sábado, 22 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [XVII]

«AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE ( 2 )»
 Avenida Infante Dom Henrique - (1997) - em nove de Agosto - (Obras de adaptação na Avenida Infante Dom Henrique, antes da abertura da EXPO/98)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in  AML
 Avenida Infante Dom Henrique - (195-)  Foto de KURT PINTO-  (A fábrica de GÁS DA MATINHA junto  da AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML
 Avenida Infante Dom Henrique - (C. de 1953)Foto de Abreu Nunes)  -  (Fotografia Aérea na Zona de CABO RUIVO, onde passa a  AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE)  ( ABRE EM TAMANHO GRANDEin   AML 
 Avenida Infante Dom Henrique - ( 1953 ) - Fotografia aérea da zona de SANTA APOLÓNIA e XABREGAS,  durante as obras de abertura da "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE")  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in   AML  
 Avenida  Infante Dom Henrique - ( 1940-08)  Foto de Eduardo Portugal -  (A "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE em obras, junto da ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DA SANTA APOLÓNIA)   in   AML 
Avenida Infante Dom Henrique (ant. 1932) Foto de Joshua Benoliel  -  (Edifício da ALFANDEGA DE LISBOA, fachada virada para a antiga "RUA JOÃO EVANGELISTA", hoje AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE in   AML 

(CONTINUAÇÃO)-RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [XVII]

«AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE ( 2 )»

O "INFANTE DOM HENRIQUE"(1394-1460) nasceu no PORTO em 04.03.1394 e faleceu em SAGRES (VILA DO BISPO) em 13.11.1460.O quinto filho de "DOM JOÃO I" e de DONA FILIPA DE LENCASTRE, ficou conhecido pela denominação do "INFANTE DE SAGRES" e de "O NAVEGADOR".
Com o pai e dois irmãos - DOM DUARTE (futuro REI) e "DOM PEDRO" (futuro regente), tomou parte na expedição a CEUTA, em 1415. Após a vitória, sagrada a mesquita, «DOM JOÃO I" armou cavaleiros os três filhos,. Com a tomada de CEUTA iniciou-se a expansão "ULTRAMARINA EM PORTUGAL". Esse feito de armas sobre a política externa PORTUGUESA estimulou a construção de uma força NAVAL.
O "PAPA MARTINHO V" designou o "INFANTE DOM HENRIQUE" para as funções de administrador-geral e governador da "ORDEM DE CRISTO", cuja sede em TOMAR, onde. junto do CASTELO, o INFANTE  instalou  os seus PAÇOS. Depois do desastre de TÂNGER (1437). DOM HENRIQUE quase desapareceu da CORTE, vindo a instalar-se em LAGOS e SAGRES ou na RAPOSEIRA, onde se dedicou à organização das viagens dos DESCOBRIMENTOS MARÍTIMOS.
Obtém do "PAPA EUGÉNIO IV", em 1443, a nova BULA DE CRUZADAS "REX REGUM".
Sendo o regente do reino seu irmão "DOM PEDRO " em (1443), beneficia deste o exclusivo da navegação para Sul do "CABO BOJADOR" e, também a licença necessária para a fundação da "VILA DO INFANTE", perto de SAGRES.
Rodeou-se de Cosmógrafos, Cartógrafos (entre o célebre "JÁCOME DE MALHORCA"), armadores e mareantes.  Obtendo informações dos prisioneiros e dos negociantes mouros, interpretando os testemunhos trazidos pelos seus navegadores, consegue dar feição pragmática e científica às  expedições que organizava.
Autores há que falam na "ESCOLA DE SAGRES" como se ali tivesse existido um estabelecimento de ensino, mas não há tal indício. "O INFANTE DOM HENRIQUE" só "fez escola" porque se rodeou de sábios estrangeiros, versados em ASTRONOMIA, na CARTOGRAFIA e na ARTE DE NAVEGAÇÃO, aproveitando as revelações proporcionadas por cada viagem,  soube utilizar os dados da experiência. Assim nos escreveu o professor DAMIÃO PERES: "o génio do INFANTE DOM HENRIQUE alargou o campo da actividade Nacional, organizando as grandes expedições que o imortalizaram e tornaram o nome de PORTUGAL universalmente conhecido".
Naturalmente , variam as interpretações dos historiadores acerca do mérito dos feitos "Henriquinos" e da própria personalidade do Infante. Há que reconhecer que o mesmo aconteceu com o apuramento histórico das causas dos DESCOBRIMENTOS, das Politicas Religiosas e Económicas.
A dois anos da sua morte, o INFANTE acompanha, com entusiasmo, em 1458, seu sobrinho AFONSO V, que empreendeu com êxito a conquista de "ALCÁCER-CEGUER".

Assim, com o redescobrimento de PORTO SANTO (1419) e da MADEIRA (1420) sendo o grupo Oriental dos AÇORES em (1427).Para o Infante o adestramento técnico dos seus marinheiros, os arquivamentos das experiências e realizações obtidas. Entre os interesses e determinantes à sua dedicação da navegação contam-se as de ORDEM RELIGIOSA ( espírito de CRUZADA, que lhe impunha a defesa e divulgação da fé cristã). 

A posição de GRÃO-MESTRE da ORDEM DE CRISTO, foi para o "INFANTE DOM HENRIQUE", fundamental no incremento na política dos "DESCOBRIMENTOS PORTUGUESES.


(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XVIII ]-AVENIDA INFANTE SANTO».

