sábado, 23 de setembro de 2017

RUA TOMÁS ALCAIDE [ IV ]

«DEIXA ITÁLIA, COM A DEFLAGRAÇÃO DA II GUERRA MUNDIAL»
 Rua Tomás Alcaide - (2008) BARRAGON  -  ("BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" na Malha "I" de CHELAS, na freguesia de MARVILA)  in   SKYSCRAPERCITY
 Rua Tomás Alcaide  -  2004 - Foto de Ambroise Tézenas  -  (Aspecto do "TEATRO ALLA SCALA" de MILÃO, onde vários anos actuou o tenor lírico "TOMÁS ALCAIDE")  in  INFOESCOLA
 Rua Tomás Alcaide  -  (1932)  -  (Representação de "TOMÁS ALCAIDE" no "TEATRO ALLA SCALA" de MILÃO, na ópera "KÖNIGSKINDER")   in   AI QUERIAM ÓPERA
 Rua Tomás Alcaide - (29 de Agosto de 1941)  -  (Casamento de "TOMÁS ALCAIDE" com sua segunda esposa "ASTA.ROSE JORDAN", em JOINVILLE  no  BRASIL)   in   TOMÁS ALCAIDE
 Rua Tomás Alcaide  -  (1951)  - (TOMÁS ALCAIDE na opereta "AS TRÊS VALSAS" de ÓSCAR STRAUSS, no inaugurado TEATRO MONUMENTAL, ao lado da actriz "LAURA ALVES")  in  TOMÁS ALCAIDE
 Rua Tomás Alcaide  -  (1936)  -  (Apresentação do filme «BOCAGE» uma realização de LEITÃO DE BARROS, onde "TOMÁS ALCAIDE" dá a sua colaboração com uma canção de sucesso na época)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   CINEMA PORTUGUÊS
Rua Tomás Alcaide - ( 1936 )  -  (Cena do filme "BOCAGE" de LEITÃO DE BARROS, "TOMÁS ALCAIDE" canta "O AMOR É CEGO E VÊ" rodado em QUELUZ.  Ouvir aqui a canção.... )  in    CINEMA PORTUGÊS

(CONTINUAÇÃO)-RUA TOMÁS ALCAIDE [ IV ]

«DEIXA ITÁLIA, COM A DEFLAGRAÇÃO DA II GUERRA MUNDIA

Voltou em 1931 ao "TEATRO ALLA SCALA" de MILÃO, e em Janeiro estreou-se na "ÓPERA DE PARIS" ( a sua única apresentação nesse teatro com RIGOLETTO e em substituição de BENIAMINO GIGLI) e no verão no "FESTEVIAL DE SALZBURGO" e na "ÓPERA DO ESTADO DE VIENA", juntamente com um grupo de cantores ligados ao "TEATRO ALLA SCALA".
"TOMÁS ALCAIDE" a partir de 1932 andou pelos TEATROS do SUL DE FRANÇA, no "GRANDE THÉÂTRE DE BORDÉUS", ou o "THÉÂTRE DU GRANDE CASINO DE VICHY", actuando também nos TEATROS BELGAS e no Norte de FRANÇA.
No ano de 1934 em Outubro "TOMÁS ALCAIDE" foi condecorado pelo Governo Português com a ORDEM MILITAR DE CRISTO e a ORDEM MILITAR DE SANTIAGO DA ESPADA.
No ano de 1936 é realizada uma longa-metragem de ficção portuguesa com o título «BOCAGE», dirigida por "LEITÃO DE BARROS", onde o tenor "TOMÁS ALCAIDE" tem uma participação musical cantando: «O AMOR É CEGO E VÊ». O filme teve a sua estreia no CINEMA S. LUÍS no dia 1 de Dezembro do mesmo ano.
"TOMÁS ALCAIDE" regressa a ITÁLIA onde é informado de que, para cantar naquele país, terá de se naturalizar-se italiano. Recusa-se a renegar a identidade portuguesa e transfere-se para FRANÇA, onde prossegue uma carreira invejável.
Entretanto, deflagra a II GUERRA MUNDIAL e vê interrompida a sua carreira. Embarca para o BRASIL, onde conhece a sua segunda mulher "ASTA ROSE" com quem viria a casar a 29 de Agosto de 1941, ano também do falecimento de seu pai "ROBERTO MARIA ALCAIDE". Esta segunda esposa vai ser sua companheira até ao fim da vida.
Parte em digressão pela "AMÉRICA DO SUL", onde permanece até 1942, actuando no "TEATRO CÓLON" em BUENOS AIRES, que o recebe de braços abertos, assim como a "ÓPERA DO RIO DE JANEIRO" e o "TEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO" no BRASIL.
A situação criada pela guerra, e problemas de saúde, levaram-no a não cantar durante dois anos, entre 1943 e 1945.  Embora em 1943 seja submetido a uma intervenção cirúrgica a uma hérnia diafragmática, surgindo depois várias complicações. Em Fevereiro de 1944 é novamente operado. desta vez a uma hérnia inguinal.  No ano de 1945 começa a frequentar um curso de pintura na ESCOLA DE BELAS ARTES, que lhe valerá a completar mais tarde, a sua actividade de encenador.
Quando retomou a actividade profissional, a carreira de "TOMÁS ALCAIDE" não voltaria a ser a mesma; para além de algumas récitas em PORTUGAL, cantaria nos Teatros Belgas em 1946/47 e no BRASIL, onde no início de 1948, actuaria pela última vez como cantor de Ópera Internacional.

