sábado, 13 de dezembro de 2014

BOAS FESTAS

«BOAS FESTAS»



DESEJAMOS A TODOS OS "BLOGUISTAS" E AMIGOS  FELIZ NATAL E UM BOM ANO DE 2015.


APROXIMA-SE  O NATAL E COMO É HÁBITO, FAZEMOS UMA PARAGEM PARA MEDITAÇÃO.


VOLTAREMOS NO PRÓXIMO ANO ( de DEUS quiser e nos der saúde ) COM MAIS RUAS DE LISBOA.  ATÉ LÁ VIVAM ESTA QUADRA COM O ESPÍRITO DE VERDADEIRO  NATAL.


FAÇAM O FAVOR DE SEREM FELIZES!

(PRÓXIMO-2015)«JARDIM GUERRA JUNQUEIRO [ I ]-O JARDIM DA ESTRELA ( 1 )»

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

ÍNDICE DE ARTÉRIAS EDITADAS EM 2014

«ÍNDICE DE RUAS EM 2014»

 AVENIDA - LARGOS  -  RUAS  E TERREIRO



POR FREGUESIAS

ÍNDICE DE AVENIDA, LARGOS, RUAS E TERREIRO TRATADOS NESTE BLOGUE DURANTE O ANO DE 2014.

O ÍNDICE ESTÁ REPRESENTADO POR ORDEM ALFABÉTICA POR ARTÉRIAS E FREGUESIAS.

FORAM RETRATADAS ESTE ANO: 1 AVENIDA;  19 LARGOS;  59 RUAS e 17 TERREIRO, NUM TOTAL DE 96 PUBLICAÇÕES REFERENTE A ARTÉRIAS DE LISBOA.

(PRÓXIMO)«BOAS FESTAS»

sábado, 6 de dezembro de 2014

RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ III ]

LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 3 )
 Rua Luís Pastor de Macedo - (2014) (Vista da "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" para Poente, encontrando-se no lado direito parte do antigo edifício "Estúdio" da Tobis Portuguesa e a paragem do "METRO" da Quinta das Conchas) in  GOOGLE EARTH
 Rua Luís Pastor de Macedo - (2014)  (A "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" no sentido Norte, ao lado esquerdo como referência os "Estúdios" da antiga Tobis Portuguesa) in GOOGLE EARTH
 Rua Luís Pastor de Macedo - (2014) - (Um troço da "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" no sentido Sul, na sua esquerda uma ligação à "RUA TOBIS PORTUGUESA") in GOOGLE EARTH
Rua Luís Pastor de Macedo - (1960) (Uma das obras de "LUÍS PASTOR DE MACEDO", "LISBOA DE LÉS A LÉS", subsídios para a história das vias públicas da cidade , Volume II, 2ª Edição -uma reedição das Publicações Culturais da CML-, que nos congratulamos, sendo este livro uma referência para a maioria dos olisipógrafos).   in    ARQUIVO/APS 

(CONTINUAÇÃO) - RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ III ]

«LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 3 )»

"LUÍS PASTOR DE MACEDO", foi ainda um grande impulsionador da representação de LISBOA nas FESTAS dos anos 1940, ano em que foram comemorados o duplo CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA NACIONAL ( 1140 - 1640 ) e da RESTAURAÇÃO em que o primeiro CORTEJO HISTÓRICO foi organizado por "LEITÃO DE BARROS".
Quanto à EXPOSIÇÃO DO MUNDO PORTUGUÊS  será a coroa de glória das opções assumidas e definidas da "POLÍTICA DO ESPÍRITO" de ANTÓNIO FERRO, em 1940 constituía o  "ano das grandes realizações espirituais e materiais do Estado Novo".
Deste modo. o governo de SALAZAR pretendia associar a grandiosa manifestação NACIONAL, - que então se erguia na antiga "PRAÇA DO IMPÉRIO" na zona de BELÉM - e essas datas decisivas da HISTÓRIA DE PORTUGAL, procurando uma legitimação absoluta da sua política, para o País.

