sábado, 18 de novembro de 2017

RUA BRAAMCAMP FREIRE [ I ]

«BRAAMCAMP FREIRE UM NOTÁVEL HISTORIADOR, UM BOM GENEALOGISTA E UM DIGNO POLÍTICO (1)»
 Rua Braamcamp Freire  - (2017)  -  (Início da "RUA BRAAMCAMP  FREIRE " junto da "AVENIDA DOM AFONSO III", na freguesia da "PENHA DE FRANÇA"   in  GOOGLE EARTH
 Rua Braamcamp Freire - ( 2017)  -  (Panorâmica da "RUA BRAAMCAMP FREIRE", inserida no "BAIRRO LOPES")  in   GOOGLE EARTH
 Rua Braamcamo Freire - (2016) Foto de Sérgio Dias  -  (Um troço da "RUA BRAAMCAMP FREIRE" no Bairro Lopes, na actual freguesia da PENHA DE FRANÇA) in TOPONÍMIA DE LISBOA
 Rua Braamcamp Freire - (1973)  -  (Uma obra de ANSELMO BRAAMCAMP FREIRE "BRASÕES DA SALA DE SINTRA" 3 volumes editado pela Imprensa Nacional Casa da Moeda)  in  COISAS
 Rua Braamcamp Freire - (1963-12) Foto de Artur João Goulart  -  (A "RUA BRAACAMP FREIRE" no BAIRRO LOPES nos anos sessenta do século XX)    in   AML 
Rua Braamcamp Freire  -  (31 de Julho de 1911) -  (Foto de "ANSELMO BRAAMCAMP FREIRE, Presidente da Assembleia Nacional, publicada na capa da ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA-Suplemento do Jornal "O SÉCULO")   in   ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA


(INÍCIO) - RUA BRAAMCAMP FREIRE  [ I ]

«BRAAMCAMP FREIRE UM NOTÁVEL HISTORIADOR, UM BOM GENEALOGISTA E UM DIGNO POLÍTICO ( 1 )»

A «RUA BRAAMCAMP FREIRE" pertencia à freguesia de "SÃO JOÃO", pela REFORMA ADMINISTRATIVA DE LISBOA DE 2012, passou a pertencer à freguesia da «PENHA DE FRANÇA». 
A "RUA BRAAMCAMP FREIRE" começa na "RUA ADOLFO COELHO" no número 10 e termina na "AVENIDA AFONSO III" no número 121, sendo atravessada pela "RUA DAVID LOPES". Esta urbanização denominada de «BAIRRO LOPES» tem cinco artérias: a mais antiga e comprida "RUA LOPES" (que possivelmente terá dado o nome ao BAIRRO), seguindo-se a "RUA SOUSA VITERBO", "RUA ADOLFO COELHO", "RUA DAVID LOPES" e a "nossa" "RUA BRAAMCAMP FREIRE".
Na ACTA Nº. 21 de 28 de Abril de 1949 a "COMISSÃO CONSULTIVA MUNICIPAL DE TOPONÍMIA, pronunciou-se favoravelmente e por EDITAL CAMARÁRIO de 13 de MAIO de 1949, era identificado que à "RUA-A" do "BAIRRO DA QUINTA DOS APÓSTOLOS", à "RUA LOPES" lhe  atribuir-se o nome de "RUA BRAAMCAMP FREIRE"
Conta-nos "LUÍS PASTOR DE MACEDO" no seu livro "LISBOA DE LÉS a LÉS Volume III que: "para cima, pegada com a "QUINTA DO COXO", estava a "QUINTA DOS APÓSTOLOS" que nos registos paroquiais de SANTA ENGRÁCIA aparecia citada em 1666".
Sabemos que o "CAMINHO DA QUINTA DOS APÓSTOLOS" ligava com o final da "CALÇADA DAS LAJES" e estendia-se até à entrada do "CEMITÉRIO DO ALTO DE SÃO JOÃO".  A sua passagem  era feita pelo Nº. 63 da "CALÇADA DAS LAJES", isto antes da abertura da ESTRADA DA CIRCUNVALAÇÃO.  Com a abertura da "AVENIDA  AFONSO III e a eventual construção do antigo "CENTRO MATERNAL INFANTIL", nos terrenos da "QUINTA DO COXO" e uma parte da "QUINTA DOS APÓSTOLOS", e após o início de algumas construções na "AVENIDA AFONSO III, surge um plano de urbanização na década de quarenta para a parte esquerda da "QUINTA DOS APÓSTOLOS", no sentido de fazer ali o "BAIRRO LOPES"
O lado direito da "QUINTA DOS APÓSTOLOS" era adquirida pelo "CEMITÉRIO DOS JUDEUS" na parte Sul, e o "CEMITÉRIO DO ALTO DO SÃO JOÃO" na parte Norte.