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XVI ]

«A AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE ( 1 )»
 Avenida Infante Dom Henrique - (10 de Agosto de 2015) Foto de Sérgio Dias   -  (A "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE" no sentido para Norte, antes da saída para A-12 e "PARQUE DAS NAÇÕES"   in   TOPONÍMIA DE LISBOA
 Avenida Infante Dom Henrique - (1944) Foto de Eduardo Portugal - (Obras na   Avenida  Marginal Oriental, depois Av. Infante Dom Henrique, na "Quinta Grande do Almada", com a instalação do colector Principal)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML 
 Avenida Infante Dom Henrique - (1940) Foto de Eduardo Portugal  -  (Estação de Santa Apolónia, cais da Fundição, à direita os edifícios que serão demolido para a passagem da Avenida Infante Dom Henrique) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)    in    AML 
 Avenida Infante Dom Henrique - 1957 - Foto de Judah Benoliel -  (Obras de conclusão da "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE". Junto da "Estação Sul e Sueste" e já no seu final próximo da "PRAÇA DO COMÉRCIO")  (ABRE EM TAMANHO GRANDE in   AML
 
 Avenida Infante Dom Henrique - Foto de Eduardo Portugal - Aterro e terrenos conquistado ao RIO, defronte à antiga Estrada da Circunvalação perto da Igreja da Madre de Deus no sítio de XABREGAS. Ao fundo a Ponte transportadora mecânica, que levava os cereais vindos nas fragatas, través de um sistema de aspiração, que os encaminhava aos silos da - FÁBRICA  "A NACIONAL"- no BEATO) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in    AML
Avenida Infante Dom Henrique - (1888) autor não identificado - (Rio TEJO visto da chamada "PRAIA DOS ALGARVES" toda esta zona viria a desaparecer com o aterro feito para abrir a "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE" e as sucessivas docas) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML 


(CONTINUAÇÃO)-AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE [ XVI ] 

«A AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE ( 1 )»

A «AVENIDA INFANTE DON HENRIQUE» aparentemente será a mais comprida "AVENIDA DE LISBOA" com 12 km de comprimento, três vias em cada sentidos (em alguns percursos), sendo duas para todo o tipo de veículos, e uma (à direita) para transportes públicos.
A construção de uma grande "AVENIDA" (semi-Marginal) para Oriente, remonta aos anos 30 do século XX, no entanto a sua designação actual se efectiva em 1948. A via projectada ou pensada deveria ser construída entre a «PRAÇA DO COMÉRCIO» e a «PRAÇA DE MOSCAVIDE»( hoje PRAÇA JOSÉ QUEIRÓS).
A "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE" passa por sete freguesias de LISBOA e uma de LOURES, a deste último Concelho representa a junção de duas freguesias com a designação "MOSCAVIDE E PORTELA". 
Tem o seu início na "PRAÇA QUEIRÓS) ( IC2/IC17) num túnel por baixo da "ROTUNDA", e  lateralmente à freguesia do "PARQUE DAS NAÇÕES", servindo de fronteira  natural entre a freguesia dos "OLIVAIS" e o PARQUE DAS NAÇÕES", segue depois por MARVILA, BEATO, PENA DE FRANÇA, SÃO VICENTE e SANTA MARIA MAIOR.
Antes da "REFORMA ADMINISTRATIVA DE LISBOA DE 2012", esta avenida atravessava as freguesias: SANTA MARIA DOS OLIVAIS; MARVILA; BEATO; SÃO JOÃO; SANTA ENGRÁCIA, SANTO ESTÊVÃO DE ALFAMA; SÉ e MADALENA.
A "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE" no final da freguesia do "PARQUE DAS NAÇÕES", inflecte em direcção ao litoral, na "PRAÇA 25 DE ABRIL", atravessa a antiga ZONA INDUSTRIAL DE LISBOA, correndo paralela à linha ferroviária até entrar na zona mais histórica. Tem ainda dois espaços mais largos no seu lado virado ao RIO, um o "TERMINAL DE CONTENTORES EM XABREGAS" e outro perto da ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE SANTA APOLÓNIA, que neste milénio foi adaptada para "CAIS DE ATRACADOURO DE GRANDES UNIDADES MARÍTIMAS DE TURISMO".
No final da "CALÇADA DA CRUZ DA PEDRA" exista um viaduto que dá acesso entre a "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE"   e  a "AVENIDA MOUZINHO DE ALBUQUERQUE". Passa na lateral da "ESTAÇÃO DE SANTA APOLÓNIA", terminando na "PRAÇA DO COMÉRCIO".
Considerado ser até hoje o maior arruamento de LISBOA, com o Topónimo nascido pelo EDITAL MUNICIPAL de 24 de Julho de 1948 na via pública projectada entre a PRAÇA DO COMÉRCIO e a então "PRAÇA DE MOSCAVIDE" (desde 1973 "PRAÇA JOSÉ QUEIRÓS).