"LUÍS PASTOR DE MACEDO" exerceu vários cargos, nos quais teve ocasião de tornar mais agradável a sua cidade, investigou, estudou e escreveu sobre LISBOA, vivendo-a intensamente durante os seus anos de vida.
Pertenceu este alfacinha à geração de ouro dos olisipógrafos, teve oportunidade de, já adulto, conviver com os últimos tempos de PINTO DE CARVALHO, o célebre cronista TINOP; apanhou ainda em pleno vigor o Engenheiro VIEIRA DA SILVA, cabouqueiro ilustre da história da cidade; foi companheiro de várias iniciativas, no campo literário e  no terreno do polifacetado GUSTAVO DE MATOS SEQUEIRA; mantinha com NORBERTO DE ARAÚJO a relação de respeito e amizade que une aqueles que lutam pela mesma dama, com ele colaborando pelo menos numa das suas obras mais conhecidas; entusiasmou também LEITÃO DE BARROS, pondo o talento criador deste ao serviço das festas de LISBOA.
Desta plêiade de gente talentosa - à qual seria necessário juntar outros nomes - veio a resultar o "GRUPO AMIGOS DE LISBOA", nascido em 1936 e ainda hoje rijo, defensor e propagandistas da "CAUSA ALFACINHA".
"LUÍS PASTOR DE MACEDO" faleceu aos 70 anos, LISBOA tinha-o agraciado com a sua medalha de ouro um ano antes.
Certamente será lembrado não só pela CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA como o já referido "GABINETE DE ESTUDOS OLISIPONENSES", herdeiro do seu ficheiro - os "AMIGOS DE LISBOA", do qual foi co-fundador e o seu primeiro secretário-geral, irão lembrá-lo, estudá-lo, tirar proveito da sua obra.
É preciso tentar ser tão saudavelmente "BISBILHOTEIRO" como o mestre "LUÍS PASTOR DE MACEDO", nesta arte de saber...

ALGUMAS BIBLIOGRAFIAS E ESTUDOS DE "LUÍS PASTOR DE MACEDO":
- A IGREJA DE SANTA MARIA MADALENA DE LISBOA (1930).
- A "RUA DAS PEDRAS NEGRAS", LISBOA (1932).
- O ANTIGO TERREIRO DO TRIGO, LISBOA (1932).
- LISBOA DE OUTRORA (1938) (em colaboração).
- A BAIXA POMBALINA, LISBOA (1938).
- A RUA DAS CANASTRAS, (1939).
- UM ARTISTA, UMA RUA E UMA FREGUESIA, LISBOA (1940).
- LISBOA DE LÉS A LÉS (5 Volumes) (1940/1943).
- A MOURARIA, O ARCO E A PACIÊNCIA DOS LISBOETAS,(1945) in Olisipo Vol. VIII Nº 30.
- ASCENDENTES DE CAMILO (1947).
- CASAS DA CÂMARA DE LISBOA (1951) em colaboração com NORBERTO DE ARAÚJO.
- HISTÓRIA DE UMA HORTA NO ARRABALDE DOS MOUROS (1963) in BOLETIM CULTURAL, JUNTA DISTRITAL DE LISBOA, Nº 59-60, LISBOA.


(PRÓXIMO) - ÍNDICE DE ARTÉRIAS EDITADAS EM 2014 - 

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ II ]

«LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 2 )»
 Rua Luís Pastor de Macedo - (2014) (Entrada e saída Sul da "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" de para a "AVENIDA MARIA HELENA VIEIRA DA SILVA")  in    GOOGLE EARTH 
 Rua Luís Pastor de Macedo - ( 2014 ) (Um troço da "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" no sentido Poente,passando na parte de baixo dos edifícios por um túnel construído para o efeito)  in  GOOGLE EARTH
 Rua Luís Pastor de Macedo - (2014) (Um troço da "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" no sentido de Norte para Sul)  in   GOOGLE EARTH
Rua Luís Pastor de Macedo - (2014) ( A "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" no sentido Sul, Zona da antiga "RUA-B" da Urbanização dos Terrenos da "Tobis Portuguesa", a caminho da saída pela "RUA SILVA TAVARES")  in   GOOGLE EARTH

(CONTINUAÇÃO) - RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ II ]

«LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 2 )»

«LUÍS PASTOR DE MACEDO» em colaboração com "NORBERTO DE ARAÚJO", escreveu também uma obra hoje indispensável, sobre "AS CASAS DA CÂMARA DE LISBOA". E com "MATOS SEQUEIRA" elaborou um livro de deliciosos apontamentos soltos sobre vários aspectos da cidade alfacinha, intitulado "A NOSSA LISBOA".
"LISBOA DE LÉS A LÉS" é, sem dúvida alguma, a mais conhecida e consultada das obras de "PASTOR DE MACEDO" será, porém o mais vasto e completo trabalho feito até hoje sobre a toponímia ( e não só...) da cidade de LISBOA. Deu-se o caso de terem sido publicados alguns volumes póstumo intitulados "RUA DE LISBOA", resultante dos apontamentos de outro olisipógrafo, "GOMES DE BRITO".  Lendo-os MACEDO, não resistiu: havia muita coisa que era necessário completar, muita outra que era preciso corrigir, alguma em que ele podia inovar.
Saíram cinco volumes até 1943, em que o autor revela por completo a sua faceta de insaciável estudioso, no que diz respeito à  toponímia.
Temo-lo caracterizado ( e o Mestre, do Além, perdoará a irreverencia) como o maior "BISBILHOTEIRO" da história da CIDADE DE LISBOA. Na verdade, qualquer consulta à cerca de uma RUA acaba por proporcionar ao leitor uma informação exaustiva sobre os seus moradores, com indicações de filiação e ascendência de cada habitante.