De regresso a LISBOA em 1949, não conseguiu encontrar ocupação profissional como cantor lírico, assumindo um lugar de Assistente de programas de 2.ª classe na EMISSORA NACIONAL, entre 1951 e 1955 data em que se retirou, actuou pontualmente nos Teatros Portugueses, cantando operetas. É convidado em 1951 para integrar o elenco da opereta "AS TRÊS VALSAS" de ÓSCAR STRAUSS, aquando  da inauguração do "TEATRO MONUMENTAL (1951-1982), ao lado da actriz "LAURA ALVEZ" e os actores "JOÃO VILLARET" e "EUGÉNIO SALVADOR", entre outros.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA TOMÁS ALCAIDE [ V ]-EM PORTUGAL PARA REPRESENTAR E ENCENAR "ÓPERAS"».

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

RUA TOMÁS ALCAIDE [ III ]

«DA PRIMEIRA ESTREIA À IDA PARA ITÁLIA»
 Rua Tomás Alcaide - (2016)  -  (A "RUA TOMÁS ALCAIDE" no "BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" no sentido Norte, na Freguesia de MARVILA)   in   GOOGLE EARTH
 Rua Tomás Alcaide - (1927)  -  ("TOMÁS ALCAIDE" considerado um dos maiores artistas líricos da sua época, representando o "RIGOLETTO" em (BOSTON-USA) Publicado no CM de 23.02.2001 por ocasião do lançamento do seu segundo livro)   in  CORREIO DA MANHÃ
 Rua Tomás Alcaide -  16 de Abril de 1927  -  (Anúncio do "RIGOLETTO" de VERDI, ópera em 3 actos, onde TOMÁS ALCAIDE representa o "DUQUE DE MANTUA")  in  TOMÁS ALCAIDE 
 Rua Tomás Alcaide - (1928)  -  ("TOMÁS ALCAIDE" na representação da Ópera "MADAMA BUTTERFLY" drama em 3 actos de G. PUCCINI)    in  TOMÁS ALCAIDE
 Rua Tomás Alcaide - (1929)  -  ("TOMÁS ALCAIDE" na interpretação da ópera "O PESCADOR DE PÉROLAS" de BIZET, na ária "mi par d'udire ancora")  in  TUKAKUBANA
 Rua Tomás Alcaide - (02.05.1929)  -  (Anúncio de apresentação da ópera "LA BOHÈME" de PUCCINI, no Coliseu dos Recreios em LISBOA, com a participação de TOMÁS ALCAIDE)  in DIÁRIO DE NOTÍCIAS
Rua Tomás Alcaide  - (1929)  -  (Anúncio da estreia de TOMÁS ALCAIDE no Coliseu dos Recreios em LISBOA, publicado no DN de 25.04.1929)  in   DIÁRIO DE NOTÍCIAS

(CONTINUAÇÃO) - RUA TOMÁS ALCAIDE [ III ]

«DA PRIMEIRA ESTREIA À IDA PARA ITÁLIA»

Na sua passagem pela cidade do MONDEGO, acabaria por ser-lhe bastante proveitosa, não como aluno da FACULDADE, mas como cantor de inúmeras serenatas nocturnas que lhe deram uma enorme popularidade. É nesta ocasião e incentivado por amigos e críticos, que "TOMÁS ALCAIDE" decide dedicar-se exclusivamente por uma carreira lírica.
"TOMÁS ALCAIDE" realiza a sua estreia como amador no "CLUBE ESTEFÂNIA" de LISBOA, cantando a ópera "LA BOHÈME" de GIACOMO PUCCINI (1858-1924). Começara assim, a fulgurante carreira de "TOMÁS ALCAIDE", que passou de seguida por diversas salas de espectáculos portugueses como: "COLISEU DE LISBOA", "TEATRO NACIONAL DE S. CARLOS", o "CLUBE ESTEFÂNIA", "CASINO PENINSULAR DA FIGUEIRA DA FOZ" e o "TEATRO MUNICIPAL DO FUNCHAL", interpretando entre outras óperas "LA BOHÈME" e o"RIGOLETTO" de GIUSEPPE VERDI (1813-1901).
A internacionalização não tardou para o tenor português. MADRID recebe-o no "TEATRO ESPANHOL" com a "TOSCA" de PUCCINI e MILÃO adopta-o como seu.
A 19 de Abril de 1925 "TOMÁS ALCAIDE" partia para MILÃO onde desenvolveu a sua técnica e arte vocal, aperfeiçoando-se com o professor e maestro "FERDINANDO FERRARA", estuda e ensaia com grande vontade, até que a 5 de Dezembro do mesmo ano, tem a sua estreia no "TEATRO CARCANO" de MILÃO, no papel de "WILHELM  MEISTER" da ópera "MIGNON" de "AMBROIS THOMAS (1811-1896), que obtém um sucesso grandioso.
Nos anos seguintes "TOMÁS ALCAIDE" trabalhou, ininterruptamente em quase todos os teatros de ITÁLIA tendo sido escolhido para a estreia MUNDIAL de "AS PRECIOSAS RIDÍCULAS" de FELICE LATTUADA (1882-1962), interpretando o papel de "MASCARILLE", no "REAL DE ROMA".
Posteriormente é contratado para o mais reputado Teatro de Ópera Italiana de sempre, o "LA SCALA" de MILÃO. No "SCALA" onde é escutado com grande êxito nas óperas "AS PRECIOSAS RIDÍCULAS", "IL GOBBO DEL CALIFFO" de FRANCO CASAVOLA (1891-1955) e "MADONNA IMPERIAL" de FRANCO ALFANO(1875-1954).
Depois do "LA SCALA" em MILÃO, seguem-se actuações sempre com enorme sucesso, o que acabou por levar o nome de "TOMÁS ALCAIDE" a toda a EUROPA e AMÉRICA.
Apreciado pelos seus inegáveis dotes naturais (os "pianíssimos" eram levados ao extremo) mas também pelo seu virtuosismo técnico e escola, "TOMÁS ALCAIDE" figurou nos mais importantes cartazes dos teatros líricos da EUROPA e da AMÉRICA.
"TOMÁS ALCAIDE" canta ópera em BOSTON, seguido de uma digressão pelos ESTADOS UNIDOS.  Em resultado dessa projecção INTERNACIONAL, o mundo da ZARZUELA e da ÓPERA VIENENSE concedeu-lhe honras de primeira vedeta.