Uma informação MUNICIPAL de 29.05.1952, diz-nos que a "RUA JOÃO EVANGELISTA" desapareceu com a construção da desta "AVENIDA", e segundo outra, de 1953 o arruamento também conhecido por "AVENIDA MARGINAL ORIENTAL".  Refira-se ainda que devido à alteração urbanística aquando da construção da EXPO/98, o troço vulgarmente conhecido (nessa época) por "RUA DO MAR", também foi incluída na "AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE".
Em 1882 já existia em LISBOA um topónimo referenciando o "INFANTE DOM HENRIQUE", trata-se da "RUA DE SÃO TOMÉ", na (antiga freguesia de "SÃO VICENTE DE FORA"), tinha passado a denominação para  "RUA INFANTE DOM HENRIQUE". Foi a COMISSÃO CONSULTIVA DE TOPONÍMIA que nas suas reuniões, entre Novembro de 1944 e Juno de 1948, em que sugeriu a transferência do topónimo para o novo arruamento entre a "PRAÇA DO COMÉRCIO" e a "PRAÇA DE MOSCAVIDE", bem como o retorno da "RUA DE SÃO TOMÉ à localidade inicial.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XVII ]-AVENIDA  INFANTE DOM HENRIQUE ( 2 )».

sábado, 15 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XV ]

«AVENIDA DOM CARLOS I E "A ESPLANADA NO PARQUE DAS NAÇÕES"»
 Avenida Dom Carlos I e Esplanada no Parque das Nações- (1892) Foto de autor desconhecido  -  (Dom Carlos em 1892 doou 20% da sua dotação anual para ajudar o ESTADO e o país, para sair da crise criada pelo rotativismo dos Partidos)  in    HOTEL AVENIDA PALACE
 Avenida Dom Carlos I e Esplanada no Parque das Nações  - ( 1902 ) -Pintura de Roque Gameiro -  "O REI DOM CARLOS I" em farda de gala, uma pintura do mestre Roque Gameiro)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in    WIKIPÉDIA
 Avenida Dom Carlos I e a Esplanada no Parque das Nações - (1959-  06) Foto Fernando Manuel de Jesus Matias -  (A AVENIDA DOM CARLOS PRIMEIRO, esquina para a "RUA DAS FRANCESINHAS)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML 
 Avenida Dom Carlos e A Esplanada no Parque das Nações - (2007)  -  (Panorâmica da "AVENIDA DOM CARLOS I" na parte na parte central da imagem, que finda junto ao PARLAMENTO) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in  GOOGLE EARTH
 Avenida Dom Carlos I e a Esplanada no Parque das Nações) - (2009)   -   (Nas proximidades do OCEANÁRIO DE LISBOA no PARQUE DAS NAÇÕES existe uma ESPLANADA D. CARLOS I) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in TOPONÍMIA DE LISBOA
 Avenida Dom Carlos I e a Esplanada no Parque das Nações - (2010)  -  (Um troço da "AVENIDA DOM CARLOS I" (antiga Avenida Wilson )  (ABRE EM TAMANHO GRANDE in GOOGLE EARTH
 Avenida Dom Carlos I e a Esplanada no Parque das Nações - (07.06.2013) - Foto de Sérgio Dias  -  ( Placa Toponímica indicando a direcção da "ESPLANADA DOM CARLOS I AO PARQUE DAS NAÇÕES")  in  TOPONÍMIA DE LISBOA

(CONTINUAÇÃO)-RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [XV]

«AVENIDA DOM CARLOS I E A ESPLANADA NO PARQUE DAS  NAÇÕES»

A «AVENIDA DOM CARLOS I» foi uma artéria com bastantes mudanças toponímicas nos tempos passados. Este arruamento pertencia a três freguesias; "SANTOS-O-VELHO": "SÃO PAULO" e "SANTA CATARINA". Hoje pela REFORMA ADMINISTRATIVA DE LISBOA DE 2012, passou a pertencer só a duas , sendo elas a freguesia da "ESTRELA" e MISERICÓRDIA".
Assim, a actual "AVENIDA DOM CARLOS I" já foi denominado por vários Topónimos em diversas épocas. No troço inicial que começa na "AVENIDA 24 DE JULHO até à antiga "RUA VASCO DA GAMA ( fazendo esta última, parte do actual "LARGO VITORINO DAMÁSIO", teve aquando da sua abertura no século XIX o nome de "RUA DUQUE DA TERCEIRA". Foi também em 1889 a "RUA DOM CARLOS". Mas após a IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA por EDITAL DE 05.11.1910 passou a chamar-se "AVENIDA DAS CORTES" teve também a nome de AVENIDA PRESIDENTE WILSON e, durante o período de 1910 a 1948, este topónimo andou desaparecido,sendo no ano de 1948 por EDITAL  de 23 de Dezembro, que regressou de novo ao arruamento. A RUA passou a "AVENIDA DOM CARLOS I, fazendo parte do presente.
"DOM CARLOS I" foi contemplado com mais um topónimo na cidade de LISBOA.
Existe efectivamente uma artéria com o nome de "ESPLANADA DOM CARLOS I" na freguesia do "PARQUE DAS NAÇÕES", artéria recentemente absorvida pela cidade de LISBOA em EDITAL de 16.09.2009 um resultado da EXPO/98, e simboliza a ligação que "DOM CARLOS I" teve com o mar, a bordo do "IATE DONA AMÉLIA" e as investigações oceanográficas, sobre os quais publicou seus estudos. Esta artéria começa sensivelmente no "PASSEIO ULISSES" atravessa o "JARDIM DE ÁGUA", passa na frente do "PAVILHÃO DO CONHECIMENTO" e faz um ângulo recto , passando no "OCEANÁRIO DE LISBOA" em direcção ao TEJO
"DOM CARLOS I" (O DIPLOMATA)-(nasceu em LISBOA a 28 de Setembro de 1863-Faleceu em LISBOA em 01 de Fevereiro de 1908) filho primogénito de DOM LUÍS I e de DONA MARIA PIA DE SABÓIA, subiu ao trono em 1889. Casa em 1886 com DONA MARIA AMÉLIA DE ORLEÃES, filha dos CONDES DE PARIS.Foi um razoável pintor e um estudioso da oceanografia, construindo para esse fim o IATE DONA AMÉLIA. O seu reinado começou sob o mau auspício do ULTIMATO -INGLÊS (1900) motivado pela mapa «COR DE ROSA». A agitação que se gerou à volta deste ULTIMATO, foi aproveitado por republicanos e monárquicos para censurar o GOVERNO de DOM CARLOS I, comentando "ALFREDO PIMENTA" que "As forças monárquicas, denominadas partidos não eram mais do que forças republicanas que se desconheciam, ou fingiram desconhecer-se". 
Os republicanos aumentaram consideravelmente o número de representações nas CORTES e DOM CARLOS chamou JOÃO FRANCO para chefiar o seu GOVERNO numa tentativa de melhorar a situação. Começa com ele uma forte DITADURA que mais se agravou com os adiantamentos à CASA REAL. Este facto causou grande descontentamento comentando LUCIANO DE CASTRO a um jornal da época. "Entrou-se em período revolucionário". Os Monárquicos pensavam desta maneira e os Republicanos queriam tomar o poder pelas armas. Em 21 de Janeiro aborta uma tentativa revolucionária, tendo sido feitas mesmo assim muitas prisões.
DOM CARLOS I assina então o DECRETO que permitia a deportação dos conspiradores e é assassinado oito dias depois no TERREIRO DE PAÇO com o seu filho LUÍS FILIPE. Apesar de todo o problema com o ULTIMATO, o monarca consegue restabelecer as LUSO-BRASILEIRAS. Fez uma viagem nesse sentido a ESPANHA, FRANÇA, ALEMANHA e INGLATERRA que foi frutuosa para a política externa.
No seu reinado deram-se revoltas nas províncias ULTRAMARINAS como na GUINÉ e em TIMOR, que foram pacificadas.
(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES[XVI]«A  AVENIDA INFANTE DOM HENRIQUE».