«ANSELMO BRAAMCAMP FREIRE», nasceu em LISBOA (antiga freguesia de "SÃO JOSÉ (hoje SANTO ANTÓNIO) a 1 de Fevereiro de 1849 e faleceu também em LISBOA na "RUA DO SALITRE", 146 a 23 de Dezembro de 1921, onde existe uma placa afixada alusiva, colocada pela vereação da C.M.L. da época.
"ANSELMO BRAAMCAMP FREIRE", filho de MANUEL NUNES DA ROCHA, 1.º BARÃO DE ALMEIRIM e de "LUÍSA MARIA JOANA BRAAMCAMP", neta do 1.º BARÃO DE SOBRAL, nasce no PALÁCIO AZUL, na "PRAÇA DA ALEGRIA", em LISBOA.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA BRAAMCAMP FREIRE [ II ] - UM NOTÁVEL HISTORIADOR, UM BOM GENEALOGISTA E UM DIGNO POLÍTICO (2)».

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

RUA BARTOLOMEU DIAS [ VII ]

«BARTOLOMEU DIAS DESCOBRE O CABO DA BOA ESPERANÇA»
 Rua Bartolomeu Dias - (1988) (Desenho de Dias Sanches)  -  (Pintura a óleo de "BARTOLOMEU DIAS" que se encontra em exposição no MUSEU DA MARINHA em LISBOA) (Abre em tamanho grande)  in    ALCHETRON
 Rua Bartolomeu Dias - (1988)  -  (Percurso do Navegador BARTOLOMEU DIAS para dobrar o CABO DA BOA ESPERANÇA em 1488)  in   CAIS DA MEMÓRIA
 Rua Bartolomeu Dias - (1488-1988) - Desenho de S. Nowers  -  (Selo de "BARTOLOMEU DIAS" editado pelos Correios da  RSA-(Republica Sul África) em 1988, para comemorar o 500.º aniversário do primeiro Navegador a dobrar o CABO DA BOA ESPERANÇA)  in   SHUTLERSTOCK 
 Rua Bartolomeu Dias - (2010)  -  (Réplica da CARAVELA usada por BARTOLOMEU DIAS, na 1.ª viagem de exploração Marítima, na guarnição de Diogo Cão)  in   TROPICALIA
Rua Bartolomeu Dias -  (1941)  -   (Foto de um recorte do jornal  Sul Africano "PUBLIC WORKS" publicado em Novembro do século XX, assinalando o PADRÃO colocado no PARQUE MEMORIAL DIAS CROSS )  in   ARTEFACT.CO.ZA

(CONTINUAÇÃO)- RUA BARTOLOMEU DIAS [ VII ] 

«BARTOLOMEU DIAS DESCOBRE O CABO DA BOA ESPERANÇA»

«BARTOLOMEU DIAS» tem uma RUA consagrada com seu nome em LISBOA, na freguesia de "BELÉM".
Navegador, português, possivelmente de origem Judaica, nasceu em 1450, tendo conquistado o seu lugar na "HISTÓRIA DE PORTUGAL" e do MUNDO, por ter sido o primeiro europeu a descobrir a passagem do "OCEANO ATLÂNTICO" para o "OCEANO ÍNDICO", dobrando assim, o "CABO DA BOA ESPERANÇA.
A "BARTOLOMEU DIAS" foi-lhe encomendada esta importante missão acima de tudo porque era um homem com um nível de formação que garantiam ao MONARCA português DOM JOÃO II, uma percentagem bastante grande de possível êxito.
"BARTOLOMEU DIAS" foi aluno de MATEMÁTICA e ASTRONOMIA na UNIVERSIDADE DE LISBOA e serviu na fortaleza de "SÃO JORGE DA MINA", referencias que o habilitavam quer a determinar as coordenadas de um local, quer a enfrentar tempestades ou calmarias, como as que assolavam frequentemente no "GOLFO DA GUINÉ".
Assim, em finais de Agosto de 1487, "BARTOLOMEU DIAS" larga de LISBOA ao mando de três embarcações, duas caravelas e uma "naveta",( 1 ) com rumo traçado em direcção ao "TORMENTOSO" com o objectivo de encontrar a tão ansiada passagem marítima para as ÍNDIAS, afinal o propósito último que leva o REI DOM JOÃO II a empreender esta empresa.
A viagem, tal como BARTOLOMEU DIAS teria oportunidade de relatar na primeira pessoa ao seu soberano, estaria cheia de sobressaltos e dificuldades, tornando a tarefa mais complicada do que se julgaria a principio. 
Finalmente, em 3 de Fevereiro de 1488, passados quase 6 meses desde a partida de LISBOA, a expedição alcança o seu objectivo.
No entanto coube a BARTOLOMEU DIAS a glória de ser o primeiro a dobrar o "CABO DAS TORMENTAS", como lhe chamou, ou da "BOA ESPERANÇA", como quis DOM JOÃO II. Com este feito, foi ultrapassado o mais espinhoso "ESCOLHO" ( 2 ) no caminho para a ÍNDIA
"BARTOLOMEU DIAS" tinha assim alcançado o feito necessário para que DOM JOÃO II lhe endereçasse o convite para liderar a expedição  mais lógica nestas circunstâncias: "encontrar o caminho marítimo para a ÍNDIA". Mas esse convite nunca chegaria.
Em 1495 DOM JOÃO II viria a falecer e subia ao trono DOM MANUEL I, monarca que em 1497 empreendeu de facto a busca pelas ÍNDIAS mas que entrega o comando da expedição a VASCO DA GAMA, e integrado "BARTOLOMEU DIAS" vai até às águas de CABO VERDE, rumando depois para MINA