Aos 26 anos continuam êxitos atrás de êxitos, "TOMÁS ALCAIDE" é um homem bonito, culto, elegante e famoso. É referido em todo o MUNDO (do "BELO CANTO") como uma das maiores vozes, do cântico lírico do seu tempo.
Na década de 30 parte para "MONTECARLO" (ITÁLIA) onde interpreta a "ZARZUELA" ou "COMÉDIA LÍRICA" «DOÑA FRANCISQUITA» de AMADEO VIVES (1876-1932), seguindo depois para "BOLONHA" e "PARIS" com a opereta "O PAÍS DOS SORRISOS" de FRANZ LEHÁR (1870-1948), com o qual obtém um sucesso magnifico.
Em 1930 no mês de Fevereiro "TOMÁS ALCAIDE" separa-se da sua primeira esposa "KATHARINE RICH", dessa união, existe uma filha nascida a 16.12.1927 em EVANSTOS (ILINOIS)  de seu nome "MARY RICH ALCAIDE", única filha de "TOMÁS ALCAIDE".


(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA TOMÁS ALCAIDE [ IV ]-DEIXA  ITÁLIA, COM A DEFLAGRAÇÃO DA II GUERRA MUNDIAL». 

sábado, 16 de setembro de 2017

RUA TOMÁS ALCAIDE [ II ]

«DO NASCIMENTO À IDA PARA COIMBRA»
 Rua Tomás Alcaide - (2016)  -  (Um aspecto da "RUA TOMÁS ALCAIDE" no BAIRRO DAS AMENDOEIRAS em CHELAS, freguesia de MARVILA)  in  GOOGLE EARTH
 Rua Tomás Alcaide - (1907) - Foto de Ernesto Vieira  -  (Foto de "Tomás Alcaide" tirada em Estremoz com seis anos de idade)  in  TOMÁS ALCAIDE (1901-1967)
 Rua Tomás Alcaide - (1921)  -  (O Primeiro-sargento cadete (a cavalo) do Regimento de Lanceiros 2 na Calçada da Ajuda em Belém, no campo de obstáculos do regimento)  in  TOMÁS ALCAIDE 
 Rua Tomás Alcaide - (1924)  -  ("TOMÁS ALCAIDE" em LISBOA no "CLUBE ESTEFÂNIA" na sua primeira representação de "RODOLFO" na ópera "LA BOHÉME")  in  TOMÁS ALCAIDE
 Rua Tomás Alcaide  - (1924)  -  ("TOMÁS ALCAIDE" nas primeiras interpretações de "LA DONNA E MOBILE" da ópera "RIGOLETTO" de VERDI)   in  TOMÁS ALCAIDE 
 Rua Tomás Alcaide - (1925)  -  (Cartaz da Temporada de Ópera 1925/26 do TEATRO CARCANO, de MILÃO, onde "TOMÁS ALCAIDE" (agora com nome de "ALCAIDE TOMASO") iniciou a carreira internacional)  in   TOMÁS ALCAIDE
Rua Tomás Alcaide - 1926  - ("TOMÁS ALCAIDE" com sua primeira esposa "KATHARINE RICH" em STRESA, depois de uma partida de ténis)  in   TOMÁS ALCAIDE


(CONTINUAÇÃO) - RUA TOMÁS ALCAIDE [ II ]

«DO NASCIMENTO À IDA PARA COIMBRA»


