quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

«BOAS FESTAS»- «E ATÉ QUALQUER DIA...»

"BOAS FESTAS" «E ATÉ QUALQUER DIA...»




Desejamos a todos os "BLOGUISTAS", visitantes desta página, familiares e amigos, não esquecendo os irmãos que sofrem, um  NATAL  FELIZ e um próximo ANO de 2019 cheio de bênçãos.

Como vem sendo habitual todos os anos por esta ocasião  fazemos uma pausa,(desta vez diferente)  não sei quando voltaremos, pois necessitamos de umas longas férias.  E já lá vão 10 anos a "EDITAR" as  "RUAS DE LISBOA COM ALGUMA HISTÓRIA".

No entanto, esperamos que vivam esta quadra com o espírito NATALÍCIO,  os nossos sinceros agradecimentos pela vossa companhia.

---//--

ATÉ QUALQUER DIA... NÃO É UM ADEUS.

Venho dizer-vos que não nos veremos  (na edição do BLOGUE-«RUAS DE LISBOA COM ALGUMA HISTÓRIA"), com a mesma frequência nesse espaço, (talvez em "LISBOA ANTIGA" no FACEBOOK).
Aos que me ajudaram no início destas edições, em algumas Dicas de carácter técnico, assim como aqueles que me alertaram para  imprecisões (logo rectificadas). fico muito reconhecido.
Para aqueles que este BLOGUE ajudou na sua vida académica ou profissional, esperamos tenham prosperado bastante, na medida da sua dedicação ao trabalho a que se propuseram.   Ficará guardado no coração cada alma humana que me tocou profundamente pelas palavras, pelo apoio que me deram neste período com   mais de dez anos. 
A todos que estiveram mais perto deste BLOGUE, seja por MAIL, seja por consulta  quando necessário, estando na impossibilidade de contactar "pessoalmente", aqui fica o meu eterno  agradecimento  e um grande abraço de AMIZADE.

"RUAS DE LISBOA COM ALGUMA HISTÓRIA" o editor APS- AGOSTINHO PAIVA SOBREIRA. 

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

ÍNDICE DE ARTÉRIAS EDITADAS EM 2018

«ÌNDICE DE RUAS EM 2018»



ÍNDICE DE RUAS PUBLICADAS ALFABETICAMENTE E AS SUAS RESPECTIVAS "FREGUESIAS" ACTUALIZADAS:

ANO DE 2018 FREGUESIAS - ALVALADE - AREEIRO - ARROIOS - AVENIDAS NOVAS - BEATO - BELÉM - BENFICA - CAMPO DE OURIQUE - CAMPOLIDE - ESTRELA - MARVILA - MISERICÓRDIA - OLIVAIS  - PARQUE DAS NAÇÕES - PENHA DE FRANÇA- SANTA MARIA MAIOR - SANTO ANTÓNIO - SÃO DOMINGOS DE BENFICA -  SÃO VICENTE, NUM TOTAL DE 19 FREGUESIAS.

FORAM TRATADOS ESTE ANO
Uma ALAMEDA - 9 AVENIDAS - 8 CALÇADAS - 9 ESTRADAS - 7 JARDINS 20 LARGOS 7 PRAÇAS  E 35 RUAS. NUM TOTAL DE 96 PUBLICAÇÕES REFERENTES A ARTÉRIAS DE LISBOA. 

(PRÓXIMO) «BOAS FESTAS». 

sábado, 1 de dezembro de 2018

O 1.º DE DEZEMBRO

«PRIMEIRO DE DEZEMBRO DE 2018»
 Primeiro de Maio de 2018 - Foto Fernando Martins  - (O dia da Restauração da nossa Independência)       in    PELA POSITIVA

 Primeiro de Dezembro de 2018 - ( 2016)  -  (RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL-(Coroação de DOM JOÃO IV)- Quadro de VELOSO SALGADO (1864-1945) - Óleo sobre tela - MUSEU MILITAR DE LISBOA (SALA RESTAURAÇÃO)   in   WIKIPÉDIA

UM POUCO DE HISTÓRIA

1.º de DEZEMBRO de 1640 
O feriado deste dia, que celebra a "RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL", é uma data simbólica no calendário nacional desde 1640. Em 1910, a Monarquia deu lugar à República e todos os feriados foram interrompidos menos este, que é celebrado desde então, exceptuando entre 2013 e 2015, suspenso pelo GOVERNO de "PASSOS COELHO". Reposto em 2016 pelo GOVERNO de "ANTÓNIO COSTA".