Finalmente "BARTOLOMEU DIAS" iria realizar o seu grande sonho:  navegar até ao ORIENTE através do Caminho que ele próprio ajudara a abrir; mas desta vez, na expedição de "PEDRO ÁLVARES CABRAL" e de forma acidental, a descobrir as primeiras terras a que mais tarde dariam o nome de BRASIL. Depois dos primeiros contactos com os nativos das novas terras descobertas, os portugueses rumaram novamente para a ÍNDIA, o seu destino original, no início de Maio de 1500. No dia 23 do mesmo mês avistaram o "CABO DA BOA ESPERANÇA" e, por essa altura uma tempestade de proporções gigantescas destrói e afunda 4 Naus da Armada, entre elas a de "BARTOLOMEU DIAS".
Ironia do destino, o Navegador encontra a MORTE no mesmo local que anos antes o tinha levado à GLÓRIA. [ FINAL ]

- ( 1 ) - "NAVETA" - (de nave), s. f.  pequena nau.

- ( 2 ) - "ESCOLHO" - Rochedo à flor da água; Recife, perigo, obstáculo.

BIBLIOGRAFIA

- ACTAS DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA DE LISBOA - 1943-1974 - Coordenação de Agostinho Gomes-PAULA MACHADO - Rui Pereira- Teresa Sancha Pereira - Edição da CML - 2000.
- BARTOLOMEU DIAS - História - A. do CARMO REIS - Ed. ASA - 1987 - PORTO.
- BELÉM - Reguengo da Cidade - CML - Pelouro da Cultura - Ed. ASA - 1990 - LISBOA.
- DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE LISBOA- Direc. de Francisco Santana e Eduardo Sucena - 1994 - LISBOA.
- HISTÓRIA DOS MOSTEIROS - CONVENTOS E CASAS RELIGIOSAS DE LISBOA TOMO II - IMPRENSA MUNICIPAL DE LISBOA - 1972.
- MEMÓRIAS DA LINHA DE CASCAIS - Branca Gonta Colaço e Maria Archer - Parceria António Maria Pereira - 1943 - LISBOA.
- NAVEGADORES VIAJANTES E AVENTUREIROS PORTUGUESES DOS SÉCULOS XV e XVI - de Luís de Albuquerque- Vol. I - Círculo de Leitores- 1987 - LISBOA.
- NOVA ENCICLOPÉDIA LAROUSE - CÍRCULO DOS LEITORES - 1997 - LISBOA.
- OS CINEMAS DE LISBOA - de Margarida Acciaiuoli - 2ª. Ed. Bizâncio - 2013 - LISBOA.
- OS CONVENTOS DE LISBOA - Baltazar Matos Caeiro - Ed. DISTRI - 1989 - LISBOA.  

(PRÓXIMO)«RUA BRAAMCAMP FREIRE [ I ] BRAAMCAMP FREIRE UM NOTÁVEL HISTORIADOR, UM BOM GENEALOGISTA E UM DIGNO POLÍTICO».

sábado, 11 de novembro de 2017

RUA BARTOLOMEU DIAS [ VI ]

«O CONVENTO DO BOM SUCESSO E AS "RAIVAS" - DOCE CONVENTUAL»
 Rua Bartolomeu Dias - (2017)  -  (Aspecto da entrada principal do "CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO" no número 53, da RUA BARTOLOMEU DIAS)  in   GOOGLE EARTH 
 Rua Bartolomeu Dias - ( 2017 )  -  ( A "RUA BARTOLOMEU DIAS" e o "CONVENTO DO BOM SUCESSO" visto da parte Poente)  in   GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias - ( 2016)  -  (O muro do "CONVENTO DO BOM SUCESSO" na "RUA BARTOLOMEU DIAS"  in   GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias - (1990)  -  (Claustro do "CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO", fonte na quadra central)   in    DGPC-PATRIMÓNIO CULTURAL
Rua Bartolomeu Dias - (2011)  Foto de Daniel Figueiredo  -  ("RAIVAS" um produto Conventual, que as Freiras Irlandesas do "CONVENTO DO BOM SUCESSO" surtiu alguma fama)  In  RAIVAS-DOCES CONVENTUAIS

(CONTINUAÇÃO)-RUA BARTOLOMEU DIAS [ VI ]

«O CONVENTO DO BOM SUCESSO E AS "RAIVAS" DOCE CONVENTUAL»

O Claustro é ornamentado de azulejos azuis e amarelos. O CONVENTO é rico em azulejaria, que se encontra por toda a parte, formando rodapés nas salas antigas e nas escadarias, e mesmo em pequenos oratórios embutidos nos claustros.
Sob o chão da sala do capítulo encontram-se os restos mortais de muitos membros da pequena comunidade. As FREIRAS IRLANDESAS eram conhecidas por " Wild Geese". 

