sábado, 8 de abril de 2017

RUA DA PALMA [ XXII ]

«O TEATRO ÁDÓQUE ( 2 )»
 Rua da Palma - (1977) - (Primeira página do "JORNAL ÁDÓQUE" fazendo de programa na apresentação sa Revista "Ó CALINAS, CALA A BOCA!)  in  JORNAL ÁDÓQUE-EPHEMERA
 Rua da Palma - (1977) - (HENRIQUE VIANA na sua estreia como autor de Revista em "Ó CALINAS, CALA A BOCA!"  in  JORNAL ÁDÓQUE-EPHEMERA
 Rua da Palma - (1977) - (Elenco da revista "Ó CALINAS, CALA A BOCA!" representada no "TEATRO ÁDÓQUE" na "RUA DA PALMA") inJORNAL ÁDÓQUE-EPHEMERA 
 Rua da Palma - ( 1977 )  - (Revista "A PARÓDIA" representada no "TEATRO ÁDÓQUE" na "RUA DA PALMA")  in  HISTÓRIA DO TEATRO DE REVISTA EM PORTUGAL 
 Rua da Palma ( 1982) Foto de STELLA  - (O "TEATRO ÁDÓQUE" na "RUA DA PALMA" junto do MARTIM MONIZ, anunciando a sua última revista "TÁ ENTREGUE À BICHARADA" in  SIMPLESMENTE BLOG
Rua da Palma - (2016)  -  (A "RUA DA PALMA" no lado direito o novo CCMM-CENTRO COMERCIAL MARTIM MONIZ". Local aproximadamente onde funcionava o "TEATRO ÁDÓQUE", durante o período de 1974 a 1982)   in   GOOGLE EARTH

(CONTINUAÇÃO) - RUA DA PALMA [ XXII ]

«O TEATRO ÁDÓQUE ( 2 )»

No "TEATRO ÁDÓQUE" a parte literária era assegurada por: "NICHOLSON e "GONÇALVES PRETO", com a eventual colaboração de "CÉSAR DE OLIVEIRA", e FERRO RODRIGUES, (em A GRANDE CEGADA), os poetas "ARY DOS SANTOS" e "JOAQUIM PESSOA", do cenógrafo MÁRIO ALBERTO, dos actores "HENRIQUE VIANA" ( como autor também em algumas revistas), ARTUR SEMEDO, na parte musical; BRAGA SANTOS (em todas esteve presente); JOAQUIM LUÍS GOMES e CORREIA MARTINS; MAGDA CARDOSO e FERNANDO LIMA na parte coreográfica; e entre os interpretes além do próprio NICHOLSON, ERMELINDA DUARTE, vinda do TEATRO UNIVERSITÁRIO, HENRIQUE VIANA; ANTÓNIO MONTEZ, episodicamente ANA BELA e MARIA TAVARES, a fadista ESMERALDA AMOEDO. 
Durante os nove anos que o "TEATRO ÁDÓQUE" funcionou, foram representados 13 REVISTAS das quais deixamos aqui referenciados: os anos, autores de texto e da música.
( 1974 ) - "PIDES NA GRELHA" de F. NICHOLSON, G.PRETO e M. ALBERTO, com música de JOAQUIM LUÍS GOMES e BRAGA SANTOS; ( 1975 ) - " A CIA DOS CARDEAIS" de F. NICHOLSON , G. PRETO e M. ALBERTO com música de J.L.GOMES e BRAGA SANTOS;  (  1976  ) - "A GRANDE CEGADA" de CÉSAR DE OLIVEIRA, F. NICHOLSON, ARY DOS SANTOS, G, PRETO e FERRO RODRIGUES, com música de J.L.GOMES, BRAGA SANTOS e CORREIA MARTINS;  (  1977  ) "A PARÓDIA" de F. NICHOLSON, G. PRETO, ARY DOS SANTOS e JOAQUIM PESSOA, música de J.L.GOMES, BRAGA SANTOS e CORREIA MARTINS;  "Ó CALINAS, CALA A BOCA!" de F. NICOHOLSON, G.PRETO, ARY DOS SANTOS e HENRIQUE VIANA, música de J.L.GOMES e BRAGA SANTOS;  (  1978  ) - "FARDOS E GUITARRADAS" de F. NICHOLSON, G. PRETO, ARTUR SEMEDO e H. VIANA, música de J.L.GOMES e BRAGA SANTOS;  - "ORA VÊ LÁ TU" de F. NICHOLSON, G. PRETO e H. VIANA, música de J.L.GOMES e BRAGA SANTOS;  "ROUPA VELHA" de F. NICHOLSON, G. PRETO, M. ALBERTO e HENRIQUE VIANA, música de J.L.GOMES e BRAGA SANTOS; (  1979  ) - "1926-NOVES FORAS NADA" de  F. NICHOLSON, G, PRETO, A. SAMEDO e H. VIANA. Música de J.L.GOMES e BRAGA SANTOS; " QUERIAS MAS NÃO TE DOU", de F. NICHOLSON, G. PRETO, M. ALBERTO e H. VIANA. Música de J:L:GOMES e BRAGA SANTOS; - (  1980 ) "CHIÇA! ESTE É O GOVERNO DE PORTUGAL" de F. NOCHOLSON e G. PRETO. Música de J.L. GOMES e BRAGA SANTOS; - (  1981  ) "PAGA AS FAVAS" de F. NICHOLSON e G. PRETO. Música de BRAGA SANTOS; "TÁ ENTREGUE À BICHARADA" de F. NICHOLSON e G. PRETO. Música de BRAGA SANTOS E CORREIA MARTINS.

