domingo, 19 de julho de 2009

PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [XI]

Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2008) - Foto de APS - A Praça do ROSSIO com o seu monumento a D. Pedro IV) ARQUIVO/APS
Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2009) -(Um pormenor do Monumento a D. Pedro IV no Rossio) - Foto gentilmente cedida por Rafael Santos do BLOG «DIÁRIO DO TRIPULANTE»

Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2009) -(Monumento a D. Pedro IV no ROSSIO) - Foto gentilmente cedida por Rafael Santos do BLOG «DIÁRIO DO TRIPULANTE»




Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (Depois de 1919) Foto de Paulo Guedes (Praça D. Pedro IV panorâmica) in AFML
(CONTINUAÇÃO)
PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [XI]
«ESTÁTUA A D. PEDRO IV (2)»
Uma das lendas lisboetas a que urge pôr fim (porque em nada nos honra) é a pretensa substituição da estátua, segundo a qual teríamos sido vigarizados.
De facto, há muitos anos que alguém inventou a história de que a estátua que vemos no ROSSIO não representa de facto «D. PEDRO IV», mas, sim, o Imperador «MAXIMILIANO» do México.
A escultura deste Imperador teria sido encomendada e depois rejeitada pelos mexicanos, logo que o Imperador foi destituído. Os autores tê-la-iam então impingido a Lisboa como sendo o nosso soberano, e nós, "pacóvios", comeríamos "gato por lebre".
Ora, o certo é que, para a execução do monumento. foi aberto concurso internacional com 87 projectos. Mesmo que os portugueses fossem todos parvos, custa a crer que nenhum dos outros concorrentes dessem pela marosca e não protestassem.
Mas não se fica a argumentação por aí: o jornalista e escritor «ROCHA MARTINS» provou que as feições da escultura do Rossio, as medidas, a concepção, o desenho, tudo correspondia exactamente ao projecto apresentado pelos artistas franceses que ganharam o concurso.
Entretanto, a tecnologia evoluiu e as teleobjectivas permitem hoje fotografar «D. PEDRO IV», lá no alto do pedestal e bastará comparar o resultado com o original e as gravuras da época para se concluir que é mesmo o rei-soldado quem está lá em cima.
A recente limpeza feita à estátua veio ainda demonstrar que até os botões da farda envergada pelo rei têm o escudo português.
Mas a lenda patética do «MAXIMILIANO» continua espalhada por aí, até por gente com responsabilidades... Muito gostamos nós de nos amesquinharmos...
A estátua passou a ser ladeada no ano de 1889 por dois monumentais lagos de pedra, com as figuras de ferro bronzeado, fundidas em «VAL d'OSNE», França, em substituição de dois poços que existiam no mesmo local desde o ano de 1837.
(CONTINUA) - (PRÓXIMO) - «PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [XII] - ALGUNS ESTABELECIMENTOS DO ROSSIO (1)»

Enviar um comentário