«TOMÁS DE AQUINO CARMELO ALCAIDE», nasceu em ESTREMOZ Distrito de ÉVORA a 16 de Fevereiro de 1901 e faleceu em LISBOA a 9 de Novembro de 1967.
Filho de "ROBERTO MARIA ALCAIDE" e de "MARIA DAS PEDRAS ALVAS GOMES CARMELO", residentes em ESTREMOZ, a cidade onde nasceu e viveu toda a sua infância e iniciou os seus estudos.  
Foi viver para LISBOA aos onze anos, para frequentar o COLÉGIO MILITAR, onde recebeu educação completa nas mais diferentes armas. Permaneceu no COLÉGIO MILITAR de 1912 a 1920, com o número 236, tendo concluído o CURSO LICEAL. Alista-se depois, como SARGENTO-CADETE no REGIMENTO DE LANCEIROS 2, na CALÇADA DA AJUDA em BELÉM, mas verifica que a sua forma de estar na vida, não era compatível com uma CARREIRA MILITAR.
Em LISBOA, já se tornava notado pelas suas qualidades no CANTO LÍRICO, com uma voz tenorina de belo timbre.
Tenta os estudos Académicos, inscrevendo-se em MEDICINA,  no ano de 1921 e inicia o "CURSO PREPARATÓRIO DE MEDICINA" na "ESCOLA POLITÉCNICA DE LISBOA", onde acabou por fazer as cadeiras de ZOOLOGIA, BOTÂNICA e FÍSICA, mas os resultados são insuficientes. "TOMÁS ALCAIDE" vivia em LISBOA com seu tio que tinha paixão pela música, tendo-o incentivado  e apoiado no estudo do belo canto e da música clássica. Assim ainda em 1921 inicia as lições de canto com o professor ALBERTO SARTI. Em 1922 o seu professor de canto era já o Barítono "D. FRANCISCO DE SOUSA COUTINHO".
Após uma primeira apresentação pública na sua terra, continua os seus estudos de canto, desta vez com a célebre MEIO-SOPRANO Italiana, "EUGENIA MANTELL" e do maestro FERDINANDO FERRARA.
Decide tentar novamente o "CURSO DE MEDICINA", desta vez em COIMBRA, tendo em conta o ambiente Académico e de boémia saudável de que tanto gostava, sendo que a presença de ALENTEJANOS seus amigos e contemporâneos, contribuiu para esta decisão.
Caloiro na "FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA", no ano lectivo de 1923-1924, começando logo por fazer parte do "ORFEON ACADÉMICO DE COIMBRA". É assim que nesse ano de 1923, o ORFEON e a TUNA ACADÉMICA DE COIMBRA, obtêm um êxito retumbante na sua deslocação a ESPANHA de que a IMPRENSA da época fez eco. A passagem de TOMÁS ALCAIDE, pela UNIVERSIDADE DE COIMBRA, foi brilhante. Situação ignorada por grande parte dos que abordam o ser traçado biográfico. A sua referência histórica, fica a dever-se a uma deslocação do "ORFEON ACADÉMICO DE COIMBRA", ao "COLISEU DOS RECREIOS DE LISBOA", no segundo semestre de 1923. No programa, constava "EDMUNDO BETTENCOURT", uma voz afamada de COIMBRA, iria cantar, e muitos estavam à espera no COLISEU. À última hora, "BETTENCOURT" faltou  à chamada, e o regente manda avançar o "CALOIRO DE MEDICINA", que cantava de forma sublime. O público delirante, aplaude, julgando tratar-se de "EDMUNDO BETTENCOURT" que eles não conheciam. Ninguém desfez o equivoco, e o "ORFEON" com um desempenho global muito bom, registou mais um sucesso monumental. Esta história verdadeira, é-nos recordada no livro do "DR. ANTUNES NUNES RIBEIRO SANCHES"-Vol. I-Editora- Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra-1959, e nós recontamos. Ficando assim registado para sempre, desta forma, a passagem meteórica de "TOMÁS ALCAIDE" pela "ACADEMIA DE COIMBRA". Perante os insucessos escolares, por falta de estudo, "TOMÁS ALCAIDE" abandona COIMBRA e regressa a LISBOA em 1924.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA TOMÁS ALCAIDE [ III ] -DA PRIMEIRA ESTREIA À IDA PARA ITÁLIA».

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Tomaz Alcaide, tenor " Gosto de Ti" (filme BOCAGE) 1936 Columbia HQ.

RUA TOMÁS ALCAIDE [ I ]

«A RUA TOMÁS ALCAIDE E SEU ENQUADRAMENTO»
 Rua Tomás Alcaide - (2017)  -  (Desenho adaptado da "RUA TOMÁS ALCAIDE", parte nascente do "BAIRRO DAS AMENDOEIRAS", construído para habitação social, na Freguesia de "MARVILA")    in      ARQUIVO/APS
 Rua Tomás Alcaide  - (2016)  -  (A "RUA TOMÁS ALCAIDE" no BAIRRO DAS AMENDOEIRAS na Malha "I" de CHELAS)   in   GOOGLE EARTH
 Rua Tomás Alcaide  -  (2016)  -  (Panorâmica do "Bairro das Amendoeiras" onde está inserida a "RUA TOMÁS ALCAIDE)  in  GOOGLE EARTH
 Rua Tomás Alcaide  - (2016)  -  (A Panorâmica mais aproximada da RUA TOMÁS ALCAIDE na zona de CHELAS)   in   GOOGLE EARTH
 Rua Tomás Alcaide  -  (2008) - Foto de Barragon  - (Mapa da Zona de CHELAS onde podem ser vistos os seus BAIRROS, na freguesia de MARVILA)   in  SKYSCRAPERCITY
 Rua Tomás Alcaide -  (2008) - Foto de BARRAGON  -  (Plano ORTOFOTO da Zona de CHELAS onde se insere o "BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" e a "RUA TOMÁS ALCAIDE")  in   SKYSCRAPERCITY
Rua Tomás Alcaide - (1991)  -  (CD editado com áreas de ópera cantadas pelo grande "TOMÁS ALCAIDE" e "LIONEL CECIL" em Itália, com o título "IL MITO DELL'OPERA" onde "TOMÁS ALCAIDE " tem 15 faixas deste disco)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in  GUITARRA DE COIMBRA


- RUA TOMÁS ALCAIDE [ I ]

«A RUA TOMÁS ALCAIDE E SEU ENQUADRAMENTO»