"A PARÓDIA", estreada em Fevereiro de (1977), foi não só a melhor revista do "ÁDÓQUE" como de todo este  período.  Concebida como uma homenagem  "RAFAEL BORDALO PINHEIRO", na onda do centenário do "ZÉ POVINHO" que ocorrera ano a meio antes, ela propunha-se, segundo as palavras dos autores, evocar não só o criador dessa personagem emblemática mas "todos os que, com ele, tiveram, têm e terão uma visão muito própria do que é uma boa paródia", pondo em cena "um tema de forte motivação cultural e eminentemente popular". No quadro de «A JUSTIÇA» é denunciada veemente as tradições da "Máquina Judicial" no PORTUGAL DE ABRIL, incluída na rábula e interpretada por "ERMELINDA DUARTE" que foi elemento preponderante das revistas levadas à cena, como esta, pelo "ÁDÓQUE".
FERNANDO DE OLIVEIRA  personificou o "CURA". CENÁRIO (um largo com um pelourinho ao centro - "ZÉ POVINHO" e "CURA" estão em cena. Conversam, o "CURA" tem nítida pronúncia do NORTE). 
- "CURA": Então o que o traz à vila, amigo "ZÉ"?
- "ZÉ POVINHO": Eu lhe digo, senhor Abade. Tinha amanhado umas terrazitas porque o dono não lhe ligava nenhuma, e zás, expulsaram-me de lá. Venho pedir Justiça...
- "CURA":  Pois também eu venho aqui fazer o mesmo. Apareceram uns filhos de Satanás a dizerem que a terra é de quem a trabalha, a quererem ocupar-me uma quinta que me custou mais de quatro mil missas e oitocentos enterros... Venho pedir Justiça!  ( neste momento, entre a "JUSTIÇA", na figura concebida por "BORDALO PINHEIRO". É uma velha horrenda, com algo de megera. Tem evidentes tiques nervosos. Traz uma enorme balança, que pendura num dos braços do pelourinho) etc..

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA DA PALMA [ XXIII ] O TEATRO ÁDÓQUE ( 3 )»

Enviar um comentário