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XIV ]

«A PRAÇA E RUA DE DOM LUÍS I  ( 2 )»

 Praça e Rua de Dom Luís I - (2008)-Foto retirada do Blogue RUAS DE LISBOA COM ALGUMA HISTÓRIA de 07.07.2010 - Panorâmica da Praça Dom Luís I em Lisboa. No lado direito o "Mercado 24 de Julho" ou o "MERCADO DA RIBEIRA", ao centro o JARDIM SÁ DA BANDEIRA e sua estátua. Na parte Norte do Jardim, Um grande edifício que já foi os CTT do Aterro, e nesses terrenos existiu a "CASA DA MOEDA") (ABRE EM TAMANHO GRANDE)     in  SKYSCRAPERCITY ou RUAS DE LISBOA
 Praça e Rua  Dom Luís I  - ( 19-- ) Foto de Paulo Guedes   -  (Praça Dom Luís I com o Jardim do Marquês Sá da Bandeira e seu Monumento. Na parte de trás do Jardim podemos ver as chaminés da antiga CASA DA MOEDA)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)    in   AML 
 Praça e Rua Dom Luís I  -   ( 1943 )  Foto de Eduardo Portugal    -  (A "PRAÇA E RUA DE DOM LUÍS I, ainda com a demolição para construção do MERCADO DA RIBEIRA NOVA) ( ABRE EM TAMANHO GRANDE in      AML 
 Praça e Rua de Dom Luís I - (1962)  - Foto de Armando Maia Serôdio  -  ( A RUA DOM LUÍS I-antiga RUA VASCO DA GAMA, no sentido da Praça Dom Luís I e Estação dos CTT do Aterro) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)    in   AML  
Praça e Rua de Dom Luís I -  (Século XIX)-Publicado e distribuído pela F.A. Martins-Largo Luís de Camões,35  - Uma foto da Praça de Dom Luís I e Jardim Sá da Bandeira junto da Avenida 24 de Julho) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in CAPITAL


RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XIV ]

«A PRAÇA E RUA DE DOM LUÍS I  ( 2 )»