No primeiro de Dezembro de 1640, uma revolta bem sucedida da Nobreza Portuguesa, expulsa o Governo Espanhol  de LISBOA.
É restituída a COROA PORTUGUESA ao seu legítimo herdeiro, "DOM JOÃO IV", DUQUE DE BRAGANÇA sendo aclamado REI DE PORTUGAL.
Diversas foram as condições que proporcionaram a insurreição aristocrática, entre elas , o profundo descontentamento do país pelos excessivos impostos e o repúdio pela política que pretendia simplesmente anexar PORTUGAL à ESPANHA, como província.

Embora o  êxito do empreendimento não se explique apenas pelo patriotismo dos seus conjurados no levantamento armado, é necessário compreender as circunstâncias internacionais então favoráveis à nossa parte. A ESPANHA estava envolvida na "GUERRA DOS TRINTA ANOS", como  Estado membro da CASA DA ÁUSTRIA, razão pela qual terá  diminuído a vigilância militar em PORTUGAL.

  
(PRÓXIMO)«ÍNDICE DE PUBLICAÇÕES TRATADAS NO ANO DE 2018»

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XVI ]

«RUA MANUEL FERREIRA DE ANDRADE»
 Rua Manuel Ferreira de Andrade - ( 2015) - Foto de Sérgio Dias  -  (Um troço da "RUA MANUEL FERREIRA DE ANDRADE" na freguesia de São Domingos de Benfica)  in  TOPONÍMIA DE LISBOA
 Rua Manuel Ferreira de Andrade - (2015)  -  (Mapa da Localização da "RUA MANUEL FERREIRA DE ANDRADE" na freguesia de "SÃO DOMINGOS DE BENFICA")  in  TOPONÍMIA DE LISBOA
 Rua Manuel Ferreira de Andrade - (2015) - Foto de Sérgio Dias  -  (Manuel F. de Andrade, grande olisipógrafo. escritor e jornalista tem o seu nome ligado à Freguesia de S.´Domingos de Benfica com uma placa toponímica tipo IV)  in   TOPONÍMIA DE LISBOA

Rua Manuel Ferreira de Andrade - (2000)  -   (Um troço da "RUA MANUEL FERREIRA DE ANDRADE" na freguesia de São Domingos de Benfica)   in   Jornal "A CAPITAL"  


(CONTINUAÇÃO)- RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XVI ]

«RUA MANUEL FERREIRA DE ANDRADE»

Por EDITAL de 5 de Janeiro de 1971 a CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA atribuiu o nome de "MANUEL FERREIRA DE ANDRADE" a um arruamento que existia na zona do PLANO DE URBANIZAÇÃO A SUL da AVENIDA MARECHAL CARMONA. Tem o seu início na RUA ALFREDO GUISADO e termina na RUA PROFESSOR REINALDO DOS SANTOS na freguesia de "SÃO DOMINGOS DE BENFICA".
Este jornalista (irmão de ÁLVARO DE ANDRADE) - de quem já falámos - repartiu-se por várias actividades, mas sempre colaborou colaborou em várias publicações.
"MANUEL FERREIRA DE ANDRADE" nasceu em LISBOA a 07 de Outubro de 1910 e faleceu igualmente em LISBOA em 1970.
Todos nós conheceríamos de forma deficiente algumas freguesias de LISBOA, se não existissem os trabalhos deste estudioso. Ou teríamos pelo menos, de partir quase do zero. "SÃO CRISTÓVÃO" e "SÃO TIAGO" foram, de facto, passadas a crivo na sua história e na sua evolução por "FERREIRA DE ANDRADE", dando azo a quatro volumes profusamente ilustrados . Obras rigorosas, fruto de investigação aturada, são hoje indispensáveis a qualquer estudioso ou simplesmente interessado das coisas alfacinhas, sobretudo zonas da cidade primitiva.

