quarta-feira, 11 de maio de 2011

CALÇADA DOS BARBADINHOS [ XVII ]

Calçada dos Barbadinhos - (1998) Autor não identificado (Planta Aerofotogramétrica 4-7,Escala 1:2000. Maio de 1963. Actualizada em 1987- Área que pertencia à cerca dos Frades Barbadinhos Italianos, hoje MUSEU DA ÁGUA) in CAMINHO DO ORIENTE


Calçada dos Barbadinhos - (200_) Foto de autor não identificado (Estação Elevatória dos Barbadinhos, hoje MUSEU DA ÁGUA) in VIAJAR



Calçada dos Barbadinhos - (1906) Foto de Alberto Carlos Lima ( Estação Elevatória dos Barbadinhos) in AFML


(CONTINUAÇÃO)


CALÇADA DOS BARBADINHOS [ XVII ]


«A ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DOS BARBADINHOS ( 3 )»


*PERCURSO DO CANAL DO ALVIELA*


Depois de passar o vale da «OTA», vem atravessar a estrada real de «LISBOA» ao «PORTO» a 1,5km da «OTA»; e seguindo à direita e próxima desta estrada, atravessa-a novamente junto da «QUINTA DA BELA VISTA», onde deixando a estrada à direita, passa na encosta à esquerda dos «MOINHOS DA FORCA», atravessa depois o vale de «ALENQUER», no sítio dos «PEDROGÃOS», com um sifão de 450 m. Seguindo, depois, a baixa que de «ALENQUER» se estende até aos «CASAIS», passando junto da «QUINTA DA D. TERESA», vai atravessar o vale do «CARREGADO» ou do «CADAFAIS», junto da «QUINTA DO VALE DE FLORES». Segue, depois, as encostas que ficam ao Norte de «VILA FRANCA DE XIRA» e «ALHANDRA», atravessando em sifões as depressões que cortam aquelas encostas, passa na «PROVERBA», depois de atravessar o vale dos «CANIÇOS» ao norte da «PÓVOA», passa no ângulo sudoeste da «QUINTA DO MARQUÊS DE ABRANTES», atravessa o vale de «SANTA IRIA» com um sifão e depois o da «QUINTA DO BOLONHO» por meio de uma arcada. Passando depois em «S. JOÃO DA TALHA» e em «BOBADELA», vem, por meio de um sifão, atravessa o vale de «SANTARÉM» entre as duas pontes que actualmente existem, a da estrada e a do Caminho de ferro. O sifão será enterrado no rossio de «SACAVÉM DE BAIXO» e passará sobre o rio em tubos de ferro, que formarão eles mesmos as aduelas de um arco com 30 metros de corda e 3 metros de flecha. Depois do vale de «SANTARÉM», passa o canal na «QUINTA DO CABEÇO», vai atravessar o vale dos «OLIVAIS», ao sul da Igreja, segue na direcção do «DESTERRO», passando em túnel à direita do canal daquele nome, seguindo depois a encosta oeste para ir passar o vale de «CHELAS» pouco acima da «FÁBRICA DE XABREGAS», atravessando a estrada da circunvalação entre as portas da «MADRE DE DEUS» e as da «CALÇADA DAS LAJES». Entra na cidade em túnel e atravessa, depois, o vale de «LÁZARO LEITÃO», por meio de um sifão que vem terminar no reservatório de chegada, na «QUINTA DOS BARBADINHOS ITALIANOS», com a cota de 31,66m.


As águas do «ALVIELA» chegaram aos «BARBADINHOS» em 19 de Setembro de 1880. Tratou-se de ensaiar as máquinas elevatórias, cujo funcionamento satisfez perfeitamente. Tudo ficou, então a postos para dar começo à utilização destas novas águas, tão depressa fossem aprovados os trabalhos realizados.


A inauguração efectuou-se, com toda a solenidade, na tarde do dia 3 de Outubro de 1880. A ela presidiu o rei «D. LUÍS », com a presença do rei «D. FERNANDO II» e do infante «D. AUGUSTO», assistiram os «MINISTROS DA COROA», as vereações da Câmara Municipal de LISBOA, BELÉM e OLIVAIS, membros do CORPO DIPLOMÁTICO, PARES DO REINO, e DEPUTADOS, e outras altas individualidades. O arcebispo de MITILENE lançou a bênção do canal, do reservatório e das máquinas; e o «MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS», por incumbência de SUA MAJESTADE, abriu a válvula do sifão Nº 50 na «CERCA DO CONVENTO DAS COMENDADEIRAS DE SANTOS», para dar passagem às águas do canal para o reservatório. Em seguida , os Reis e Infante dirigiram-se à casa das máquinas e aí o «D. LUÍS» deu sinal para que elas iniciassem o seu trabalho de elevação para a cisterna do «MONTE», onde as águas chegaram pouco depois.


Cada uma das fases da notável festa era assinalada por fogo de artifício e salvas de morteiro. E nessa noite e nas duas que se lhe seguiram houve luminárias e música no «LARGO DO PELOURINHO».


Só em finais do século XX, depois da inauguração do «SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE CASTELO DE BODE», o aqueduto do «ALVIELA» deixou de ser o principal abastecedor de água à cidade de LISBOA.


(CONTINUA)-(PRÓXIMO)-«CALÇADA DOS BARBADINHOS [ XVIII]- A ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DOS BARBADINHOS ( 4 )».




2 comentários:

José Luís Espada Feio disse...

Caro Agostinho
tomo o liberdade de usar este seu espaço de que tanto gosto para difundir um apelo para ajudar alguém que me é próximo.
obrigado
http://josespadafeio.blogspot.com/2011/05/apelo-para-salvar-vida-de-uma-crianca.html#links

APS disse...

Caro José Espada Feio
Não faço mais do que um dever para com o próximo.
Já enviei e-mails aos meus conhecidos.
Espero e desejo que tudo corra bem.
Eu, devido à minha idade, já não posso ser dador.
Um abraço
APS