No século XIX, estando o CONVENTO muito arruinado, recebeu auxilio da «COMUNIDADE DA CABRA DE DUBLIN». Em 1955, por falta de vocação foi o CONVENTO integrado na "CONGREGAÇÃO IRMÃS DOMINICANAS DA CABRA", "CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO" e de "SANTA CATARINA DE SENA".  Em 1984,  o "BOM SUCESSO" e o recente-fundado "CONVENTO DE ST. ANNE" em OEIRAS, constituíram-se na COMUNIDADE DA REGIÃO DE LISBOA.
No início do século XX recebeu este CONVENTO a visita do "PRÍNCIPE DE GALES", futuro EDUARDO VII e da princesa "ALEXANDRA".  Em 1966 comemorou a passagem pelo local, 100 anos atrás, de "ANTº.  MARIA CLAILE", Santo catalão ligado a missões nas ilhas.

O CONVENTO manteve a traça seiscentista, uma vez que a sua estrutura pouco sofreu com o terramoto de 1755. Está cercado por um muro, com reentrância onde se inscreve o portão, o "Cenóbio" possui um pátio que permite o acesso à casa conventual, disposta à esquerda  e a IGREJA à direita.
No ano de 1860, já depois da extinção das "Ordens Religiosas em Portugal", este CONVENTO, que ainda albergava uma considerável comunidade de freiras, passou a funcionar como COLÉGIO FEMININO, então circunscrito às descendentes de CATÓLICOS IRLANDESES.
No final do século XIX todo este conjunto ficou ocultado no lado SUL, voltado ao RIO, pela construção de um edifício que criou uma barreira física entre o CONVENTO e o RIO TEJO.
O COLÉGIO  mantém-se em funcionamento até aos dias de hoje, tendo sido alargada a actividade educativa a partir de 1955, quando as freiras cessaram o regime de clausura.
"O CONVENTO DO BOM SUCESSO" conheceu várias campanhas de obras, as quais, contudo terão alterado substancialmente o primitivo conjunto.

CURIOSIDADES
No século XIX, os biscoitos Conventuais «RAIVAS» tinham algum sucesso na "AJUDA" e arredores.
Confeccionados pelas freiras IRLANDESAS do "CONVENTO DO BOM SUCESSO", na "RUA BARTOLOMEU DIAS, 53, eram depois comercializados,  segundo o ajudante "MÁRIO DE SAMPAIO RIBEIRO", na sua obra "A CALÇADA DA AJUDA" por JOSÉ PINCEL. (O mesmo que deu o nome ao "PÁTIO ZÉ PINCEL", na CALÇADA DA AJUDA).
A tradição morreu e as freiras IRLANDESAS, que ainda hoje permanecem neste CONVENTO seiscentista, há muito que deixaram a confecção da doçaria Conventual. Actualmente, as "RAIVAS" podem ser encontradas em embalagens industriais em qualquer supermercado, embora a sua origem viesse deste CONVENTO DO BOM SUCESSO.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA BARTOLOMEU DIAS[ VII ]-BARTOLOMEU DIAS DESCOBRE O CABO DA BOA ESPERANÇA».

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

RUA BARTOLOMEU DIAS [ V ]

«O CONVENTO DO BOM SUCESSO E SUA IGREJA»
 Rua Bartolomeu Dias -  (2012) - Foto de Rui Teodósio  -  (Fachada principal da "IGREJA DO COLÉGIO DO BOM SUCESSO" na RUA BARTOLOMEU DIAS)  in   LISBOA UM OLHAR PARA O PASSADO
 Rua Bartolomeu Dias - (Século XVII)  -  (Interior da Cúpula da Igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso, fundada em 1640) Foto da FUNDAÇÃO OBRA SOCIAL DAS RELIGIOSAS DOMINICANAS IRLANDESAS - que agradecemos-)   in  FOSRDI
 Rua Bartolomeu Dias -  (Interior da  "IGREJA DO CONVENTO DO BOM SUCESSO"  na RUA BARTOLOMEU DIAS)  in  FLCKR
 Rua Bartolomeu Dias -  (1991)   -  (CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO - PORTAL DA IGREJA ( IPPC)   in  DIRECÇÃO GERAL DO PATRIMÓNIO CULTURAL
Rua Bartolomeu Dias  -  ( 1990 )  -  (Interior do "CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO" Claustro e fonte central)  in  PATRIMÓNIO CULTURAL DA CML

(CONTINUAÇÃO) - RUA BARTOLOMEU DIAS [ V ]

«O CONVENTO DO BOM SUCESSO E SUA IGREJA»

O «CONVENTO» teve o seu apogeu nos finais do século XVII, início do séc. XVIII, e entrou com a extinção das "ORDENS RELIGIOSAS EM PORTUGAL" em 1834.
O único período em que tiveram de abandonar o CONVENTO, foi de 4 semanas, quando fecharam e se fundiram alguns CONVENTOS mas as freiras DOMINICANAS do BOM SUCESSO, conseguiram voltar de novo ao seu CONVENTO com a promessa de se dedicarem ao ensino de raparigas. Aliás, já o faziam antes com algumas filhas de fidalgas, especialmente no ensino do INGLÊS, pelo que lhes foi relativamente fácil voltarem para o ensino.

