quarta-feira, 22 de julho de 2009

PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [XII]

Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2008) Foto de APS (A Sucursal do "DIÁRIO DE NOTÍCIAS" no Rossio) ARQUIVO/APS
Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (2005) Foto de APS ( "A TENDINHA" no Rossio) ARQUIVO/APS

Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (1944) Foto de Eduardo Portugal (Arco do Bandeira) in AFML


Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (200_) Fotógrafo não identificado ("HOTEL METRÓPOLE" no Rossio na actualidade) in HOTEL METRÓPOLE



Praça D. Pedro IV (ROSSIO) - (entre 1913 e 1916) - Fotógrafo não identificado (O "HOTEL METRÓPOLE" no Rossio, a escada que lhe dá acesso fica entre o "Snack-Bar PIC-NIC" e a Farmácia Azevedos) in AMFL
(CONTINUAÇÃO)
PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [XII]
«ALGUNS ESTABELECIMENTOS DO ROSSIO (1)»
Hoje como ontem, o «ROSSIO» continua a ser a PRAÇA nobre por excelência. Para isso tem contribuído todo o seu comércio envolvente, dinâmico e renovador.
Com esta nossa apresentação do local do «ROSSIO», destacaremos de certo modo e de maneira aleatória, alguns nomes de estabelecimentos mais conhecidos em épocas diferentes.
Vamos começar pelo lado Sul do «ROSSIO».
Instalada nos números 1, 2 e 3 a «LOJA DAS MEIAS» (fundada em 1904, antes teria sido um talho, uma loja de fazendas de «JOAQUIM ANTÓNIO VIEIRA»). Finalizou os seus dias neste lugar com a "aparência da década de 60", embora o arquitecto «RAUL LINO» nos anos 30 lhe tivesse introduzido uma fachada «DECO». Actualmente está instalada num Centro Comercial de Lisboa.
Nos números 4 e 5 existiu um pronto a vestir, era a «CASA FONSECA» que ali permaneceu até 1986.
«A TENDINHA» instalada no número 6 fundada em 1840, é das mais antigas casas do «ROSSIO» e está ligada a uma certa tradição boémica, fornece à muito tempo a tradicional ginginha (com e sem elas). Ainda «JOSÉ GALHARDO» se inspirou nesta casa para lhe dedicar o fado « A TENDINHA» - Junto ao ARCO DO BANDEIRA/ Há uma loja, A TENDINHA/ De aspecto rasca e banal;/Na história da bebedeira/Aquela casa velhinha/ É um padrão imortal!/ Velha Taberna/ Nesta LISBOA moderna,/ És a tasca humilde eterna,/ Que mantém a tradição;/ Velha TENDINHA,/ És o tempo da pinguinha/ Dos dois brancos, de ginjinha/ Da boémia e do pifão.
Ainda no dizer do mestre «NORBERTO DE ARAÚJO» nas suas «PEREGRINAÇÕES EM LISBOA» Foi neste Botequim que «MALHOA» descobriu o «AMÂNCIO» fadista, ladrilhador de ofício, o modelo do seu célebre quadro «O FADO» (1).
Esta casa é contemporânea aos «MARIALVAS», do «BOCAGE» e ao primeiro «NICOLA».
Logo a seguir ao «ARCO DO BANDEIRA» antes da esquina com a «RUA DO OURO», nos números 7, 8 e 9 existiu desde 1926 a «OURIVESARIA FERREIRA MARQUES & FILHO» fechada nos anos 90 do século passado, ali existiu ainda em 1910 uma loja de fazendas.
A «SUCURSAL DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS» tem o número de polícia 10, 11 e 12, inaugurada em 1938, nos anos de (1860 a 1937) tinha sido uma camisaria.
Passamos agora para o quarteirão Sul da Praça junto à «RUA ÁUREA (Vulgo OURO)».
No número 13 existe uma tabacaria desde 1931. Vamos deixar alguns números para trás e passamos para o número 21, onde encontramos a «TABACARIA MÓNACO», fundada nos anos 70 do século XIX, célebre pelas suas tradições literárias e artísticas, em 1893 foram~lhe colocados os azulejos de «RAFAEL BORDALO».
Com os números 24 e 25 temos o «NICOLA» café inaugurado em 2 de Outubro de 1929, situa-se no local onde até 1837, existiu o antigo «NICOLA», que «BOCAGE» frequentou.
Onde encontramos o «SNACK-BAR PIC NIC» existiu entre 1790-1850 o célebre «BOTEQUIM DO PARRAS» de «JOSÉ PEDRO DA SILVA», antigo empregado do «NICOLA». Ainda nos números 27 a 29 funcionou a «TABACARIA GUSMÃO» e no ano de 1916 ali nasceu a «LEITARIA LUSO-CENTRAL» famosa pelas cabeças de vacas esculpidas na sua cantaria.
No número 30 ainda funciona o «HOTEL METRÓPOLE» desde 1928, com vista privilegiada sobre o «ROSSIO», «CASTELO DE SÃO JORGE» e possui 36 quartos.
O prédio onde está instalado este hotel era pertença da «IRMANDADE DE S. BARTOLOMEU DOS ALEMÃES» que, em 1914 lhe alteraram lamentavelmente a sua linha arquitectónica, deixando de seguir a linha pombalina. Nesta local ainda esteve, também, uma «SOCIEDADE HOTELEIRA ALEMû.
(1) - «PEREGRINAÇÕES EM LISBOA» - Volume XII página 75
(CONTINUA) - (PRÓXIMO) - «PRAÇA D. PEDRO IV (ROSSIO) [XIII] - ALGUNS ESTABELECIMENTOS DO ROSSIO (2)»

2 comentários:

Luisa Moreira disse...

Explicação detalhada, foi uma autêntica visita guiada. Obrigada por isso.

APS disse...

É um prazer passar por "cicerone".
Não tem que agradecer.
cumpts.
APS