"DOM LUÍS I"(1838-1889)- foi o 32.º REI DE PORTUGAL, sobe ao trono por morte de seu irmão o REI DOM PEDRO V "O ESPERANÇOSO". em Novembro de 1861. Era nessa altura um oficial da MARINHA com a patente de CAPITÃO-DE-MAR-E-GUERRA, quando foi solicitado para assumir o trono português. Foi aclamado REI em 22 de Novembro do mesmo ano.  A 27 de Setembro de 1862 casa-se, por procuração com DONA MARIA PIA DE SABOIA. Rainha de Portugal, nascida no Palácio de Turim em Itália em 16.10.1847. Filha do REI DE PIEMONTE, VÍTOR MANUEL II. Teve dois filhos  DONA MARIA PIA aquele que viria a ser "DOM CARLOS I e o INFANTE DOM AFONSO HENRIQUES.
"DOM LUÍS I " primorosamente educado, literato e artista de boa índole o seu reinado de 28 anos,  reuniu uma "certa" PAZ dentro do país. Embora em BRAGA um levantamento de tropas em 1862, contra as repartições da FAZENDA e respectivos funcionários, em desacordo aos impostos propostos pelo MINISTÉRIO DA FAZENDA.
O "DUQUE DE SALDANHA" em 1869, propôs  ao REI a sua nomeação para comandante-chefe do exército. O GOVERNO mandou a SALDANHA que ocupasse e seu lugar de ministro, determinação a que este não obedeceu e à qual respondeu com uma carta, que publicou e cujo tom altivo era o prólogo dos acontecimentos de 1870, que impôs ao REI a demissão do GOVERNO. Nesse mesmo ano "É decretada a extinção definitiva da escravatura em todos os domínios portugueses". No ano seguinte a realização no "CASINO LISBONENSE" no antigo "LARGO DA ABEGOARIA", (hoje "LARGO RAFAEL BORDALO PINHEIRO") (Ver mais aqui...) e a sua proibição das "CONFERENCIAS DEMOCRÁTICAS NO CASINO LISBONENSE".
Em 1875 é fundado o partido "SOCIALISTA PORTUGUÊS", e nesse ano a fundação oficial da "SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DE LISBOA". Em 1877 o major "SERPA PINTO" foi de "BENGUELA" ao "BIÉ" e estudou as nascentes do rio "QUANZA". Durante 17 meses explorou regiões desconhecidas e rectificou em vários casos as observações de "LIVINGSTONE". No ano de 1884 uma expedição de "HERMENEGILDO CAPELO" e " ROBERTO IVENS" atravessam a ÁFRICA de LUANDA a TETE. AUGUSTO CARDOSO chega ao NIASSA, através de BANCHIRE, passou ao CHIRE e ao ZAMBEZE terminando a rota em QUELIMANE.
 No último quartel do Século XIX, começa a agitação política que viria a ser fatal à COROA PORTUGUESA. Forma-se o "PARTIDO PROGRESSISTA" que (herdeiro do Setembrismo e da Patuleia, aspirava a mergulhar na seiva popular e a articular o ESTADO segundo  TEORIA liberal, isto é, a conceder-lhe um número limitado de atribuições para aumentar a esfera das iniciativas e liberdades individuais)[JOAQUIM DE CARVALHO].
Mas, no começo de 1877 depois de seis anos de poder, o MINISTÉRIO regenerador de "FONTES PEREIRA DE MELO". Após um interregno conflituoso, " FONTES" é novamente chamado ao poder, o que deu, origem a uma campanha de nefasta consequências."MARIANO CARVALHO" do DIÁRIO POPULAR, "EMÍLIO NAVARRO", no "O PROGRESSO" e "JOAQUIM MARTIN DE CARVALHO" no  "O CONIMBRICENSE", publicaram artigos violentos contra o REI.    
Entretanto o republicanismo ganhava raízes e expandia-se. É no fim do reinado de DOM LUÍS I que o "PARTIDO REPUBLICANO" apareceu a público, nas comemorações de CAMÕES, aparece por uma força organizada. Da personalidade do GOVERNO e deste Monarca diz o professor JOAQUIM DE CARVALHO: "Modelo de monarcas constitucionais, servido por plêiade notabilissima de homens públicos, o seu reinado assinalou-se materialmente pelo progresso, socialmente pela paz e pelos sentimentos de convivência, politicamente pelo respeito escrupuloso e honrado das liberdades públicas, intelectualmente por uma geração notável que, por singular paradoxo, se tornou crítica e destrutiva das condições vitais que a geraram e desenvolveram".
"DOM LUÍS  I" de cognome «O POPULAR» falecia em CASCAIS a 19 de Outubro de 1889.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XV]-O REI DOM CARLOS I  ( 1 )».

sábado, 8 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XIII ]

«A PRAÇA E RUA DE DOM LUÍS I ( 1 )»
 Praça e Rua de Dom Luís I - (1900?) - Gravura da "A.EDITORA"  -  Praça de Dom Luís I ao centro a Estátua do Marquês Sá da Bandeira. Um brinde oferecido na época pela Biblioteca Social Operária aos seus assinantes do romance "COROA DE ESPINHOS" (Biblioteca Nacional Digital) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in  BND-PURL
 Praça e Rua Dom Luís I  - (19--) Foto de Paulo Guedes -  (PRAÇA DOM LUÍS I e a Estátua do Marquês "SÁ DA BANDEIRA",  uma mulher com uma criança ao colo apontando para a Estátua. Uma escultura de "GIOVANNI CINISELLI", dizem que o modelo para escultura da mulher , foi a célebre "PRETA FERNANDA")  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in  AML 

Praça e Rua Dom Luís I -  (1912-06) Foto de Joshua Benoliel  -  (A antiga "RUA VASCO DA GAMA"- hoje RUA DOM LUÍS I - pessoal da CARRIS em greve)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)    in      AML 


 Praça e Rua Dom Luís I  -  (1943-06) Foto de Eduardo Portugal  -  (Parte da Praça e Rua Dom Luís I, a demolição do resto do FORTE e casas adjacentes. Traseiras da antiga CASA DA MOEDA, no alto ao lado direito a TORRE SINEIRA DA IGREJA DAS CHAGAS) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)    in   AML 
Praça e Rua Dom Luís I - (1962) Foto de Armando Maia Serôdio  -   (A RUA DOM LUÍS I -antiga RUA VASCO DA GAMA)    in   AML 

(CONTINUAÇÃO)-RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL

«A PRAÇA E RUA DOM LUÍS I  ( 1 ) 