A IGREJA estava concluída no ano de 1670, quando foi transferido para o seu interior o "SANTÍSSIMO SACRAMENTO", embora o resto da construção se prolongasse até 1688, concluindo-se os dormitórios, estes da responsabilidade de MANUEL CERQUEIRA CAMPOS.
A "IGREJA" é de planta "oitavada", com contrafortes rematados por "Pináculos" e "Cúpula" revestida de azulejos. Segundo alguns estudiosos, as obras da construção da Igreja foram dirigidas pela "Vigária" da ordem, uma portuguesa de nome "MARIA MADALENA DE CRISTO" que ali se encontra sepultada.
A porta do exterior é voltada a NORTE e encimada por um nicho com a imagem de "NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO". Interiormente, situa-se do lado direito da IGREJA a porta de entrada, e a "CAPELA-MOR" que está orientada para poente. Os seis arcos das capelas laterais têm pilares lavrados. Por cima dos arcos e dos retábulos da capela ficam seis janelas, tendo a separá-las paredes de cantaria onde foram colocadas pinturas representando figuras ilustres da família DOMINICANA, figurando entre elas a de "SANTA JOANA PRINCESA", filha de "DOM AFONSO V", que também vestiu o hábito da ORDEM.
O "ARCO DA CAPELA-MOR" é o maior, ocupando o retábulo, todo o vão. Assenta em oito colunas de "Jaspe" matizado. A abóbada da CAPELA-MOR  é de pedra e o tecto forma como que "um dossel sobre o sacrário", o trono é de prata e tem pinturas atribuídas a BENTO COELHO DA SILVEIRA (Século XVII), representando cenas do «CÂNTICO DOS CÂNTICOS» e é rematado por uma enorme coroa. O grande crucifixo suspenso é trabalho do século XVIII.
No retábulo do ALTAR-MOR encontram-se as imagens de SÃO FRANCISCO e SÃO DOMINGOS em baixo, e SANTO ANTÓNIO e SÃO TOMÁS em cima.  A imagem de "NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO" é venerada desde o início da fundação do CONVENTO, tendo apenas saído de sua casa durante quatro semanas, quando as freiras foram obrigadas a ausentar-se, voltando ao CONVENTO com elas. Num dos lados da CAPELA-MOR encontra-se o TÚMULO de "DONA IRIA DE BRITO" (CONDESSA DE ATALAIA), e no lado oposto o do seu filho, que faleceu de acidente aos 13 anos. Em oposição ao ALTAR-MOR encontram-se dois coros, superior e inferior, com cadeiras e altares com frontal de azulejo e imagens.  O claustro é sóbrio, de dois pisos, e ao centro tem o fontanário.  Num dos lados situa-se o refeitório do século XVII, construído pouco depois da fundação do CONVENTO.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA BARTOLOMEU DIAS [ VI ] O CONVENTO DO BOM SUCESSO E AS "RAIVAS"(DOCE CONVENTUAL)».

sábado, 4 de novembro de 2017

RUA BARTOLOMEU DIAS [ IV ]

«O CONVENTO DO BOM SUCESSO»
 Rua Bartolomeu Dias - (2015) Foto de Sara Pereira (BR)  -  (Fachada exterior Norte do "CONVENTO NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO" na RUA BARTOLOMEU DIAS, 53)  in  PATRIMÓNIO CULTURAL DA CML
 Rua Bartolomeu Dias - (2016)  -  (Vista de cima a parte Norte do "CONVENTO DO BOM SUCESSO" na RUA BARTOLOMEU DIAS)   in   GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias  - (2016)  -  (O "COLÉGIO DO BOM SUCESSO" à esquerda na RUA BARTOLOMEU DIAS, e novas edificações à direita no antigo BAIRRO DA VILA CORREIA)  in  GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias - ( 2017 )  -  ("CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO" visto de Poente)  in  SÍTIO DA C.M.L.
 Rua Bartolomeu Dias -  ( 1968 ) - Foto de Armando Maia Serôdio  -  (Construções novas no espaço antigo da Rua Bartolomeu Dias)   in    AML 
Rua Bartolomeu Dias - (1926)  -  Foto de Ferreira Cunha(1901-1970)  - (Demolição da fábrica de Conservas BOM SUCESSO, na Rua Bartolomeu Dias, tendo uma filial na Figueira da Foz e Sede em Lisboa)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in   AML 


(CONTINUAÇÃO)-RUA BARTOLOMEU DIAS [ IV ]

«O CONVENTO DO BOM SUCESSO»

O «CONVENTO DO BOM SUCESSO» estando separado por um alto muro, fica na "RUA BARTOLOMEU DIAS" número 53, num pátio que tem  à esquerda o antigo CONVENTO e ao fundo a IGREJA.

