sábado, 31 de março de 2018

Largo da Rosa [ IV ]

«CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA ROSA ( 2 )»
 Largo da Rosa - (2009)  -  (O "LARGO DA ROSA" de poente para Nascente. No lado esquerdo a Igreja, mais à frente o Palácio da Rosa e o edifício onde morou "Afonso Lopes Vieira" e o sítio onde existiu o "CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA ROSA")    in   GOOGLE EARTH
 Largo da Rosa  -  (2009)   -  (Panorâmica mais aproximada do "LARGO DA ROSA" onde se pode observar o "PALÁCIO DA ROSA" e a IGREJA DE SÃO LOURENÇO e o sítio onde existiu o "MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DA ROSA")    in   GOOGLE EARTH
Largo da Rosa  - (2014)  -   (Um troço do "LARGO DA ROSA" e o "PALÁCIO DA ROSA" na nossa frente)   in   GOOGLE EARTH

(CONTINUAÇÃO)- LARGO DA ROSA [ IV ]

«CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA ROSA ( 2 )»

Estando já o edifício construído para albergar as 13 religiosas, existia a obrigação dos MORGADOS e seus sucessores de, em cada triénio, visitarem a congregação e tomarem conhecimento das suas necessidades.
A 21 de Novembro de 1522 dia em que chegaram a LISBOA as religiosas e se apresentaram no templo para a inauguração, acompanhadas de outras do MOSTEIRO DE AVEIRO (DONA FRANCISCA DE CASTRO, depois Prioresa e Soror BRITES DOS REIS, Soror ANTÓNIA DAS CHAGAS) e de SANTARÉM (Soror ANA DO ESPÍRITO SANTO).

Por morte de "LUÍS BRITO" pretenderam as religiosas a sua "TERÇA", conforme determinado, para elas poderem satisfazer obrigações, nomeadamente terem ajuda para o sustento das RELIGIOSAS. Seu filho, "ESTÊVÃO DE BRITO" fez oposição para nunca se poder retirar nem "TERÇA" nem parte dela, ficando assim o MOSTEIRO sem fazenda alguma.
Por essa altura encontrava-se já recolhida no "CONVENTO" "DONA JOANA DE ATAÍDE" viúva de "LUÍS BRITO", estando como Prioresa DONA BRANCA. O MOSTEIRO estava em grande risco de ruína, ameaçado pelos sucessivos tremores de terra que no tempo continuavam a preocupar LISBOA do século XVII. Desprendimentos de terras e de rochas da encosta do Castelo, iam lentamente "sufocando" o edifício Conventual.
Sabe-se que os abalos sísmicos foram prejudicando a estrutura do MOSTEIRO. Chegou ele a ser reconstruído e ampliado no Século XVII, mas não teve grande sorte: em breve sobrevinha o TERRAMOTO  de 1755, que destruiu grande parte do MOSTEIRO e causou a morte a quatro pessoas.
Voltou a esboçar-se uma nova reparação, mas nada voltou a ser como antes. Assim, ainda no século XVIII, recolheram as DOMINICANAS ao CONVENTO DE SANTA JOANA (na actual RUA DE SANTA MARTA, onde estiveram depois, alguns serviços da PSP (ver mais aqui...).

Tinha o MOSTEIRO trinta e três freiras de véu preto, doze servidoras, com uma renda de 500 CRUZADOS quando o edifício sofreu um grande incêndio, por um descuido que se manifestou na sacristia, danificando-o, corria o ano de 1670, obrigando à construção de um pequeno Templo para a continuação dos ofícios divinos. 

Em 1824 já os terrenos andavam aforados, e o edifício do "CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA ROSA" (que dera possivelmente o nome ao sítio), acabou por desaparecer. Dele creio não restar vestígios nem estampas elucidativas.

A típica "VILA DO CASTELO" (Conjunto de moradias privadas ao alto das ESCADINHAS) era ainda no século XIX, uma «horta e cerca das freiras».
Ainda uma última nota: a imagem do orago (NOSSA SENHORA DA ROSA) foi salva e está no MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA. De resto, são tudo reminiscências. Das DOMINICANAS só a tradição ficou no sítio.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«LARGO DA ROSA [ V ]-AFONSO LOPES VIEIRA UM MORADOR ILUSTRE DO "LARGO DA ROSA"».

Enviar um comentário