Ao tratar a "RUA DOS BACALHOEIROS" (que já nos referimos neste blogue em 07.01.2008), como exemplo,  por se tratar de uma artéria que outrora fora habitada por "confeiteiros", dedica 150 páginas, à história dos doces e seus fabricantes nesta cidade... Pensamos que nada ficou por dizer sobre esse tema.

Mas não foi "LUÍS PASTOR DE MACEDO" apenas um investigador e escritor, o que já seria muito.
Tendo começado como Comissário do GOVERNO junto do "TEATRO NACIONAL D. MARIA II", veio a ser nomeado vereador da CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA (1932 - 1933), Vice-Presidente e Presidente substituto da Edilidade de 1947 a 1959.  Foi o criador do pelouro dos SERVIÇOS CULTURAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE  LISBOA.  Deputado à ASSEMBLEIA NACIONAL (IV Legislatura) e PROCURADOR à CÂMARA COOPERATIVA, em representação das actividades não diferenciadas (armazenistas e retalhistas).
Aproveitando essas qualidades, teve papel fundamental nas "FESTAS DE LISBOA", nomeadamente as de 1934 - ano em que apareceram as Marchas representando os BAIRROS - e de 1935, que se revestiram de excepcional brilho.

(CONTINUA)-(PRÓXIMA)«RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ III ]-LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 3)»

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O 1º DE DEZEMBRO

«O 1º DE DEZEMBRO DE 2014»
 Associando-me mais uma vez ao "MOVIMENTO 1º DE DEZEMBRO" quero deixar aqui o meu inconformismo, pela perda do "FERIADO", representativo das comemorações do 1º DE DEZEMBRO (dia que assinala a data da RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL) "apagado" da nossa história, pela LEI Nº 23/2012.

 BRASÃO DE ARMAS DE PORTUGAL
Aclamação de D. João IV (1604-1656) de PORTUGAL, foi o 21º REI DE PORTUGAL, e o primeiro da quarta "DINASTIA DE BRAGANÇA". (Pintura de COLUMBANO BORDALO PINHEIRO no  MUSEU MILITAR DE LISBOA)   in  WIKIPÉDIA

UM POUCO DE HISTÓRIA

No dia 1 de Dezembro de 1640, terminava o período de 60 anos em que o REINO DE PORTUGAL, foi governado pela dinastia de origem austríaca dos "HABSBURGO ( 1 ), com o fim do reinado de FILIPE III (conhecido como "FILIPE IV" em ESPANHA).

Na realidade a dinastia do ramo hispânico dos "HABSBURGO", ficou em PORTUGAL conhecida como "FILIPINA" por todos os monarcas se chamarem "FILIPE" (AVÔ - FILHO e NETO - Reinantes -I - II - III).

Esta monarquia dos "HABSBURGO" controlava inúmeros ESTADOS, todos eles separados entre si e independentes;  PORTUGAL não era diferente da CATALUNHA, da FLANDRES, de CASTELA, de NAVARRA, de NÁPOLES ou de VALÊNCIA.
Provavelmente a monarquia dos "HABSBURGO", mais se parecia (salvo-seja!), como uma "UNIÃO EUROPEIA" .

Quando em 1640 os nobres portugueses, muito deles desiludidos com o não cumprimento das promessas dos monarcas, decidem revoltar-se, embora a decisão tomada não fosse original.
Na verdade, nesse mesmo ano de 1640, durante o VERÃO, um outro país da península IBÉRICA, a CATALUNHA, decidiu revoltar-se contra exactamente o mesmo estado de coisas e expulsar a "família" real dos "HABSBURGO". 

A monarquia hispânica estava envolvida na chamada "GUERRA DOS TRINTA ANOS(1618-1648) e não tinha, na altura, meios suficientes para esmagar a revolta na CATALUNHA, muito menos, para debelar a revolta em PORTUGAL. [Extracto de ÁREA MILITAR].