A «RUA TOMÁS ALCAIDE» pertence à freguesia de «MARVILA». Está implantada no "BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" (antiga ZONA "I" de CHELAS), começa possivelmente, na "RUA ACTRIZ PALMIRA BASTOS" e finaliza na "RUA MANUEL TEIXEIRA GOMES. Tem como convergentes a "RUA RUI DE SOUSA" e a "RUA LUÍS PACHECO", sendo esta última uma "via principal de peões em Chelas".
A ACTA Nº 97 de Outubro de 1970 da "COMISSÃO CONSULTIVA MUNICIPAL DE TOPONÍMIA" constata o recebimento de uma carta da "EDITORIAL POLIS", sugerindo que a uma RUA DE LISBOA, seja dada o nome de "TOMÁS ALCAIDE".
A COMISSÃO considerou inteiramente justificada a consagração do nome referido, sendo de parecer que passe a denominar o arruamento ma "MALHA" "I" de CHELAS, freguesia de MARVILA, que na "RUA - I - DEZ", seja destinado o topónimo de "RUA TOMÁS ALCAIDE" - cantor Lírico - (1901-1967), com a aprovação do EDITAL CAMARÁRIO de 04 de Novembro de 1970.
A "RUA TOMÁS ALCAIDE" está inserida no "BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" abrangendo as antigas QUINTAS: do "ALENTEJÃO" ( a Norte), QUINTA DAS AMENDOEIRAS"; QUINTA DA RAPOSA e QUINTA DA CERA no meio, ficando mais para Sul a QUINTA DA LEBRE e o VALE FUNDÃO. 
Este espaço era também atravessado pelas antigas AZINHAGAS: da QUINTA DA CERA, do FERRÃO, da QUINTA DOS CRAVOS e AZINHAGA DA TROCA. A Nascente tinha mais uma "QUINTA DE ALFENIM". A Sudeste do BAIRRO fica o "PARQUE URBANO DO VALE FUNDÃO  e no lado Sudoeste a "ESCOLA SECUNDÁRIA DOM DINIS".
Durante vários anos no passado, a área de MARVILA e CHELAS eram denominadas pelo nome de ZONAS: ZONA "I"; ZONA "J"; ZONA "M"; ZONA "N1" e ZONA "N2".  Sensivelmente a partir do meio da década de 90 do século XX, as designações das ZONAS foram substituídas pela denominação de BAIRROS.
Ao "BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" correspondia a (ex-ZONA "I");  BAIRRO DO ARMADOR (ex-ZONA "M"); BAIRRO DO CONDADO (ex-ZONA "J"); BAIRRO DA FLAMENGA (ex-ZONA "N1") e ao BAIRRO DOS LOIOS a (ex-ZONA "N2").
A freguesia de MARVILA é constituída por 10 BAIRROS: BAIRRO DA FLAMENGA; BAIRRO DA PRODAC "Norte" e "Sul" ou VALE FUNDÃO; BAIRRO DAS AMENDOEIRAS; BAIRRO DAS SALGADAS; BAIRRO DO ARMADOR; BAIRRO DO CONDADO; BAIRRO DOS ALFINETES; BAIRRO DOS LÓIOS; BAIRRO MARQUÊS DE ABRANTES e "POÇO DO BISPO" (zona histórica de MARVILA).
Permanece no tempo a memória de algumas QUINTAS nesta freguesia de MARVILA, e noutras, quando aconteceu o realojamento de grande parte da população residente (em bairros Sociais) oriundas de "BAIRROS DE LATA". Depois de 1974, muitas construções de madeira evoluíram para alvenaria de tijolo, aproximando-se das tipologias de alguns Bairros clandestinos de pior qualidade. Outros especialmente os mais antigos, oferecem condições muito deficientes, aproximando-se de verdadeiras "BARRACAS", como foram os casos da "QUINTA DA CALÇADA" da "MUSGUEIRA", do "RELÓGIO", do "ALTO DO VAREJÃO", do "ALTO DO PINA", do "ALTO DA EIRA", do "VALE ESCURO", da "QUINTA DA CURRALEIRA", do "VALE FORMOSO" ou do "BAIRRO CHINA".  Isto de "BAIRROS CLANDESTINOS" merecia mais desenvolvimento, embora neste momento tenhamos de ficar por aqui!.

A voz de TOMÁS ALCAIDE para recordar...https://youtu.be/6w7zdg1c-e8

(CONTINUAÇÃO)-(PRÓXIMO)«RUA TOMÁS ALCAIDE[ II ]-DO NASCIMENTO À IDA PARA COIMBRA».

sábado, 9 de setembro de 2017

RUA BARATA SALGUEIRO [ III ]

«A RUA BARATA SALGUEIRO ( 3 )
 Rua Barata Salgueiro - (2008)  -  Edifício da "CINEMATECA PORTUGUESA" na RUA BARATA SALGUEIRO desde 1979, numa moradia de 1887)  in   LUMINESCENCIAS
 Rua Barata Salgueiro  -  (2013)  -  (Fachada do Edifício da "CINEMATECA PORTUGUESA", numa noite de apresentação cinematográfica)   in  TARDES CINÉFILAS
 Rua Barata Salgueiro  -  (2016)  -  (Panorâmica mais aproximada da "RUA BARATA SALGUEIRO")    in     GOOGLE EARTH 
 Rua Barata Salgueiro  -  (ant. 1996) - Foto de autor não identificado  - (Sede da Companhia de Seguros ZURIQUE, - ao lado da CINEMATECA -  na Rua Barata Salgueiro, num edifício distinguido com uma Menção Honrosa do Prémio VALMOR em 1996)  in   CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 
 Rua Barata Salgueiro -  (2000)  -  Foto de Luís Pavão  -  (Edifício do antigo "BANCO FONSECAS & BURNAY, situado na RUA JOSÉ CASTILHO e esquina com a RUA BARATA SALGUEIRO. Foi prémio VALMOR relativo ao ano de 1984)   in   AML 
 Rua Barata Salgueiro -  (2000)  -  (Fachada do "HOTEL BIS-LISBOA - AVENIDA" na "RUA BARATA SALGUEIRO", 53)    in     AML 
Rua Barata Salgueiro  -  (2000)  Foto de Luís Pavão  -  ( A "RUA BARATA SALGUEIRO" no lado esquerdo podemos ver o edifício do antigo "BES", hoje "NOVO BANCO")    in     AML 

(CONTINUAÇÃO)  - RUA BARATA SALGUEIRO  [ III ]