Nascido praticamente com a REPÚBLICA, este alfacinha frequentou o "LICEU GIL VICENTE" e cedo se começou a interessar especialmente pela vida da sua terra. Foi, por isso, a dada altura, o "secretário da presidência da Câmara Municipal", escolhido pelo conhecimento que tinha da cidade.
Até ao fim da sua vida (que chegou cedo, quando contava 60 anos), não parou de investigar e escrever sobre LISBOA. Assim, além das obras sobre as duas freguesias citadas, devem-se-lhe ainda "CASAS FOREIRAS À IGREJA DE SÃO CRISTÓVÃO"(1945). «"O SENADO DA CÂMARA E A GUERRA CIVIL" 1820-1834» e (1943-1945), "O ARQUIVO HISTÓRICO DA CIDADE E O CASTELO DE SÃO JORGE"(1947), "OS PAÇOS DE XABREGAS"(1948-1949), «OS PAÇOS DE SANTO ELÓI e os PAÇOS DE SÃO BARTOLOMEU" (1949-1950), «A MOURARIA - O PALÁCIO DA ROSA» e os "TEMPLOS DE SÃO LOURENÇO e do COLEGINHO"(1950), "ESTA LISBOA DAS SETE COLINAS" (1951), "DA LISBOA DE QUINHENTOS À LISBOA DA RESTAURAÇÃO"(1954), "LEMBRANÇAS DE NORBERTO DE ARAÚJO" (1956), "TRÊS TOURADAS NO TERREIRO DO PAÇO EM 1777"(1946, "DO CONVENTO DE NOSSA SENHORA DE JESUS"... E ainda lhe sobrou tempo para novo estudo em profundidade sobre outras freguesias - a de "SANTA CRUZ DA ALCÁÇOVA".
Ligado ao TURISMO, foi director de um "ANUÁRIO DE TURISMO PORTUGUÊS" e colaborou com a JUNTA DE TURISMO DA COSTA DO SOL.
Mas é de jornais que aqui especialmente se trata. E aí, MANUEL FERREIRA DE ANDRADE foi colaborador assíduo e prolífero. sem esgotar lista, podemos lembrar os seus escritos para o "DIÁRIO POPULAR", o  "DIÁRIO DA MANHÃ" e "O SÉCULO ILUSTRADO". Por outro lado não descurava os trabalhos para publicações especializadas em temas lisboetas, como a "REVISTA MUNICIPAL" ou "OLISIPO", ÓRGÃO DO GRUPO AMIGOS DE LISBOA. 
As inúmeras crónicas que foi publicando foram reunidas em vários livros, como "QUE DIFERENTE ÉS, LISBOA", "VELHA LISBOA"... Por tudo isto, mereceu o seu nome numa "RUA DE LISBOA" [ FINAL ]

BIBLIOGRAFIA

- ANUÁRIO RADIOFÓNICO PORTUGUÊS ano de 1936 e 1938 - Edição do "RADIO-SEMANAL DE ÀLVARO DE ANDRADE - Suplemento do "JORNAL DO COMÉRCIO E DAS COLÓNIAS - 1936 e 1938 - LISBOA.
- A TRAGÉDIA DA RUA DAS FLORES (Edição Ilustrada) - EÇA DE QUEIROZ- Edições Branco e Negro - 1980 - LISBOA.
- DICIONÁRIO BOTÂNICO - João Francisco Lopes - 1958 - LISBOA
- DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE LISBOA - Dirc. Francisco Santana e Eduardo Sucena - 1994 - LISBOA.
 - HISTÓRIA DA LITERATURA PORTUGUESA - A.J. SARAIVA - ÓSCAR LOPES - Editora Porto Editora - 17.ª. Ed. - 1996 - PORTO.
 - LIVRO DE ACTAS DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA DE LISBOA - 1943 a 1974 - Ed. da CML e Comissão Municipal de Toponímia - Coord. de: Paula Machado, Teresa S. Pereira. Agostinho Gomes e Rui Pereira - 2000 - LISBOA.
 - OLHARES DE PEDRA - ESTÁTUAS PORTUGUESAS - Editor João Fragoso Mendes - 2004 - LISBOA.
 - PORTUGAL SÉCULO XX - PORTUGUESES CÉLEBRES - Coord. LEONEL DE OLIVEIRA - Circulo de Leitores - 2003 - LISBOA.
 - QUARTAS JORNADAS DE TOPONÍMIA DE LISBOA - CML - 2004 - LISBOA.