No século XVII os "CATÓLICOS IRLANDESES" foram considerados "proscritos"  ( 1 ), e durante o reinado dos primeiros STUARTS, ( JAIME I e CARLOS I), o clero e fiéis procuraram refugiar-se no estrangeiro, especialmente na FRANÇA e na PENÍNSULA IBÉRICA, e os membros da PROVÍNCIA IRLANDESA da "ORDEM DE SÃO DOMINGOS" espalharam-se pela EUROPA.
O jovem "DANIEL O´DALY", de "KILSARKEN" (IRLANDA), enviado para ESPANHA como noviço esteve primeiramente em  "LUGO", depois em "BURGOS", até que, tendo sido ordenado em 1624, foi colocado em "LOVAINA" ( PAÍSES BAIXOS) (de domínio Espanhol na época), com o fim de ensinar TEOLOGIA.  Tendo passado a ser, em religião, "FREI DOMINIC DO ROSÁRIO", chegando mesmo a REITOR da CASA DOMINICANA daquela cidade.
Em 1629 veio "FREI DOMINIC" à PENÍNSULA com duas missões: pedir a "FILIPE IV de ESPANHA - III de PORTUGAL, ajuda para os frades pregadores da IRLANDA em LOVAINA" e autorização para fundar em LISBOA uma casa de estudos, que constituiria uma base para os estudantes DOMINICANOS IRLANDESES. Recorreu-se a um pequeno grupo de damas portuguesas em que se incluía "DONA IRIA DE BRITO, viúva do 4º CONDE DA FEIRA, "DOM DIOGO FORJAZ PEREIRA" (assassinado em MADRID em 1595). Entretanto o FREI DOMINIC fundava o "CONVENTO DO ESPÍRITO SANTO DE FEIRA" dos CÓNEGOS de "SÃO JOÃO EVANGELISTA".
"DONA IRIA DE BRITO", filha de "JOÃO DE BRITO" e de sua mulher "DONA GUIOMAR DE ATAÍDE" casou em segundas núpcias com o "1.º CONDE DE ATALAIA" "DOM FRANCISCO MANUEL ATAÍDE", que falecei em 1624.  A "CONDESSA DE ATALAIA" segunda vez viúva e não tendo descendência, pensou oferecer uma sua quinta perto de BELÉM, para um recolhimento de SANTA PAULA e, mais tarde, para um MOSTEIRO de FREIRAS JERÓNIMOS, projectos que não foram concretizados.

"FREI DOMINIC", aproveitando a disponibilidade da QUINTA de "DONA IRIA", "CONDESSA DE ATALAIA", instalou nos terrenos o "CONVENTO DO BOM SUCESSO" para as jovens IRLANDESAS impossibilitadas de serem religiosas no seu próprio país, cuja primeira pedra foi lançada em 1645, desconhecendo-se a autoria do projecto do edifício.
Estas autorizações não foram, porém, fáceis de obter. O REI FILIPE IV de ESPANHA e III de PORTUGAL, só muito contrafeito lhas concedeu, a troco do "FRADE" conseguir um Regimento irlandês para ajudar a ESPANHA na luta contra o inimigo nos PAÍSES BAIXOS.

Precariamente, em casa mais tarde substituída pelo CONVENTO definitivo, a comunidade abriu as portas a duas freiras. MADRE MARIA ANTÓNIA e MADRE ANA, que tinham vindo do CONVENTO DE SÃO JOÃO de SETÚBAL para iniciar as noviças. A primeira prioresa Irlandesa foi "DONA LEONOR KAVANAGH", refugiada em CASTELA muitos anos antes. Em 1640 entraram URSULA e sua prima ELEONOR BRUKE.

- ( 1 ) - PROSCRITOS - (do Lat. proscriptu) s.m. Desterrados, exilados.

(CONTINUAÇÃO)-(PRÓXIMO)«RUA BARTOLOMEU DIAS [ V ]-O CONVENTO DO BOM SUCESSO E SUA IGREJA».

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

RUA BARTOLOMEU DIAS [ III ]

«O SÍTIO DO BOM SUCESSO E O CINEMA BELÉM-JARDIM»
 Rua Bartolomeu Dias - (2017)  -  (Um troço da "RUA BARTOLOMEU DIAS" podendo ver-se ainda na parede no lado esquerdo o símbolo de uma antiga empresa de telecomunicações portuguesa "TLP-Telefones de Lisboa e Porto", integrada na PORTUGAL TELECOM em 1994)   in    GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias -  (2016)  -  ( A entrada nascente da antiga "RUA DO BOM SUCESSO", hoje RUA BARTOLOMEU DIAS, NA FREGUESIA DE "BELÉM")  in  GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias -  (1967)  Foto de Vasco Gouveia de Figueiredo  -  (O antigo "CINEMA BELÉM-JARDIM" na "RUA BARTOLOMEU DIAS" que não resistiu ao camartelo)  in   AML  
 Rua Bartolomeu Dias -  (1953) - Foto de Eduardo Portugal  -  (Nesta foto podemos ver da esquerda para direita  "COMPANHIA DAS REDES DE PESCA", "FÁBRICA DE BORRACHA E CALÇADO -REPENICADO & BENGALA", o "CINEMA BELÉM-JARDIM" e o resto da "FÁBRICA DE BORRACHA". Estes edifícios foram demolidos entre os anos de 1989 e 1990)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in   TOPONÍMIA DE LISBOA
Rua Bartolomeu Dias - (1953) - Foto de Eduardo Portugal  -  (O "CINEMA BELÉM-JARDIM" na "RUA BARTOLOMEU DIAS" Nºs. 25 a 27)  -  in  RESTOS DE COLECÇÃO


(CONTINUAÇÃO) - RUA BARTOLOMEU DIAS [ III ]

«O SÍTIO DO BOM SUCESSO E O CINEMA BELÉM JARDIM»


