sábado, 11 de julho de 2009

PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [IX]

Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2008) - Foto de APS (Teatro D. Maria II no ROSSIO) ARQUIVO/APS
Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2005) - Foto de APS ( ROSSIO ao fundo o Teatro D. Maria II) ARQUIVO/APS


Praça D. Pedro (ROSSIO) - (2007) Fotógrafo não identificado (Vista aérea do ROSSIO na actualidade in REVELARLX
(CONTINUAÇÃO)
PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) - [IX]
«TEATRO NACIONAL D. MARIA II (2)»
Se no exterior não se notam grandes diferenças entre o «TEATRO NACIONAL D. MARIA II» (chamado de Almeida Garrett na I República) de 1846 e o que está à nossa vista no ROSSIO, já o mesmo não é possível dizer no interior. Na verdade, pode falar-se em dois Teatros; um que durou até ao incêndio de 2 de Dezembro de 1964 e outro que resultou da reconstrução terminada em 1978.
Vista do ROSSIO, a imagem é a que figura em todas as estampas e constitui um dos ex-libris da cidade: lá estão as seis colunas jónicas, que sabemos terem pertencido ao grande «CONVENTO DE S.FRANCISCO» (na zona do Chiado, onde temos hoje o GOVERNO CÍVIL DE LISBOA e outras instituições), e o frontão magnifico, ostenta ao alto a figura do "pai do teatro português", «GIL VICENTE», esculpida por FRANCISCO ASSIS RODRIGUES, rodeado pelas musas da tragédia e da comédia, respectivamente «MELPÓMENE» e «TÁLIA», tendo por baixo «APOLO» e sete Musas.
Dos lados, do «LARGO D. JOÃO DA CÂMARA» e do «LARGO DE SÃO DOMINGOS», mantêm-se as varandas decorativas, sobre átrios em arcada.
Dentro, tudo mudou: o fogo levou a antiga sala branca, as pinturas de ANTÓNIO MANUEL DA FONSECA e de COLUMBANO BORDALO PINHEIRO, os camarotes de três ordens e até os tubos acústicos metidos nas paredes, que permitiam, em tempos remotos, que os espectadores dos lugares mais altos fizessem os seus pedidos ao botequim, esperando depois que os empregados lá fossem levar o encomendado.
O «TEATRO NACIONAL D. MARIA II» passou em 2003 a Monumento Nacional o vetusto edifício onde pontificaram muitos dos maiores actores portugueses de sempre. O público espectador regozija-se e deseja que também o recheio (as peças) sejam de molde a reencaminhar as multidões para o ROSSIO.
Um dos últimos sucessos desta sala, na década de noventa do século passado deveu-se à representação de «PASSA POR MIM NO ROSSIO» a revista portuguesa revisitada por «LA FÉRIA» homenagem apoteótica ao actor, ao teatro português e à CIDADE DE LISBOA. Ali foi lembrada a família do teatro português como: ESTÊVÃO AMARANTE, LUÍSA SATANELA, MIRITA CASIMIRO, LAURA ALVES, VASCO SANTANA e BEATRIZ COSTA, na interpretação dos actores CURADO RIBEIRO, EUNICE MUÑOZ, JOÃO PERRY, RUY DE CARVALHO, VARELA SILVA, RITA RIBEIRO, SIMONE DE OLIVEIRA e muitos outros.
(CONTINUA) - (PRÓXIMO) -«PRAÇA D. PEDRO IV(ROSSIO) [X] -A ESTÁTUA A D. PEDRO IV (1)»

2 comentários:

Luisa Moreira disse...

Temos praças e lugares muito bonitso..........

APS disse...

Cara Luisa Moreira

Esse é o meu sentimento e creio que a maioria dos lisboetas;)