INTERNET

- TOPONÍMIA DE LISBOA
- WIKIPÉDIA


(PRÓXIMO)- «1.º DE DEZEMBRO - RESTAURAÇÃO DE PORTUGAL»

sábado, 24 de novembro de 2018

RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XV ]

«RUA HELENA DE ARAGÃO»
 Rua Helena de Aragão - (2018)   -  (A "RUA HELENA DE ARAGÃO" no "BAIRRO DE SANTA CRUZ DE BENFICA". Possivelmente a pioneira Jornalista em Portugal que teve algumas revistas a seu cargo. Recordando só uma; a revista "EVA")   in   GOOGLE EARTH
 Rua Helena de Aragão  -  ( 2018 )  -  (Panorâmica do "BAIRRO DE SANTA CRUZ DE BENFICA" onde se insere a "RUA HELENA DE ARAGÃO"(JORNALISTA)  in  GOOGLE EARTH


Rua Helena de Aragão  ( 1927)    -  (A Jornalista "HELENA DE ARAGÃO" numa publicação da "ILUSTRAÇÃO")   in    TOPONÍMIA DE LISBOA

Rua Helena de Aragão  -   ( 2018 )   -  (Uma casa para venda na "RUA HELENA DE ARAGÃO" com seu ano de construção 1951)   In    CASA.IOL


(CONTINUAÇÃO)-RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XV ]

«RUA HELENA DE ARAGÃO»

A "RUA HELENA DE ARAGÃO" pertence à freguesia de « BENFICA ». Começa na "RUA DR.JOSÉ ALBERTO FARIA", 6 e finda no "PARQUE SILVA PORTO" do "BAIRRO DE SANTA CRUZ DE BENFICA".
Pelo EDITAL de 10 de Abril de 1969 a "RUA-18" do "BAIRRO DE SANTA CRUZ DE BENFICA" passou a consagrar a "RUA HELENA DE ARAGÃO" com a legenda «ESCRITORA E JORNALISTA -1880-1961». 

De seu nome completo "HELENA AUGUSTA TEIXEIRA DE ARAGÃO BREIA" nasceu em LISBOA em 16 de Julho de 1880 e faleceu em LISBOA em 20 de Fevereiro de 1961. A atribuição do nome de "HELENA DE ARAGÃO" foi pedido por carta pela sua filha "ADELAIDE DE ARAGÃO".
Outro género de combates - não exactamente ideológicos - travou esta JORNALISTA E ESCRITORA.
Viveu numa época em que não era comum ver uma mulher escrever para jornais e menos ainda dirigi-los. Mas "HELENA DE ARAGÃO" foi uma das pioneiras do género.
Neta paterna do numismata A. C. TEIXEIRA DE ARAGÃO, casou com "ANÍBAL FERREIRA BREIA". Usou por vezes o pseudónimo "AGARENA DE LEÃO". A partir de 1925 assumiu a Direcção de "MODAS E BORDADOS", publicação feminina (Suplemento do Jornal "O SÉCULO"), de que muito boa gente ainda se recorda, veio mais, tarde a ser fundadora e Directora da revista "EVA", magazine de boa memória que teve entre outras iniciativas, a lembrança de pela primeira vez em PORTUGAL, sortear uma casa pelos seus leitores próximo ao NATAL.
Dirigiu também  a revista "FEMININA". Foi Redactora do Jornal "O MUNDO" (na antiga "RUA DO MUNDO", hoje "RUA DA MISERICÓRDIA"), colaborou ainda no "SÉCULO DA NOITE", "O PRIMEIRO DE JANEIRO", e nas revistas "ILUSTRAÇÃO",  "ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA"  e "CIVILIZAÇÃO", tendo sido ainda tradutora da "AGÊNCIA PORTUGUESA DE REVISTAS".

Compôs obras musicais e poéticas. Cultivou a ficção e a literatura infantil. Publicou, em volumes, "SOMBRAS E CLARIDADES" (Contos), "CAMINHOS DA VIDA" (Novela),  "RUÍNAS" e "A FILHA DO MENDIGO" (Romance). Escreve também obras para crianças "O PEQUENO VAGABUNDO", "QUEM NÃO QUER SER LOBO" e "TRAVESSURAS", entre outras.
Devido à sua elevada tenacidade, "HELENA DE ARAGÃO" abriu o caminho para as mulheres trabalharem nos jornais, "ou como hoje se diz..." para os "MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL".

