quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS - 3.ª SÉRIE [ X ]

«RUA BRITO CAMACHO ( 2 )»
 Rua Brito Camacho - (2015) -  (Uma vista do início da "RUA BRITO CAMACHO" na parte SUL) in GOOGLE EARTH
 Rua Brito Camacho - (2015) - (Panorama mais aproximado do sítio onde se encontra a "RUA BRITO CAMACHO" na freguesia do "LUMIAR") in  GOOGLE EARTH 
 Rua Brito Camacho - (2015) - (Um troço da "RUA BRITO CAMACHO" vista de Norte para Sul)  in  GOOGLE EARTH
 Rua Brito Camacho - (2015) - (Aspecto de "RUA BRITO CAMACHO" na freguesia do "LUMIAR") in GOOGLE EARTH
Rua Brito Camacho - (2015) - ( A parte Norte da "RUA BRITO CAMACHO") in GOOGLE EARTH 


(CONTINUAÇÃO) - RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS - 3.ª SÉRIE [ X ]

«RUA BRITO CAMACHO ( 2 )»

«BRITO CAMACHO» assinava os editoriais e era ainda geralmente o autor das secções "AO DE LEVE" e "ECOS", feitas de pequenas notas que, pela sua ironia e vivacidade, depressa se transformaram em leituras obrigatórias.
Tinha colaboradores de grande envergadura, como "BASÍLIO TELES", "AUGUSTO DE VASCONCELOS", " DUARTE  LEITE" e outros.
Entretanto, o jornalista foi eleito deputado pelo circulo de BEJA. Ele e o jornal "A LUTA" travaram combate em múltiplas campanhas, como o caso dos adiantamentos à CASA REAL, a questão dos TABACOS e o problema dos AÇUCARES.
Claro que, sendo como era, "A LUTA" e "CAMACHO" tiveram inimigos. Conta-se, por exemplo, que um movimento de jovens se reuniu numa agremiação que tinha a sua sede num prédio de uma rua próxima do CHIADO e se evidenciou como ferozmente "ANTI-CAMACHISTA". Em artigos na imprensa ou em comunicados, tentavam apoucar o jornalista e político. Acontecia, porém, que, no prédio onde o referido grupo se reunia, existia, num andar mais alto, um bordel mais ou menos reconhecido. Assim, ao fazerem notar a "CAMACHO" que "os garotos se andavam a meter com ele", logo a resposta explodiu: "Andam, andam... Ainda me obrigam a subir a escada e a fazer queixa às mãezinhas deles...".  

Proclamada a REPÚBLICA, "BRITO CAMACHO" fez parte do GOVERNO PROVISÓRIO", com a pasta do "FOMENTO" ( 1 ).
Fundou seguidamente o "PARTIDO REPUBLICANO UNIONISTA". Mais tarde, já nos anos vinte, foi alto-Comissário em Moçambique, ocasião em que deixou a Direcção efectiva do diário "A LUTA".
 Durante a primeira "GRANDE GUERRA" (1914-1918), manteve-se um tanto afastado do "GOVERNO DE UNIÃO SAGRADA", já que defendia que a intervenção de PORTUGAL no conflito deveria processar-se somente nas COLÓNIAS e não em FRANÇA ( 2 ).

Nos últimos anos de vida era frequentador do "CAFÉ CHIADO", aberto no local onde fora o "MARRARE" na "RUA GARRETT. Já então privado de tribuna parlamentar e jornalista, lá distribuía os seus ditos de espírito.

- ( 1 ) -"BRITO CAMACHO" como membro do Governo foi um dos mentores, conjuntamente com "JOAQUIM TEÓFILO DE BRAGA", "ANTÓNIO JOSÉ DE ALMEIDA", "AFONSO COSTA", "JOSÉ RELVAS", "ANTÓNIO XAVIER CORREIA BARRETO", "AMARO DE AZEVEDO GOMES" e "BERNARDINO MACHADO", que subscreveram  a "LEI DA SEPARAÇÃO DA IGREJA DO ESTADO", em 20 de Abril de 1911.
- (  ) - Na sequência da "REVOLUÇÃO DE 28 de Maio de 1926", "BRITO CAMACHO" foi obrigado a abandonar a actividade política, retirando-se para a vida privada.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS-3ª.SÉRIE [ XI ] - RUA CÂNDIDO DE FIGUEIREDO».


Enviar um comentário