«A RUA BARATA SALGUEIRO ( 3 )»

A outra abordagem que nos merece também referência por ser bastante antiga é a "CINEMATECA NACIONAL" criada em 1948, graças à pertinácia de um médico que gostava mais de cinema do que de Medicina; "MANUEL FÉLIX RIBEIRO" de seu nome.
Na sequência de uma grande quantidade documental que existia no antigo "SECRETARIADO DE PROPAGANDA NACIONAL", mais tarde o SNI-SECRETARIADO NACIONAL DE INFORMAÇÃO, à guarda do respectivo funcionário deste organismo, sendo o primeiro DIRECTOR da então "CINEMATECA NACIONAL", e teve lugar no "PALÁCIO FOZ" a sua primeira sessão pública e autónoma.
Esta "CINEMATECA" torna-se uma repartição do "INSTITUTO PORTUGUÊS DE CINEMA" em 1973 e 1979, ainda sob a Direcção de FÉLIX RIBEIRO, passando depois para "LUÍS DE PINA".
No ano de 1979 o GOVERNO PORTUGUÊS comprou uma moradia edificada na "RUA BARATA SALGUEIRO" no ano de 1887, para ali instalar a "CINEMATECA PORTUGUESA", agora sob a tutela da "DIRECÇÃO GERAL DO MINISTÉRIO DA CULTURA".
"JOÃO BÉNARD DA COSTA" em 1991 assume o cargo de Director da "CINEMATECA". Entre 2001 e 2002 o edifício entra em obras de restauração, a cargo dos Arquitectos; "ALBERTO CASTRO NUNES" e " ANTÓNIO MARIA BRAGA". Em Dezembro de 2002 voltaram a funcionar as instalações da "RUA BARATA SALGUEIRO" com um espaço "MUSEOGRÁFICO" e salas de Cinema renovadas.  "MARIA JOÃO SEIXAS", foi a sucessora de "BÉNARD DA COSTA" que assumirá em Janeiro de 2010. No ano de 2014 é nomeado novo director "JOSÉ MANUEL COSTA" de seu nome.
O "MUSEU", espaço dedicado à exposição de vasta e rica colecção relacionada com o tema do cinema, distribui-se por três salas.
E em contínuo desenvolvimento, a CINEMATECA torna-se simultaneamente num precioso arquivo fílmico e no local de exibição das grandes obras do cinema NACIONAL e Estrangeiro. 

Exista ainda nesta artéria um "PRÉMIO VALMOR" e outro "MUNICIPAL DE ARQUITECTURA". Relativo ao ano de 1984, ao edifício construído para o "BANCO FONSECAS & BURNAY" situado na "RUA JOSÉ CASTILHO" com esquina para a RUA BARATA SALGUEIRO, sendo a sua equipa de autores composta por sete Arquitectos, chefiada pelo Arq. CARLOS MOREIRA TOJAL. Trata-se de um edifício com um projecto bem desenhado e bem concebido, uma peça que marca uma época. Hoje engloba vários serviços e balcões.

Um outro edifício construído para a "COMPANHIA DE SEGUROS METROPOLE, SA, situado nesta RUA, no número 41, é distinguido com um prémio, desta vez uma "MENÇÃO HONROSA" do "PRÉMIO VALMOR DE 1996". O júri justificou a sua decisão pela qualidade de intervenção de renovação do edifício, ao qual foi recuperada a fachada do início do século XX e acrescentando um novo volume, adaptando-o a uma nova utilização. O projecto pertence ao Arquitecto "HENRIQUE LAMI TAVARES CHICO", hoje o edifício é sede em PORTUGAL da "COMPANHIA DE SEGUROS ZURICH".

Nesta Rua existe ainda o edifício do "DEUTSCHE  BANK" no número 43 esquina para a "RUA JOSÉ CASTILHO"; o antigo edifício do "BES" hoje "NOVO BANCO" esquina com a "AVENIDA DA LIBERDADE" sensivelmente no mesmo lugar onde o advogado e capitalista "DR. ANTÓNIO ANTÃO BARATA SALGUEIRO" tinha o seu Palácio.
Temos ainda no número 53 o "HOTEL IBIS LISBOA-LIBERDADE"; O "ALTIS PRIME HOTEL" na esquina com a "RUA RODRIGO DA FONSECA" e o "ALTIS GRAND HOTEL" na esquina com a "RUA JOSÉ CASTILHO".
Como é de supor, depois da abertura da "AVENIDA DA LIBERDADE" as artérias que lhe são vizinhas vão mudando também a sua fisionomia, (nomeadamente em edifícios novos ou adaptados) esta com 135 anos, não podia fugir à regra. [ FINAL]

BIBLIOGRAFIA

- ARAÚJO, Norberto de, - PEREGRINAÇÕES EM LISBOA- LIVRO IV-1993 - LISBOA.
- DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE LISBOA - Direcção de Francisco Santana e Eduardo Sucena - 1994 - LISBOA.
- DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA de JOSÉ PEDRO MACHADO - SOCIEDADE DA LÍNGUA PORTUGUESA - VOL. II - 1960 - LISBOA.