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS ( 5.ª SÉRIE) [ XVI ] - A "RUA MANUEL FERREIRA DE ANDRADE" - (PARA FINALIZAR ESTA RONDA DE JORNALISTAS)». 

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XIV ]

«RUA EÇA DE QUEIROZ ( 2 )»
 Rua Eça de Queiroz  -  (2015)  Foto de Sérgio Dias   -  (A "RUA EÇA DE QUEIROZ" na actual, freguesia de "SANTO ANTÓNIO"  in    TOPONÍMIA DE LISBOA
 Rua Eça de Queiroz  - (2011) Foto de Luís Pavão   -   ( Edifício na "AVENIDA DUQUE DE LOULÉ" esquina para a "RUA EÇA DE QUEIROZ")   in     AML 
 Rua Eça de Queiroz -  (2008 ) foto de APS  (A "RUA DAS FLORES" onde "EÇA DE QUEIROZ" referenciou no seu livro "A TRAGÉDIA DA RUA DAS FLORES")  in  ARQUIVO/APS
 Rua Eça de Queiroz - (2008) Foto de APS  -  (A "RUA DAS FLORES" faz parte do itinerário literário de "EÇA DE QUEIROZ", no seu livro "A TRAGÉDIA DA RUA DAS FLORES". A presente foto foi tirada na parte final (Norte), apanhando a saída do estacionamento subterrâneo da "PRAÇA LUÍS DE CAMÕES")   in     RUAS DE LISBOA/APS
 Rua Eça de Queiroz  -  (2009) - Foto de autor não identificado -  (Réplica em bronze da estátua a "VERDADE" ( da antiga em  pedra lioz de 1903) da autoria do escultor "ANTÓNIO TEIXEIRA LOPES", esta inaugurada em 26.07.2001, no "LARGO BARÃO DE QUINTELA")  in      ARQUIVO/APS - MARCAS DAS CIÊNCIAS
Rua Eça de Queiroz - (1955-1970)  Foto de Artur Pastor  -  (O "CASINO LISBONENSE" onde "EÇA DE QUEIROZ" organizou as suas conferências em 1871, fica no "LARGO RAFAEL BORDALO PINHEIRO" -antigo "LARGO DA ABEGOARIA"- no edifício à nossa direita na foto)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML

(CONTINUAÇÃO) - RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS ( 5.ª SÉRIE) [ XIV ]

«RUA EÇA DE QUEIROZ" ( 2 )»

"EÇA DE QUEIROZ" fez parte do "CENÁCULO" ( com "BATALHA REIS" e "SALOMÃO SÁRAGA", "ANTERO" entre outros): A  "REVOLUÇÃO DE SETEMBRO", dirigida por "RODRIGUES SAMPAIO", acolheu também prosas de "EÇA DE QUEIROZ"
Foi, contudo com o "DIÁRIO DE NOTÍCIAS" que o escritor viria a manter uma relação íntima e longa. Não pode esquecer-se que foi sob a forma de cartas ao redactor daquele jornal que "EÇA", de parceria com "RAMALHO ORTIGÃO", compôs no verão de 1870 de 24 de Julho a 27 de Setembro o "MISTÉRIO DA ESTRADA DE SINTRA", obra em folhetins que deu brado no tempo e chegou a provocar algum susto entre os leitores, até se esclarecer que se tratava de uma ficção jornalística. Sendo a primeira versão em livro editada no ano de 1884.
Depois como recordou o Escritor e Jornalista "ANTÓNIO VALDEMAR", "EÇA" foi o autor de uma verdadeira série de reportagens sob o título de DE PORT SAID  A SUEZ", publicada também no jornal ( hoje, um Tesouro de Baú do DN) que então ficava na antiga "RUA DOS CALAFATES" (ao BAIRRO ALTO) actual "RUA DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS". Aí descrevia, com requintes de repórter, a viagem ao "EGIPTO" que fizeram e que viria a dar-lhe pretexto para uma parte do  romance "A RELÍQUIA"(1887).