(Ainda do livro "MEMÓRIAS DA LINHA DE CASCAIS" de BRANCA DE GONTA e MARIA ARCHER") concluímos: "Foi no tempo dos nossos pais, ...dos nossos avós ainda vivos. (Cabe aqui um parênteses para umas linhas de história).  Nos começos do século passado (1800), LISBOA é ainda tão pequena e os meios de transporte citadino eram tão moroso e tão limitados, que, para o grande público privado do luxo da carruagem particular, PEDROUÇOS é um lugar mal conhecido. Fica fora de portas, fica nos arrabaldes. Fica separado da cidade por más estradas, por longas azinhagas que torciam entre muros de QUINTAS. Fica muito longe... Os nossos avós consideravam muito afastada toda essa região arrabaldina do BOM SUCESSO, PEDROUÇOS, ALGÉS, DAFUNDO, consideravam-na como um trecho da terra saloia e chamavam-lhe geralmente e globalmente «PEDROUCOS», tal como nós hoje englobamos uma vasta área sob o nome genérico de «ESTORIS».  É que a LISBOA setecentista, no seu aglomerado urbano, vinha a "morrer", pelo lado OESTE, na RIBEIRA DE ALCÂNTARA. Para lá do riacho alfacinha tudo era arrabalde, com quintas, hortejos, terras de semeadura, fazendo moldura à cidade. Era ali o campo. Campo tracejado de quintas senhoriais, de palacetes, de belas moradias, alongando-se, num arrabalde aristocrático, entre a Ribeira de ALCÂNTARA  e o RIO JAMOR na CRUZ QUEBRADA.  A nobreza com cargos na Corte, na politica, enfim, a nobreza de LISBOA, não podia afastar-se continuamente da CAPITAL, e por isso, para as pequenas férias de repouso, preferia os seus PALÁCIOS CAMPESTRES do termo de PEDROUÇOS;  e quando veio a moda dos banhos do mar desceu ao rio e tomou banhos ma sua praia.
Aquela praia de PEDROUÇOS, aquela nesga de areia à beira do RIO, deu causa a que o povoado crescesse e se multiplicasse. Naquela nesga de areia, que vemos actualmente, tão suja e tão pisada, já foi "moda tomar banhos". Parece que, aqui há uns bons pares de anos, esses banhos de PEDROUÇOS curavam, milagrosamente os doentes" [ Livro interessante que nos conta a burguesia e seus Palácios ou Quintas de LISBOA até CASCAIS- pág. usadas 41,42 e 43].

CINEMA BELÉM-JARDIM

O CINEMA BELÉM-JARDIM inaugurado no ano de 1925 na RUA BARTOLOMEU DIAS, números 25 e 27 (antiga RUA DO BOM SUCESSO), teve uma vida curta de 43 anos.
O "BELÉM-JARDIM" terá aberto as suas portas em Junho de 1925, nas veio a fecha-las no ano de 1968. O velho CINEMA de BELÉM tinha frequentadores mais assíduos a classe operária, marítimos e militares que possivelmente habitavam o local. Em 1954 terá sentido a concorrência do próximo e moderno "CINEMA RESTELO", (que na sua construção tem o traço de FARIA DA COSTA), situado na "AVENIDA DA TORRE DE BELÉM".
Durante o período da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) esteve encerrado, para ser utilizado como depósito de cereais, com destino à SUIÇA.
Na RUA BARTOLOMEU DIAS" no seu lado esquerdo (lado do RIO) podemos observar (numa foto que aqui se publica), vários edifícios posteriormente demolidos entre 1989 e 1990) por ocasião das obras para a construção de «CENTRO CULTURAL DE BELÉM», de que destacamos a "COMPANHIA DAS REDES DE PESCA" (Nºs. 17 e 19), a "FÁBRICA DE BORRACHA E CALÇADO -REPENICADO & BENGALA" com os números (21 e 23 ; 29 a 31) e o "CINEMA BELÉM-JARDIM" (Nº. 25 e 27) que ficava "encravado" entre esta "FÁBRICA DE BORRACHA".

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA BARTOLOMEU DIAS[ IV ]O CONVENTO DO BOM SUCESSO».

sábado, 28 de outubro de 2017

RUA BARTOLOMEU DIAS [ II ]

«A RUA BARTOLOMEU DIAS E O SÍTIO DO BOM SUCESSO»
 Rua Bartolomeu Dias - (2000) - Foto de Luís Pavão  -  (O "CENTRO CULTURAL DE BELÉM-CCB", no início da antiga "RUA DO BOM SUCESSO" (hoje RUA BARTOLOMEU DIAS), da autoria dos Arquitectos "VITTORIO GREGOTTI" e "MANUEL SALGADO", foi concebido com o objectivo na promoção da CULTURA, desenvolvendo a criação e difusão em todas as especialidades, do TEATRO à Dança, ...  Iniciado em 1988 foi concluído em Setembro de 1992)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML 
 Rua Bartolomeu Dias -  ( 2012 ) Foto de Rui Teodósio  -   (Entrada do "CONVENTO DO BOM SUCESSO"  antes das últimas obras)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in  LISBOA, UM OLHAR PARA O PASSADO
 Rua Bartolomeu Dias  - (2016)  -  (Um troço da "RUA BARTOLOMEU DIAS", no rés-do-chão à esquerda, morava uma família que deixou saudades)   in   GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias  -  (2016)  -  (Visto de cima, o "CONVENTO DO BOM SUCESSO", na "RUA BARTOLOMEU DIAS")   in     GOOGLE EARTH
 Rua Bartolomeu Dias - (1965-10 - Foto de Armando Maia Serôdio  -  ("CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO" na Rua Bartolomeu Dias)   in     AML 
Rua Bartolomeu Dias - (entre 1900-1958) Foto de Eduardo Portugal  -  (As traseiras do "CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO")     in    AML 