A «PRAÇA DOM LUÍS I» foi implantada no sítio onde existiu o "FORTE DE SÃO PAULO" - era um dos BALUARTES SEISCENTISTAS que, com outros , se acreditava ficar assegurada a defesa marítima de LISBOA - no espaço próximo desta Praça, foi também construído o "MERCADO 24 DE JULHO" (RIBEIRA NOVA).
A "PRAÇA DOM LUÍS I" será o resultado da proposta aprovada na sessão da "CÂMARA" de 10.02.1862, para ser instalada no "ATERRO DA BOAVISTA", no terreno confinante pelo Norte com a (antiga CASA DA MOEDA), e pelo Sul com o RIO TEJO 
Quatro meses após "DOM LUÍS" ter assumido o trono (14.10.1861), por morte de seu irmão "DOM PEDRO V".
A "PRAÇA DOM LUÍS I" é hoje delimitada a Norte pela "RUA DA MOEDA" e "TRAVESSA DO CARVALHO"; a Sul "AVENIDA 24 DE JULHO"a NO , (Ver mais aqui...) pela RUA DOM LUÍS , e a NE pela "RUA DA RIBEIRA NOVA", pertencia à freguesia de "SÃO PAULO", pertence hoje à freguesia da "MISERICÓRDIA".
Privilegiado foi esta REI, que teve uma dupla honra toponímica. Uma PRAÇA em vida e uma RUA depois de falecer. 
A "PRAÇA DOM LUÍS I" tem no meio do seu Jardim uma estátua de bronze, pedestal em pedra com baixos relevos em mármore de CARRARA, representa o "MARQUÊS DE SÁ DA BANDEIRA"(1795-1876) da autoria de "GIOVANNI CINISELLI" e do Arquitecto "GERMANO JOSÉ SALLES" - o monumento foi edificado através de subscrição pública - localizado nesta "PRAÇA" ( JARDIM SÁ DA BANDEIRA) tendo sido inaugurado a 31 de Julho de 1884.  O MONUMENTO que compõe a ESTÁTUA DO LIBERAL; MARQUÊS DE SÁ DA BANDEIRA. BERNARDO DE SÁ NOGUEIRA DE FIGUEIREDO. nasceu em SANTARÉM. Seguindo a carreira militar, fez a "GUERRA PENINSULAR" durante a qual ficou surdo devido a um acidente. Aderindo à causa LIBERAL, foi um  dos combatentes que se bateu no PORTO, luta em que perdeu um braço. Como o local em que tal aconteceu se chamava "ALTO DA BANDEIRA", o valoroso militar passou a ser chamado "SÁ DA BANDEIRA" sendo-lhe concedidos sucessivamente os títulos de BARÃO, VISCONDE e MARQUÊS. Como político teve acção meritória, contribuindo decisivamente para a " abolição da escravatura".
 Por EDITAL MUNICIPAL de 17.06.1947 determinou que o troço da "RUA VASCO DA GAMA" entre a "PRAÇA DOM LUÍS I e a AVENIDA PRESIDENTE WILSON (hoje AVENIDA DOM CARLOS I) passasse a designar-se "RUA DOM LUÍS I". Pertencia a 3 freguesias ;SANTOS-O-VELHO, SÃO PAULO e SANTA CATARINA, hoje pertencem a duas: freguesia da "ESTRELA" e "MISERICÓRDIA".
---//---

DOM LUÍS I nasceu em LISBOA, no PALÁCIO DAS NECESSIDADES em 31 de Outubro de 1838. Era o segundo filho de DONA MARIA II e de seu segundo marido, DOM FERNANDO II - AUGUSTO FRANCISCO ANTÓNIO DE SAXE-COBURGO-GOTHA". Casou primeiro em COBURGO, a 1 de Janeiro de 1836, e, em presença na SÉ DE LISBOA, a 9 de Abril seguinte. Nesta última data, ele tinha 19 anos de idade e ela 17 anos, constituindo, por isso, um casal muito novo.
Um ano depois em 1837, nascia o primeiro filho do casal. DOM PEDRO (que seria o REI DOM PEDRO V), recebido com manifestações de jubilo pelos súbitos, no ano seguinte, nascia DOM LUÍS e depois DOM JOÃO(1842), D. MARIA ANA (1843), D. ANTÓNIA (1845), D. FERNANDO(1846) e D. AUGUSTO (1847).  O casal teve ainda outros 4 filhos falecidos logo após o parto. D. MARIA (1840), D. LEOPOLDO (1849), D. MARIA (1851) e D. EUGÉNIO (1853). Todos eles, como era natural na época da família REAL, tinha nomes completos e muito extensos, o nosso LUÍS ficou a chamar-se: DOM LUÍS FILIPE MARIA FERNANDO PEDRO DE ALCÂNTARA ANTÓNIO MIGUEL RAFAEL GABRIEL GONZAGA XAVIER FRANCISCO DE ASSIS JOÃO AUGUSTO JÚLIO VOLFANDO SAXE-COBURGO-DE BRAGANÇA e BOURBON.


(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XIV ]«A PRAÇA E RUA DE DOM LUÍS I ( 2 )».

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XII ]

«A RUA DOM PEDRO V" ( 2 )»
 RUA DOM PEDRO V - (c. 1808)  Foto de Jushua Benoliel  - Um estabelecimento célebre na "RUA DOM PEDRO V" o "ARMAZÉM DE VIVERES"-"PAVILHÃO CHINÊS-PASTELARIA", na rua Dom Pedro V)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   AML 
 Rua Dom Pedro V - (194-)  Foto de Fernando Martins Pozal  -  ( O "ARCO DO EVARISTO" na freguesia da "MISERICÓRDIA" entre os números 126 e 128 da "RUA DOM PEDRO V") (ABRE EM TAMANHO GRANDEin  AML 
 Rua Dom Pedro V - (1969-3) Foto de João H. Cordeiro Goulart  - ( Na "RUA DOM PEDRO V" este Portão que se vê à direita fazia parte dos Jardins de DINIS BORDALO PINHEIRO ex-Director do "JORNAL DO COMÉRCIO". Este Jardim deitava para a sua residência com entrada pela "RUA DAS TAIPAS", Número 1, depois todo o edifício foi adquirido pela SANTA CASA DE LISBOA, para ali instalar o TOTOBOLA e apostas múltiplas)     in   AML  
Rua Dom Pedro V -  (2002) Foto de Andrés Lejona   -  O antigo "PAVILHÃO CHINÊS" pormenor da fachada, com um número de telefone muito baixo na época) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in   AML 