"EÇA DE QUEIROZ" quando estudava DIREITO na UNIVERSIDADE DE COIMBRA, torna-se amigo de "ANTERO DE QUENTAL" e "TEÓFILO BRAGA", entre outros, terá participado nas "CONFERENCIAS DO CASINO" (num edifício que ficava no antigo "LARGO DA ABEGOARIA", hoje "LARGO RAFAEL BORDALO PINHEIRO) Ver mais aqui... Ficando como um dos famosos da geração de 70 por ter organizado "AS CONFERÊNCIAS DO CASINO LISBONENSE" no ano de 1871 e mais tarde, como membro dos "VENCIDOS DA VIDA".
Em concurso para CÔNSUL classifica-se em primeiro lugar. Partiu em 1872 para "HAVANA" como representante Consular, foi depois transferido para BRISTOL (INGLATERRA) onde permaneceu 14 anos, seguindo depois para PARIS (1888).

Voltando à sua parte literária, EÇA iniciou-se no romance em 1876 na notável obra "O CRIME DO PADRE AMARO (1876), a que se seguiu "O PRIMO BASÍLIO"(1878), obra em que a cidade de LISBOA é o objecto da sua crítica irónica. Em 1888 é publicado " OS MAIAS", obra em que novamente faz a crítica literária, política e educacional da sociedade da época.
Colaborou ainda no "BRINDE"  aos  senhores assinantes do mesmo "DIÁRIO DE NOTÍCIAS", escrevendo o conhecido conto "SINGULARIDADES DE UMA RAPARIGA LOIRA" (1874).  E foi autor de escritos dispersos, espalhados por variadas publicações em PORTUGAL e no  BRASIL,  em que o carácter literário era preponderante. As próprias "FARPAS"  crónica mensal da política das letras e dos costumes, LISBOA 1871-1883 [ fonte: BND e BNP ]Ver mais aqui...
"EÇA" chegou, no entanto como se viu a ser JORNALISTA na acepção mais restrita do termo. Embora "Eça de Queiroz" não tenha poupado, todavia, os JORNALISTAS, ao peso do seu sarcasmo.
Geralmente o homem dos jornais é, nos livros do escritor, um tipo seboso, de maus dentes, caspa na gola, boémio com um pouco de burlão e um tanto de chantagista. No romance "A CAPITAL" (1925-Póstumo), o leitor é levado a embirrar prontamente com a chulice de "MELCHIOR", um repórter de "O SÉCULO", que leva "ARTUR CORVELO" praticamente até à penúria.

E como diria meu cunhado (já falecido) "MANUEL ANTÓNIO MIRA GODINHO DE OLIVEIRA",   "E PARA REMATAR"... convenhamos, "EÇA DE QUEIROZ" não precisa de uma RUA de grande aparato... o nome dele só por si, dá dignidade à artéria.
   
(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE)[ XV ] RUA HELENA ARAGÃO».

sábado, 17 de novembro de 2018

RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XIII ]

«RUA EÇA DE QUEIROZ" ( 1 )
 Rua Eça de Queiroz - ( 2018)  (A "RUA EÇA DE QUEIROZ" vista da "AVENIDA DUQUE DE LOULÉ")    in   GOOGLE EARTH
 Rua Eça de Queiroz  - (2015) Foto de Sérgio Dias  - Planta da zona onde se insere a "RUA EÇA DE QUEIROZ"    in    TOPONÍMIA DE LISBOA
 Rua Eça de Queiroz  -  (1903)  -  (Foto de "JOSÉ MARIA EÇA DE QUEIROZ" quando tinha 58 anos. publicado na "ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA" de 1903)  in  TOPONÍMIA DE LISBOA
 Rua Eça de Queiroz  -  (1980) - (Primeira homenagem de LISBOA feita a "EÇA DE QUEIROZ". Monumento erigido no "LARGO BARÃO DE QUINTELA" com frente para a "RUA DO ALECRIM" e na traseira do Monumento "passa" a "RUA DAS FLORES")   In   "LIVRO TRAGÉDIA DA RUA DAS FLORES"-WOOK
Rua Eça de Queiroz - ( 1940-1959) Foto de António Passaporte  -  "A estátua da "VERDADE" ainda em pedra lioz, inaugurada em 1903. Em 2001 foi feita uma réplica de bronze, inaugurada em 26.07.2001. Esta estátua concebida de acordo com os modelos do Romantismo, inspira-se na frase "SOBRE A NUDEZ FORTE DA VERDADE, O MANTO DIÁFANO DA FANTASIA" inspirada na obra de "EÇA DE QUEIROZ" "A RELÍQUIA")      in    AML 