INTERNET


(PRÓXIMO)«RUA TOMÁS ALCAIDE [ I ]-A RUA TOMÁS ALCAIDE E SEU ENQUADRAMENTO»

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

RUA BARATA SALGUEIRO [ II ]

«A RUA BARATA SALGUEIRO ( 2 )»
 Rua Barata Salgueiro - (2012)  -  Foto de Manuel V. Botelho -  (Sede da Sociedade Nacional de Belas Artes na RUA BARATA SALGUEIRO, 36.  Época das últimas obras (2005) e remodelação da S.N.B.A.)   in   WIKIPÉDIA
 Rua Barata Salgueiro  -  (2012) - Foto de Manuel V. Botelho  -  (A parte lateral do edifício da S.N.B.A. na RUA MOUZINHO DA SILVEIRA)    in    WIKIPÉDIA 
 Rua Barata Salgueiro  -  (2016)  -   (Vista Panorâmica do antigo "BAIRRO BARATA SALGUEIRO" de 1882)   in   GOOGLE EARTH
 Rua Barata Salgueiro  -  (2016)  -  (Cruzamento da "RUA CASTILHO" junto da "RUA BARATA SALGUEIRO" , passando o cruzamento à direita, temos o S.N.B.A.) in  GOOGLE EARTH
 Rua Barata Salgueiro - (1907) -  (Vista da "RUA BARATA SALGUEIRO"  da "AVENIDA DA LIBERDADE". No lado esquerdo o Palacete de "Cipriano José Caleia" na direita o "Palácio de Barata Salgueiro" depois o "BES" hoje NOVO BANCO)  in  A CAPITAL 
 Rua Barata Salgueiro -  (2000)  -  Foto Luís Pavão  -  (A Cinemateca e a antiga Companhia de Seguros Metrópole, S.A, na Rua Barata Salgueiro, 41 um projecto do Arqº. Henrique Lami Tavares Chico)   in   AML 
Rua Barata Salgueiro - ( 1907 ) - Suplemento do Anuário da Soc. dos Arquitectos Portugueses  -  (Palacete do dr. Adrião Antão BARATA SALGUEIRO, risco do Arquitecto Alfredo d'Assunção Machado, demolido no início da década de 70, hoje o espaço do NOVO BANCO)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in    HEMEROTECA DIGITAL  

(CONTINUAÇÃO) - RUA BARATA SALGUEIRO [ II ]

«A RUA BARATA SALGUEIRO ( 2 )»

Por extensão, ao bairro circundante durante longo tempo chamou-se de "BAIRRO BARATA SALGUEIRO".
Datam, aliás, da mesma época, (1882) as designações das artérias desse mesmo "BAIRRO":  "ALEXANDRE HERCULANO";  "JÚLIO DE CASTILHO"; "BARATA SALGUEIRO"; "PASSOS MANUEL" (sendo este último logo substituído em 1884 pelo nome de "ROSA ARAÚJO", mudando para a freguesia de ARROIOS.
Foi este BAIRRO um sítio de moda e ainda hoje constitui local de grande prestígio. Ali foram surgindo palacetes particulares, alguns de certo gabarito e: "sólidos prédios de rendimento mas nenhuma edificação digna de relevo, encontramos nesta área do "BAIRRO DE BARATA SALGUEIRO". Isto dizia o mestre "NORBERTO DE ARAÚJO" em 1937 no seu livro XIV "PEREGRINAÇÕES EM LISBOA" página 41. 
No entanto, será justo, porém, fazer referência a algumas modificações surgidas ao longo de alguns anos na "RUA BARATA SALGUEIRO".
Começamos por uma instituição que tem a sua sede exactamente nesta RUA . Fundada há 116 anos, a "SOCIEDADE NACIONAL DE BELAS ARTES", tem como principal objectivo "promover e auxiliar o progresso da ARTE em todas as manifestações". Ganhou justo prestígio e, para além da formação prestada a muitos artistas, nos seus salões tiveram lugar muitas das grandes exposições de "ARTES PLÁSTICAS" realizadas em LISBOA, por onde passaram os maiores nomes da pintura e da escultura portuguesa. 

A sua formação resultou da fusão de duas ASSOCIAÇÕES DE ARTISTAS, a "SOCIEDADE PROMOTORA" (1860) e o "GRÉMIO ARTÍSTICO" (1890, este descendente do "GRUPO LEÃO".  Sendo o seu  primeiro Presidente o pintor "JOSÉ MALHOA".  [Fonte WIKIPÉDIA].

O Edifício da S.N.B.A. tem o risco do "ARQUITECTO ÁLVARO MACHADO", e data do início do século XX, mantendo a sua identidade intacta face à proliferação de imóveis recentemente construídos nesta área.Trata-se de um valioso exemplar do "ecletismo"(1) arquitectónico português, cuja expressão neo-romântica, apesar de simplificada, faz, referência aso "vários revivalismos" que pontuam o panorama arquitectónico do século XIX. 
O edifício da B.N.B.A. conta com uma área de implantação de 1 328,14 metros quadrados, integrando uma zona especial de "Protecção Conjunta" aos imóveis classificados na AVENIDA DA LIBERDADE e área envolvente. Embora esteja classificada como imóvel de interesse municipal.

- ( 1 ) - ECLETISMO . Sistema filosófico formado de elementos colhidos em diversos sistemas; Liberdade ou hábito de preferir o que se julga melhor em Ciência ou ARTE, Literatura ou Política, sem que se siga exclusivamente sistema algum. [ Fonte: DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA de JOSÉ PEDRO MACHADO - SOCIEDADE DA LÍNGUA PORTUGUESA - VOLUME II  - 1960  - pág. 1142].