( 1 ) - HABSBURGO - ( Casa de ), antiga família da ALEMANHA, oriunda da SUÁBIA. Conquistou com ALBERTO "O RICO" (1153) territórios consideráveis entre a SUÍÇA e a ALSÁCIA e subiu ao trono IMPERIAL como "RODOLFO DE HABSBURGO", cujos descendentes possuíam ainda a BOÉMIA, a HUNGRIA, a ESPANHA, os domínios austríacos os PAÍSES BAIXOS, uma parte de ITÁLIA, e o Novo Mundo.


(PRÓXIMO)«RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ II ]-A RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO(2)»

sábado, 29 de novembro de 2014

RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ I ]

«A RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 1 )»
 Rua Luís Pastor de Macedo - ( 2014) (A "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" inserida na urbanização dos terrenos da antiga "Tobis Portuguesa")  in  GOOGLE EARTH
 Rua Luís Pastor de Macedo - ( 2007 ) - (Vista Panorâmica da "QUINTA DAS CONCHAS" e a urbanização dos terrenos da "TOBIS PORTUGUESA", onde se insere a "RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO") in GOOGLE EARTH
 Rua Luís Pastor de Macedo - ( 2014 ) - (A RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO" no sentido Nascente, vendo-se no seu lado esquerdo o Estúdio da antiga "TOBIS PORTUGUESA") in GOOGLE EARTH
Rua Luís Pastor de Macedo - (2014) - (Entrada Norte para a "RUA LUÍS DE MACEDO", vindo da "RUA SILVA TAVARES") in GOOGLE EARTH

RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ I ]

«A RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 1 )»

A «RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO» pertence *a freguesia do «LUMIAR». Tem início na "RUA SILVA TAVARES" existindo também uma Entrada/Saída pela "AVENIDA MARIA HELENA VIEIRA DA SILVA" e finaliza novamente na "RUA SILVA TAVARES". Tem no seu lado esquerdo a "RUA TOBIS PORTUGUESA" que lhe é convergente.

Em reunião numa das salas dos Paços do Concelho foi registado na Acta Nº.105 de 26 de Janeiro de 1972 ( 1 ), o pedido feito por Sua Exª. o Presidente sobre a consagração do nome de "LUÍS PASTOR DE MACEDO" na Toponímia de Lisboa. A Comissão foi de parecer que a "RUA-A" do plano de urbanização dos terrenos da TOBIS PORTUGUESA, na QUINTA DAS CONCHAS, incluindo o troço da "RUA-B" que lhe fica paralelo, se denomine - RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO - OLISIPÓGRAFO- (1901-1971).

"LUÍS PASTOR DE MACEDO" nasceu na antiga freguesia da "MADALENA" hoje "SANTA MARIA MAIOR" a 23 de Fevereiro de 1901 e faleceu em 13 de Novembro de 1971.
PASTOR DE MACEDO, de ascendência espanhola, pertencia a uma família de comerciantes. Aliás, a conhecida e velha "CASA DOS PANOS", da "RUA DOS FANQUEIROS", provavelmente continua na posse de familiares seus.
Não foi a comerciar que veio a distinguir-se: desde muito cedo se dedicou a saber quanto pudesse sobre a sua cidade. Ia anotando todos os seus estudos as suas leituras e investigações em pequenos rectângulos de papel, que cortava à medida, aproveitando cadernos, papel almaço, cartolinas, sobretudo folhas quadriculadas, que serviam possivelmente para as contas.
Eram as suas fichas e encheu, durante a vida, muitos milhares delas. De certa forma, este ficheiro foi a obra da sua existência. Afinal, foi destes apontamentos, tirados em todas as circunstâncias, recolhidas na mais vetusta biblioteca ou na pressa de uma anotação obtida em plena rua, que proveio não só a obra vasta que nos deixou, como muitos trabalhos feitos por outros, especialmente sobre a TOPONÍMIA DE LISBOA.
O ficheiro existe: cuidadosamente conservado por familiares do Olisipógrafo, veio a ser entregue ao GABINETE DE ESTUDOS OLISIPONENSES, onde está praticamente quase todo informatizado.
O contacto com milhares de verbetes - enchem as gavetas de dois móveis amplos - é impressionante, quase comovente; o número e a qualidade das informações recolhidas pelo Mestre, é revelador de uma curiosidade insaciável, ligada a um amor muito grande.
O resultado desse trabalho de uma vida ficou expressa em livros e escritos dispersos; salientem-se os estudos sobre a "RUA DAS PEDRAS NEGRAS", o antigo "TERREIRO DO TRIGO", a "BAIXA POMBALINA", a "RUA DAS CANASTRAS", a primeira "RUA DA IMPRENSA", a "IGREJA DA MADALENA", a casa onde nasceu o jornalista e estadista "ANTÓNIO ENES".