(CONTINUAÇÃO) - RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS ( 5.ª SÉRIE) [ XIII ]

«RUA EÇA DE QUEIROZ ( 1 )»

A "RUA EÇA DE QUEIROZ" pertencia à antiga freguesia de "CORAÇÃO DE JESUS", hoje pela REFORMA ADMINISTRATIVA DE LISBOA DE 2012, passou a pertencer à freguesia de «SANTO ANTÓNIO».  Começa na "AVENIDA DUQUE DE LOULÉ", 112 e acaba na "RUA ACTOR TASSO".
LISBOA prestou a sua primeira homenagem de rua ao escritor que melhor descreveu os episódios da sua vida burguesa, através do "MONUMENTO" que em sua honra, foi erigido no "LARGO BARÃO DE QUINTELA" a "VERDADE", obra do escultor "ANTÓNIO TEIXEIRA LOPES",  inaugurada a 8 de Novembro de 1903. (Ver mais aqui...).
Treza anos depois da morte do autor do "PRIMO BASÍLIO", reconhece-se, porém, que seria difícil escolher uma "rua" que tivesse a ver directamente com o escritor, já que este, no tempo em que permaneceu em LISBOA, ficou especialmente ligado a locais que já tinham nome consagrado. "EÇA" está conotado com o "ROSSIO", o "CHIADO", o "ATERRO" (actual "AVENIDA 24 DE JULHO"), o "BAIRRO ALTO", o "CAMPO DE SANTANA", ao "PATRIARCAL" e "ARROIOS"... Tudo zonas da cidade em que o nome do artista não estaria talvez melhor nem pior do que naquela, que tem pelo menos  a proximidade  "MEDIEVAL DO ANDALUZ" ou a vizinhança de alguns seus contemporâneos, como o "DUQUE DE LOULÉ, FONTES PEREIRA DE MELO ou CAMILO CASTELO BRANCO.
E pelo EDITAL de 16 de Maio de 1013, na então "Paróquia Civil de Camões" do "BAIRRO CAMÕES", (por ocasião das comemorações do Tricentenário do poeta CAMÕES), que começaram a ser edificados em 1880, foi-lhe consagrado a "RUA EÇA DE QUEIROZ", que liga a "RUA ACTOR TASSO" à "AVENIDA DUQUE DE LOULÉ".

"JOSÉ MARIA EÇA DE QUEIROZ" nasceu na "PÓVOA DO VARZIM" em 25 de Novembro de 1845 e faleceu em PARIS no dia 16 de Agosto de 1900. Filho de "JOSÉ MARIA DE ALMEIDA TEIXEIRA DE QUEIROZ  e de "CAROLINA AUGUSTA PEREIRA DE EÇA"  "EÇA DE QUEIROZ" foi entregue ao nascer, aos cuidados da madrinha e ama, "ANA LEAL DE BARROSO", em "VILA DO CONDE", e mais tarde aos avós paternos, em AVEIRO. Aos dez anos foi como interno para o "COLÉGIO DA LAPA", no PORTO, onde teve como professor de francês "RAMALHO ORTIGÃO", mais velho nove anos que ele, e com quem mais tarde partilhava a escrita das "FARPAS".
Em 1861 entrou na UNIVERSIDADE DE COIMBRA, de onde saiu em 1866 forma do em DIREITO. Nos tempos da Faculdade leu muito e conheceu "ANTERO DE QUENTAL" e "TEÓFILO BRAGA". Em 1867 teve uma passagem pela direcção de um jornal da oposição, o "DISTRITO DE ÉVORA", onde desenvolveu a capacidade de  despersonalização (escrevendo com quatro nomes diferentes).
De regresso a LISBOA retomou a colaboração. iniciada em 1866, na "GAZETA DE PORTUGAL", onde com os seus folhetins, deu entrada no Mundo Literário.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS (5.ª SÉRIE) [ XIV ]-RUA EÇA DE QUEIROZ ( 2 )».