(CONTINUA)-(PRÓXIMA)«RUA BARATA SALGUEIRO [ III ] A RUA BARATA SALGUEIRO ( 3 )».

sábado, 2 de setembro de 2017

RUA BARATA SALGUEIRO [ I ]

«A RUA BARATA SALGUEIRO ( 1 )»
 Rua Barata Salgueiro - (191_) - Foto de Joshua Benoliel  -  (Palacete de "BARATA SALGUEIRO" possivelmente no espaço onde hoje se encontra o "NOVO BANCO"-antigo BES-) ( ABRE EM TAMANHO GRANDE )  in    AML 
 Rua Barata Salgueiro -  ( 2016 )  -  ( Panorâmica da FREGUESIA de "SANTO ANTÓNIO" onde está inserida a "RUA BARATA SALGUEIRO")    in    GOOGLE EARTH
 Rua Barata Salgueiro -  (1880)  -   (LISBOA PROJECTO DE REABILITAÇÃO - Em 1880, concluía-se um acordo com ANTÓNIO ANTÃO BARATA SALGUEIRO que, libertando terrenos entre a RUA DO SALITRE e a "AVENIDA" ia permitir a urbanização de um novo bairro, depois chamado de "BARATA SALGUEIRO")   in    SKYSCRAPERCITY
 Rua Barata Salgueiro - (191_) foto de Alberto Carlos Lima  -  (A Rua Barata Salgueiro vista por entre arvoredo)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in    AML 
 Rua Barata Salgueiro - (1939-12) Foto de Eduardo Portugal  -  (A "RUA BARATA SALGUEIRO" na parte nascente junto à "RUA DE SANTA MARTA" )   in    AML   
 Rua Barata Salgueiro - (1964-07) Foto de Artur João Goulart  -  (RUA BARATA SALGUEIRO esquina com a "AVENIDA DA LIBERDADE. Palacete construído em 1890, pertenceu a Cipriano José Caleia. É possível que na época em que a imagem foi tirada ali funcionasse a Direcção Geral da Aeronáutica Civil. Mais tarde a "BIBLIOTECA do ARQUIVO HISTÓRICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS")  in   AML 
Rua Barata Salgueiro -  (2016)  -  (Um troço da "RUA BARATA SALGUEIRO" próximo da "AVENIDA DA LIBERDADE" no lado esquerdo ao fundo as antigas instalações do "BES" hoje NOVO BANCO)   in  GOOGLE EARTH

INÍCIO - RUA BARATA SALGUEIRO [ I ]

«A RUA BARATA SALGUEIRO ( 1 )»

A «RUA BARATA SALGUEIRO» pertencia a duas freguesias; "CORAÇÃO DE JESUS" e "SÃO MAMEDE". Hoje, com a REFORMA ADMINISTRATIVA DE LISBOA DE 2012, passou a pertencer à freguesia de «SANTO ANTÓNIO». Começa na "RUA DE SANTA MARTA", 29-C e finaliza na "RUA RODRIGUES DA FONSECA" no número 2, que na época tomava a direcção à antiga "AZINHAGA DO VALE PEREIRO".
A «RUA BARATA SALGUEIRO» é atravessada pelas ruas: CASTILHO; RODRIGUES SAMPAIO e AVENIDA DA LIBERDADE, sendo-lhe convergente a RUA MOUZINHO DA SILVEIRA.
Em 6 de Maio de 1882 numa sessão Extraordinária da C.M.L., por decisão unânime, foi atribuída a esta artéria, perpendicular à "AVENIDA DA LIBERDADE" o topónimo "RUA BARATA SALGUEIRO".

Com a abertura da "AVENIDA DA LIBERDADE" (ver mais em...) podemos garantir que foi um grande passo no desenvolvimento de LISBOA, no sentido interior NORTE.
LISBOA, nascida à beira-TEJO e na COLINA DO CASTELO, a cidade tinha progredido para OCIDENTE e ORIENTE, sem nunca se afastar muito do litoral.  O rasgar uma "AVENIDA" larga, foi como que um convite a que novos aglomerados populacionais fossem surgindo, novos arruamentos tomassem forma, nascessem novos BAIRROS.
O limite (que logo na época foi discutido) da nova artéria foi fixado na "ROTUNDA" ou "PRAÇA MARQUÊS DE POMBAL" (ver mais em...).  mas daí se irradiava para os locais que rapidamente foram habitados; para as "PICOAS", tomando o caminho que é hoje a "AVENIDA FONTES PEREIRA DE MELO" e dando a possibilidade às chamadas "AVENIDAS NOVAS"; para o antigo "VALE PEREIRO", onde surgiria o "BAIRRO BARATA SALGUEIRO" e para Oriente apareceria o "BAIRRO CAMÕES".
Acontecia que entre o sítio de SÃO MAMEDE e a nascente da "AVENIDA DA LIBERDADE", situavam-se terrenos rústicos numa superfície extensa a que costumavam chamar o "VALE PEREIRO".  Esses terrenos foram sendo sucessivamente emparcelados e aforados. A grande parte destas propriedades (rústicas) foi parar às mãos do Advogado e Capitalista «ANTÓNIO ANTÃO BARATA SALGUEIRO», natural de "OLEIROS", onde nasceu em 1814, tendo falecido em LISBOA a 06.05.1895.
Estudou direito em COIMBRA onde se formou e veio exercer a advocacia para LISBOA, tendo granjeado razoável fortuna.  Quando o então Presidente da C.M.L. se chamava "JOSÉ GREGÓRIO DA RODA ARAÚJO" (ver mais aqui...). se propôs construir a "AVENIDA DA LIBERDADE", entrou em conversações com "BARATA SALGUEIRO". Este compreendeu o alcance da nova artéria e do que poderia fazer-se à sua volta.
Desta forma o proprietário dos terrenos acabou por ceder gratuitamente muitos dos seus terrenos e fazer preços muito acessíveis noutros casos.
Numa espécie de recompensa, a edilidade (chefiada ainda na época por "ROSA ARAÚJO") atribuiu o nome do benemérito à rua onde tinha a sua residência apalaçada. 

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA BARATA SALGUEIRO [ II ] - A RUA BARATA SALGUEIRO ( 2)».