(CONTINUAÇÃO)-RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XII ]

«A RUA DOM PEDRO V ( 2 )»

"DOM PEDRO V" casou por sugestão da coroa inglesa com a princesa "DONA ESTEFÂNIA DE HOHENZOLLERN-SIGMARIGEN em 1858. «DONA ESTEFÂNIA" (Ver mais aqui...) torna-se bastante popular pela sua bondade e assistência prestada às vítimas de "CÓLERA-MORBO" (1855-57) bem como por ter iniciado a construção de um "HOSPITAL PEDIÁTRICO" , hoje com o nome de "HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA" (Ver mais aqui... ) no local da "REAL QUINTA DA BEMPOSTA" a chamada "QUINTA VELHA"( supostamente ter sido adquirida no reinado de "DOM PEDRO II" à família  da mulher de (ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA (O JUDEU), embora a RAINHA, tenha morrido sem ver o seu sonho realizado. Só no dia em que se completava 18 anos sobre o falecimento de "DONA ESTEFÂNIA" (em 17 de Julho de 1877), os novos soberanos «DOM LUÍS» e «DONA MARIA PIA», inauguraram o HOSPITAL que teve o nome da trista princesinha alemã que o desejou.
A RAINHA morre em 1859 um ano depois é conhecida a carta que o REI escrevera ao "DUQUE DA TERCEIRA", chefe do GOVERNO, a agradecer ao povo e a todos os portugueses as profundas manifestações de pesar e simpatia que recebeu a nação pelo passamento daquela bondosa senhora. Em 1861 morre o REI e o enterro que sai do palácio das NECESSIDADES para o PANTEÃO DE SÃO VICENTE DE FORA, foi uma das mais extraordinárias manifestações de pesar a que LISBOA assistiu. " Foi a primeira vez que vi ALEXANDRE HERCULANO chorar como uma criança"[BOLHÃO PATO].
Sucedeu-lhe no trono seu irmão DOM LUÍS. Os seus irmãos DON FERNANDO e DOM JOÃO morreram com a mesma doença do monarca.
DOM PEDRO V teve como professores das primeiras letras; MARIA CAROLINA MICKISCH, auxiliada pela rainha DONA MARIA II; de GREGO, FILOSOFIA, HISTÓRIA e PRINCÍPIOS DE DIREITO NATURAL. Dos mestres de "DOM PEDRO V," FRANCISCO MARTINS BASTO foi quem nos deixou, na obra "Memórias para a História de El-Rei Fidelíssimo o Senhor DOM PEDRO V", a melhor informação relativa à infância do Príncipe Real; o VISCONDE DA CARREIRA foi o seu maior amigo, FILIPE FOLQUE aquele que ele mais admirava, pela sua ciência nos domínios da Matemática, da física e da Química. 
ANTÓNIO JOSÉ VIALE, pediu  ao REI para ir à ALEMANHA na intenção de ensinar a língua portuguesa à futura RAINHA DONA ESTEFÂNIA. Episódios da sua vida foram contados pelos mestres, por políticos e escritores contemporâneos, que testemunham de forma clara a sua imaturidade  e a extraordinária aptidão do príncipe no desejo de abraçar os conhecimentos do novo mundo e das ciências. DOM PEDRO V aproveita os dois anos de regência de DOM FERNANDO, para viajar.
Vai à INGLATERRA e torna-se grande amigo do príncipe ALBERTO. Na mesma viagem encontra o CONDE DO LAVRADIO, ministro plenipotenciário de PORTUGAL junto da Corte da RAINHA VITÓRIA, "um dos portugueses mais esclarecidos da sua época e um dos poucos homens públicos com quem o REI vem a manter relações de amizade".
Depois da INGLATERRA visitou a BÉLGICA, ALEMANHA, ÁUSTRIA, etc..Em 1855 visita a FRANÇA, onde permanece como estudante durante algum tempo. Daqui segue para ITÁLIA onde é recebido pelo REI DE NÁPOLES. Duas viagens ao estrangeiro deixou-nos dois volumes - DIÁRIOS - publicados pela ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA.
DOM PEDRO V dedicou a sua vida (embora curta) ao progresso e bem estar do país. Um espírito liberal e progressista que tem de lutar contra o tradicional reaccionarismo nacional.
Em 1859, funda o "CURSO SUPERIOR DE LETRAS", mais tarde FACULDADE DE LETRAS DE LISBOA, e para o qual contribuiu com noventa e um contos de réis do seu bolso particular.
 Em 1861 cria a ESCOLA NORMAL e escreve artigos em duas revistas: a MILITAR e a CONTEMPORÂNEA.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES[ XIII ]-A PRAÇA E RUA DE DOM LUÍS I ( 1 )».  

sábado, 1 de setembro de 2018

RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XI ]

