTINUA) - (PRÓXIMO) -«RUA DO POÇO DOS NEGROS [ III ] - PALÁCIO FLOR DA MURTA (1)»



5 comentários:

Carlos Henriques disse...

Bom Dia,

Belas Fotos...

Ainda me lembro, na curva da primeira foto, quando o eléctrico, que vinha veloz, seguia em frente e "entrava" pela montra da leitaria que havia no prédio onde morava o Sr. Ramos, (que não me recordo o nome)obrigando ao corte do trânsito na rua durante algum tempo.

Mais uma vez obrigado por trazer à memória factos já esquecidos da minha infância nesta pitoresca zona. O meu bairro - Bica, S. Paulo e Santa Catarina...

Um abraço,

Carlos

APS disse...

Caro Carlos Henriques

A mim também me diz muito esta freguesia de «SANTA CATARINA».
Trabalhei durante quinze anos no JC (Rua Dr. Luís de Almeida e Albuquerque,5) e fui muito feliz nessas paragens.
Estudei (à noite) no «PASSOS MANUEL» no «LARGO DE JESUS» e «TRAVESSA CONVENTO DE JESUS» na mesma freguesia,da qual tenho gratas recordações.

Esquecer, não esqueceu... são factos retidos na sua memória, que através desta leitura os recordou.

Um abraço
APS

pinto disse...

Excelente

João Celorico disse...

Também eu conheci, razoavelmente, esta zona. O piso inferior do palácio, na curva, era utilizado por uma loja de fazendas e logo a seguir, julgo, estava a Fábrica de licores "A Esmeralda". Nas traseiras, rua Fresca, onde se diz irem fazer um estacionamento, foi nos anos 40 e 50, uma garagem. Depois foi armazém dos Armazéns do Conde Barão.
Na 2ª foto, no prédio esquina com o largo Dr. António de Sousa Macedo, no 1º andar veem-se as janelas da Escola nº 8, cuja entrada era na rua dos Poiais de S.Bento. A porta que se vê, no largo, era a entrada para o alfaiate Piló, que ficava no rés do chão e a loja, de fazendas, era a casa Coimbra. A primeira porta, do lado da rua do Poço dos Negros, era a taberna onde eu, ao domingo, ouvia os relatos da bola. O quiosque da foto deve ter sido substituido por uma cabine telefónica. Eu, andei na Escola nº 8, anos 50/51 e morava na rua dos Poiais , nº2.

Velhos tempos,
cumprimentos,
João Celorico

APS disse...

Caro João Celorico

Bem-vindo a este Blogue.
É sempre salutar, recordar velhos tempos!
Eu dediquei um carinho muito especial a esta zona da cidade de Lisboa, porque também nos anos 50 e 60 do século passado, andei por estas paragens.
Cumprimentos
APS