( 1 ) - ACTAS - 1943/1974 - COMISSÃO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA DE LISBOA - CML - 2000 - LISBOA.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ II ]A RUA PASTOR DE MACEDO ( 2 )».

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

CURIOSIDADES SOBRE A "BICA-CAFÉ"

A BICA-CAFÉ
Curiosidades sobre a BICA - (século XX) (Quando apareceu a primeira máquina expresso em Portugal, as pessoas não estavam habituadas ao sabor forte e amargo do café...)    in   DOM TACHO RESTAURANTE

 Curiosidades sobre a BICA - (1908) ( Na "BRASILEIRA" no CHIADO tomava-se café servido à mesa numas cafeteiras pequenas cujo conteúdo era retirado da máquina de café de saco que possuía umas torneiras)   in  CAFÉ MUSEU

Curiosidades sobre a BICA - (1911)  (Rua Garrett, 120 e 122)   Foto de Joshua Benoiel   ("A BRASILEIRA" no CHIADO, casa especializada no café do BRASIL) in   AML 

Curiosidades sobre a BICA - (1979) ( Rua Garrett, 120 e 122-LISBOA) Foto de Neves Águas (A porta de "A BRASILEIRA" no CHIADO com seu aspecto de arte "DECO")  in  AML

«CURIOSIDADES SOBRE A BICA-CAFÉ»

Possivelmente a origem da palavra "BICA" resultará da própria palavra "BICA", em português, é o tubo de saída da água de uma fonte.

Como a Máquina Expresso tem o manípulo de saída do café em forma de uma ou duas "BICAS", ao contrário da "MÁQUINA" de saco ou filtro que possuía apenas torneiras. Em LISBOA, nos melhores cafés, tinham "CAFÉ DE FILTRO" (da torneira), e "CAFÉ EXPRESSO" (da BICA), e assim ficou o termo até hoje.

Uma outra explicação para a designação da "BICA" encontrada no Blogue "MOURA MORTA" da região de COIMBRA, designadamente de VILA NOVA DE POIARES.
"Como sabem o termo "BICA" é um termo que se começou a usar em COIMBRA (zona centro do país) quando o café "A BRASILEIRA" vendeu os primeiros "expressos". Em LISBOA, o público achava esses "expressos" muito amargos. Daí que o pessoal de "A BRASILEIRA" inventou um "SLOGAN" para ajudar nas vendas. "BEBA ISTO COM AÇÚCAR". E pegou. Hoje a palavra foi reduzida às iniciais: "BICA" que ainda hoje o é em COIMBRA. Afinal a "BICA" tem uma razão forte de existir!" (LUÍS FILIPE SANTOS).

No início do século XX o café na "A BRASILEIRA" no CHIADO era servido numa cafeteira grande com cabo de madeira. Como podemos deduzir quando chegava ao último cliente a ser servido o café já estaria frio.
Um cliente ( que habitualmente tratava sempre por "tu" os criados) dizia: "ó ALBINO, vai mas é à "BICA" ( 1 ).  Assim ficou generalizado o termo "BICA".
"BICA" - Nome generalizado em LISBOA e COIMBRA termo que no PORTO, poderá não ser entendido.

- ( 1 ) -voltar a encher a cafeteira na torneira do recipiente onde era feito o café.

Também existem muitos termos para diversos procedimentos das "BICAS", conforme o gosto de cada cliente.

- Uma Bica cheia
- Uma Bica com cheirinho
- Uma Bica curta
- Uma Bica curta em chávena escaldada
- Uma Bica dupla
- Uma Bica italiana
- Uma Bica normal
- Uma Bica normal em chávena não aquecida
- Uma Bica pingada

E eventualmente existirá mais alguma "identificação" que de momento não me ocorre.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Em 19 de Novembro de 1905 a "A BRASILEIRA" no CHIADO, LISBOA, abriu as suas portas ao público, vendendo o genuíno café em grão do BRASIL de MINAS GERAIS, moído à vista do cliente. O seu fundador ADRIANO TELES, vivera durante vários anos no BRASIL, mantendo excelentes contactos que lhe permitiam importar café e outros produtos regularmente. Três anos mais tarde, o sucesso do estabelecimento levou a que se construísse uma "SALA DE CAFÉ". novidade na época e que rapidamente se generalizou, tornando o local obrigatório para a elite lisboeta.

(PRÓXIMO)«RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO [ I ]-A RUA LUÍS PASTOR DE MACEDO ( 1 )»