«RUA DOM PEDRO V » ( 1 )
 Rua Dom Pedro V - (1945) - Foto de Eduardo Portugal  -  ("Palacete Braacamp" antiga "Escola Francesa de Lisboa" e chegou ali a funcionar algumas décadas, a Caixa de Previdência dos Trabalhadores da CML. O Palácio foi edificado no século XIX, com fachada de cantaria e balcão central. Encontra-se no "PÁTIO DO TIJOLO", com uma entrada pelo número 15 da "RUA DOM PEDRO V") (ABRE EM TAMANHO GRANDE in    AML 
 Rua Dom Pedro V - (1945) Foto de Eduardo Portugal  -  (O "ARCO DO EVARISTO" fica na  "RUA DOM PEDRO V" na Freguesia da Misericórdia)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in  AML
 Rua Dom Pedro V - (1964-05) - Foto de Artur João Gourart  -  ("Pátio do Tijolo" com entrada pela "RUA DOM PEDRO QUINTO")  (ABRE EM TAMANHO GRANDEin   AML 
Rua Dom Pedro V - (1967) Foto de Vasco Gouveia de Figueiredo  -  (A "LITOGRAFIA DE PORTUGAL" no "PÁTIO DO TIJOLO" com ligação à "RUA DOM PEDRO V")  in  AML

(CONTINUAÇÃO)-RUAS DE LISBOA COM NOMES DE  REIS E INFANTES DE PORTUGAL [ XI ]

«A RUA DOM PEDRO V" ( 1 )»

A «RUA DOM PEDRO V» pertencia a três Freguesias; ENCARNAÇÃO, SÃO JOSÉ e SANTA CATARINA. Hoje pertence a duas freguesias, que pela REFORMA ADMINISTRATIVA DE LISBOA DE 2012, passou a pertencer às freguesias da "MISERICÓRDIA" e "SANTO ANTÓNIO".
Começa na "RUA LUÍSA TODI" (antiga Travessa da Estrela) frente do número um e termina na "PRAÇA DO PRÍNCIPE REAL" de 1859 e entre 1911 e 1919, recebeu o Topónimo de "PRAÇA DO RIO DE JANEIRO".
A "RUA DOM PEDRO V" vem substituir o nome da (antiga "RUA DO MOINHO DO VENTO". São-lhe convergentes o "PÁTIO DO TIJOLO" e a RUA DA ROSA (que atravessa o BAIRRO ALTO). Referindo-nos à antiga "RUA DO MINHO DO VENTO" lê-se na obra de NORBERTO DE ARAÚJO em PEREGRINAÇÕES EM LISBOA: "esta artéria era uma estrada de terra batida que corria entre (terras de semeadura). O sítio já tinha servido para causas patrióticas : "os ingleses de MARIA TUDOR, auxiliaram DOM ANTÓNIO PRIOR DO CRATO, quando cercaram LISBOA em 1589, tempo de FILIPE II de ESPANHA, estiveram aqui acampados".
Na época o PRESIDENTE DA CÂMARA era "ROSA ARAÚJO" que por EDITAL de 17.11.1883 atribuiu a este espaço o topónimo de "RUA DE DOM PEDRO V" (Ver mais aqui...),que tinha sido alargado em 1880 e um dos troços representava  a (antiga "ESTRADA DA COTOVIA". Um parecer da "COMISSÃO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA na reunião de 16.12.1946 e homologado pelo PRESIDENTE DA CML em 20.12.1946, foi suprimida a preposição "de" ao topónimo.
Nesta RUA ainda podemos encontrar o "CONVENTO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA" e sua CAPELA dedicada aos Santos VERÍSSIMO, MÁXIMA e JÚLIA, MÁRTIRES DE LISBOA.
Foi nesta RUA, no "PÁTIO DO TIJOLO" que existiu a "LITOGRAFIA DE PORTUGAL", fundada em 1803. Ainda junto do "PÁTIO DO TIJOLO" temos o "PALÁCIO BRAACAMP" do século XIX, foi depois a "ESCOLA FRANCESA DE LISBOA e ali funcionou também umas décadas a "CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS TRABALHADORES DA CML", hoje um HOTEL de "Charme". Segundo o "ITINERÁRIO LISBONENSE", a "RUA DOM PEDRO V", "é a continuação da PATRIARCAL QUEIMADA, vindo do lado do RATO e termina no LARGO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA". Pertencia esta freguesia em 1780 à freguesia da "PENA".

--//--
O REI "DOM PEDRO V ( 1837-1861) "O ESPERANÇOSO" de seu nome completo "PEDRO DE ALCÂNTARA MARIA FERNANDO MIGUEL RAFAEL GONZAGA XAVIER JOÃO ANTÓNIO LEOPOLDO VICTOR FRANCISCO DE ASSIS JÚLIO AMÉLIO DE SAXE-COBURGO-GOTA E BRAGANÇA. Nasceu em LISBOA no "PALÁCIO DAS NECESSIDADES a 16.09.1837 e faleceu também em LISBOA a 11 de Novembro de 1861.
Filho de "DONA MARIA II" e de "DOM FERNANDO DE SAXE-COBURGO-GOTA.Foi o 23.º DUQUE DE BRAGANÇA, 18.º DUQUE DE BARCELOS, 2.º DUQUE DE GUIMARÃES, 22.º MARQUÊS DE VILA VIÇOSA, 24.º CONDE DE OUREM, DE BARCELOS, PAIVA e VIEIRA, 26.º CONDE DE ARRAIOLOS e 21.º DE GUIMARÃES.
Em 1852 "DOM PEDRO DE ALCÂNTARA" presta juramento, sobre os SAGRADOS EVANGELHOS, do prescrito no artigo 79.º da "CARTA CONSTITUCIONAL DA MONARQUIA".
Sucede a sua mãe em 1853 e na sua menoridade o REINO é GOVERNADO por "DOM FERNANDO II" como "REGENTE" de "DOM PEDRO V.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUAS DE LISBOA COM NOMES DE REIS E INFANTES DE PORTUGAL[ XII]A RUA DOM PEDRO V( 2 )».