(CONTINUAÇÃO) - RUA BARTOLOMEU DIAS [ II ]

«A RUA BARTOLOMEU DIAS E O SÍTIO DO BOM SUCESSO»

Na "RUA BARTOLOMEU DIAS" o prédio seguinte ao CCB. com o Nº. 45 é o antigo PALÁCIO DO CORREIO-MOR, DUARTE DE SOUSA DA MATA COUTINHO, descendente dos CONDES e MARQUESES de PENAFIEL.  Esta propriedade, cuja entrada principal dava para a a (antiga "RUA DIREITA DO BOM SUCESSO"), foi adquirida em 1717 por DOM JOÃO V ao CORREIO-MOR, LUÍS VITORIO DE SOUSA MATA COUTINHO, mas nunca lhe deu uso, passado anos, foi vendida a "DOM FERNANDO JOSÉ LOBO", 1.º CONDE e 2.º MARQUÊS DO ALVITO e 5.º da ORIOLA.

Em 1872, foi um HOTEL, frequentado pelos veraneantes que pretendiam desfrutar da bela praia de BELÉM. Há anos atrás, funcionou ali a FÁBRICA DE CONSERVAS da FIRMA CORDEIRO SANTOS & FERREIRA, LIMITADA. e apesar da degradação do imóvel, o belo portão do século XVII, bastante largo para dar passagem aos coches da época. No Nº. 53 da mesma RUA situa-se o "CONVENTO DO BOM SUCESSO". Por detrás do CONVENTO abre-se o "BECO DA RÉ", e na "RUA DA PRAIA DO BOM SUCESSO", com grandes edifícios antigos com grades nas janelas do rés-do-chão e em estado de abandono, funcionaram ali uma "FÁBRICA DE FARINHAS", o antigo "DIÁRIO DA MANHÃ" e depois o "JORNAL ORBIS", e a "GELMAR" (Empresa de Congelação de Peixe).  Ainda na "RUA BARTOLOMEU DIAS, no nº. 42 existe uma colectividade - SPORT BOM SUCESSO - fundada em 08.12.1913.  No prolongamento da RUA, pode ver-se o POSTO DE LIMPEZA DE PEDROUÇOS, da CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA.
O antigo "SÍTIO DO BOM SUCESSO" era composto de uma área RIBEIRINHA e outrora RURAL, constituída pela antiga "QUINTA DA PRAIA"; a OESTE pela QUINTA DA PRINCESA (DONA MARIA FRANCISCA BENEDITA,  irmã de DONA MARIA I); a NORTE, pela antiga cerca do "MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS"; e a SUL, pelo RIO TEJO. 
Na área RIBEIRINHA era a praia que, como a da "TORRE DE BELÉM", a da "CRUZ DA PEDRA" e a de "PEDOUÇOS" teve o seu apogeu nos finais do século XIX e início do século XX, tendo entrado em declínio nos anos 30 e 40 do século XX, devido ao desenvolvimento das outras praias da "LINHA DO ESTORIL".

Não dispensámos incluir esta deliciosa obra que nos fala da Linha do ESTORIL e particularmente do "BOM SUCESSO". "MEMÓRIAS DA LINHA DE CASCAIS" de BRANCA DE GONTA e MARIA ARCHER, de 1943 -  "La vai de abalada o comboio eléctrico, no rumo da COSTA DO SOL. O aterro, o Porto de Lisboa, Alcântara e BELÉM... Pelas alturas do "BOM SUCESSO" o passageiro abrange, na rápida visão consentida pela velocidade, um amontoado de casario vetusto, parte dele em ruína, aqui e além, a ser demolido pelo camartelo oficial. Não se alcança um trecho de urbanismo vistoso, nem um recanto idílico, nem vestígios heráldicos de palácios ou muros de quintas senhorial. A "TORRE DE BELÉM" ergue-se na paisagem desconsolada com um aspecto exótico de jóia, uma jóia abandonada num monturo.
Cá está PEDROUÇOS. É o mesmo fundo de casario modesto, fusco, empilhado; do lado do RIO a esplanada do CLUBE «ALGÉS e DAFUNDO» a e praia enxovalhada. No verão formiga pela praia a multidão humilde. Vêm-se cestos de farnéis, melancias e garrafões de vinho. Crianças pálidas rebolam-se no areal. Senhoras fazem "Crochet" à sombra das barracas. Passam raparigas vestidas de "MAILLOTS" fora de moda e desbotados no colarinho. (...) à vista do que é actualmente PEDROUÇOS, que o sítio foi uma praia de luxo, que a povoação teve nomeada, que existiu ali Palácios de grande Nobreza? Não foi há muitos anos, não"!


(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA BARTOLOMEU DIAS[ III ]-O SÍTIO DO BOM SUCESSO E O CINEMA BELÉM-JARDIM»