quarta-feira, 4 de outubro de 2017

TRAVESSA DO RECOLHIMENTO DE LÁZARO LEITÃO [ II ]

«DA CASA DOS BARBADINHOS E COMENDADEIRAS, À COMPRA DO RECOLHIMENTO»
 Trav. do Recolhimento Lázaro Leitão - (1856-1858) - Filipe Folque  -  Planta Nº. 30 do ATLAS DA CARTA TOPOGRÁFICA DE LISBOA, onde podemos ter uma ideia da aproximação das duas "casas" e o espaço entre elas que mais tarde passaria a "AVENIDA MOUZINHO DE ALBUQUERQUE"  in  ATLAS DA CARTA TOPOGRÁFICA DE LISBOA
 Trav. do Recolhimento de Lázaro Leitão -   (entre 1900-1958) - Foto de Eduardo Portugal  -  ("Travessa do Recolhimento Lázaro Leitão" o edifício do "Recolhimento Nossa Senhora dos Anjos") (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in    AML  
 Trav. do Recolhimento Lázaro Leitão - (c. 1740?) -Óleo sobre tela atribuído a Francisco Vieira Lusitano-Escola Portuguesa)  -  ( O retrato do Principal "LÁZARO LEITÃO ARANHA", em pose austera, sentado num grande cadeirão, estrutura tradicional do retrato Barroco de aparato. Com um magnifico traje em seda e rendas, as joias - Cruz de Cristo e Anel de Rubi - revelam a condição de Principal da Patriarcal, cargo que recebeu em 1740. Este quadro foi encomendado para a inauguração do Recolhimento em 1747)   in  CAMINHO DO ORIENTE
 Trav. do Recolhimento de Lázaro Leitão - (c. 1740 ?)  Óleo sobre tela de autor desconhecido - (Retrato de "D. JOÃO V" encomendado por "Lázaro Leitão Aranha" a uma oficina desconhecida)  in  CAMINHO DO ORIENTE
Trav. do Recolhimento Lázaro Leitão - (c. 1760) Pintura a óleo de autor não identificado  -  (Retrato de "DONA JOANA INÁCIA DE MACEDO E SILVA", sobrinha e herdeira de "LÁZARO LEITÃO", chegou a ser padroeira do Recolhimento) (Retrato restaurado em 1962 no I. J. F.)  in  CAMINHO DO ORIENTE


(CONTINUAÇÃO) - TRAV. DO RECOLHIMENTO DE LÁZARO LEITÃO [ II ]

«DA CASA DOS BARBADINHOS E COMENDADEIRAS, À COMPRA DO RECOLHIMENTO»

Onde se encontravam os "FRADES CAPUCHOS" ou "BARBADINHOS"(Ver mais aqui...) essas casas pertenciam às "COMENDADEIRAS DE SANTOS-O-NOVO"(Ver mais aqui..). E para que os frades pudessem dispor à vontade destas instalações, "DOM JOÃO V" comprou esta "CASA" às "COMENDADEIRAS". Mais tarde, ou seja 53 anos depois, em 06.07.1742 quando os frades Capuchos deixaram de precisar do edifício - dispunham, agora de um vasto CONVENTO bem perto nas traseiras do RECOLHIMENTO -  O Rei "DOM JOÃO V" vendeu por 11.000 cruzados a "Casa e os terrenos a um famoso cónego de nome LÁZARO LEITÃO ARANHA",  possuidor de grande fortuna, que aqui instituiu, depois de feitas as necessárias obras e lhe ser concedido o alvará a 19.06.1747, que lhe permitia erguer um recolhimento para viúvas nobres, pobres e honestas, e meninas nobres sem recursos financeiros 
A compra constava do EDIFÍCIO DA IGREJA, CONVENTO e todas as OFICINAS, HORTAS e JARDIM, que tinham pertencido aos RELIGIOSOS BARBADINHOS ITALIANOS, e algumas propriedades de CASAS JUNTAS ao mesmo Recolhimento no qual entraram as primeiras viúvas e recolhidas no dia 3 de Julho de 1747.
O Recolhimento mantendo a invocação de NOSSA SENHORA DOS ANJOS, era destinado a viúvas nobres (como atrás nos referimos), sob a protecção régia de D. JOÃO V, vivendo em regime de clausura, independentemente de terem ou não professado os "VOTOS".
O edifício passou a dispor de IGREJA, SACRISTIA, CORO, COMUNGATÓRIO, QUARENTA E DUAS CELAS e restantes dependências utilitárias. Na sua inauguração, foi celebrada uma missa cantada à qual assistiu a RAINHA DONA MARIA ANA DE ÁUSTRIA, (então regente, que tomou a instituição sob sua protecção). Diz-nos: "FREI CLÁUDIO DA CONCEIÇÃO" que todos prometeram observar, e beijando a mão à RAINHA subiram para o coro, as dez viúvas e sete educandas porcionistas de onde assistiram à missa cantada e sermão que pregou "FREI LUÍS DA GAMA", prior do REAL MOSTEIRO da "PENHA LONGA". 
O sustento desta instituição dependia, entre outras rendas, da doação de dois mil cruzados anuais doados pelo instituidor.
Neste "RECOLHIMENTO DE NOSSA SENHORA DOS ANJOS" podemos observar ao passar a porta e na entrada do átrio, a antiga portaria, existindo na parede do lado esquerdo o lugar da "RODA" (não a "RODA" dos expostos ou "RODA DOS ENJEITADOS") mas o único ponto de comunicação com o exterior, para abastecimento da casa ou saída e entrada de correspondência.
Na sala ligada à portaria estão colocados os retratos a óleo de "D. LÁZARO LEITÃO ARANHA", duas sobrinhas do fundador ( as quais muito demandaram com a justiça após a morte de seu tio) e, ainda, um retrato do REI DOM JOÃO V. Um dos retratos de "D. JOANA INÁCIA DE MACEDO E SILVA", sobrinha e herdeira de "LÁZARO LEITÃO". Esta senhora foi padroeira do RECOLHIMENTO. Na antiga CAPELA-MOR, se guarda ainda, o TÚMULO do Fundador da Instituição de que nos debruçaremos noutro capitulo. 

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«TRAVESSA LÁZARO LEITÃO[ III ]O RECOLHIMENTO DE LÁZARO LEITÃO, ANALISADO NA TIPOLOGIA ARQUITECTÓNICA».  

1 comentário:

Ana Magalhaes disse...

Obrigada por estas suas novas informações acerca do edifício.