sábado, 7 de julho de 2018

RUA SÃO JOÃO DA MATA [ II ]

«A RUA SÃO JOÃO DA MATA, HABITAÇÃO DE MINISTROS, MAGISTRADOS E DEPUTADOS ( 2 )»
 Rua S. João da Mata - (Século XX?) de BARRAGON  - Um aspecto de "RUA SÃO JOÃO DA MATA vista do seu final)    in     MAPIO
 Rua São João da Mata -  (Século XX)  Foto de autor não identificado )  (Um troço sa "RUA SÃO JOÃO DA MATA" para Norte)  in   MAPIO
 Rua São João da Mata - (1860) - Foto de Joaquim Pedro de Sousa  -  ("João Sousa Pinto de Magalhães" retratos de Portugueses do século XIX)     in    WIKIPÉDIA
Rua São João da Mata  -  (entre 1898 e 1908)  Machado & Sousa   -  ((Edifício com platibanda e águas-furtadas, na "RUA SÃO JOÃO DA MATA)  (ABRE EM TAMANHO GRANDEin   AML 

(CONTINUAÇÃO) - RUA SÃO JOÃO DA MATA [ II ]

«A RUA SÃO JOÃO DA MATA HABITAÇÃO DE MINISTROS, MAGISTRADOS E DEPUTADOS ( 2 )»

E para complementar o edifício da "RUA SÃO JOÃO DA MATA" resta acrescentar que no piso térreo rasgam-se quatro portas, certamente na origem iguais duas a duas e alternadas, numa das portas abre-se agora para uma minúscula PADARIA  timidamente de "ART DECO".  Os restantes três pisos são ritmados por uma sucessão de quatro varandas de sacada, com gradeamento de ferro forjado muito trabalhado, sendo o gradeamento do último piso, corrido e comum a todas as janelas. O andar nobre apresenta contudo uma cantaria mais elaborada. Este imóvel encontra-se em vias de classificação para interesse MUNICIPAL.
«JOÃO DE SOUSA PINTO DE MAGALHÃES» (1790-1865) nasceu no PORTO a 8 de Janeiro de 1790, filho de Advogado JOÃO DE SANT'ANA NEVES DE SOUSA e de MARIA BENEDITA DE MAGALHÃES, Cedo porem "JOÃO S. PINTO DE MAGALHÃES", estudou humanidades e se habilitou a entrada na UNIVERSIDADE DE COIMBRA, onde sempre foi admirado pelas suas capacidades intelectuais. No ano de 1816 com 26 anos tornou-se "bacharel em Leis" devido à grande agitação política que então se fazia sentir no meio estudantil.
Tendo sido estudante de CIÊNCIAS POLÍTICAS foi um dos primeiros a dedicar-se igualmente ao estudo de ANTIGUIDADE CLÁSSICA e das CIÊNCIAS NATURAIS.
A partir de 3 de Setembro de 1817, em LISBOA, fez leitura no Desembargo do PAÇO como era indispensável para exercer o cargo de magistrado.Por nomeação, a 4 de Dezembro de 1818 veio do facto a ser colocado como JUIZ NO TRIBUNAL DO CRIME no "BAIRRO DO MOCAMBO", situado na "RUA DOS REMÉDIOS À LAPA, número 55.
Este lugar era muito ambicionado pelos juízes da época, porque abria as portas para uma carreira prestigiada na magistratura. 
No decorrer do ano de 1833, após reintegração na função pública, veio a exercer o cargo de INSPECTOR DOS CORREIOS E POSTAS DO REINO, sendo nomeado em 1835 para MINISTRO DO REINO e, posteriormente para a PASTA DA JUSTIÇA, que assumiu durante a vigência do MINISTÉRIO DE SALDANHA. Em Abril de 1848 "pertenceu à comissão encarregada de estudar os maios de emancipar os escravos".
Em Outubro de 1849 participou na COMISSÃO DE REFORMA DE REPARTIÇÃO DOS ESTRANGEIROS.
Em 1851 integrou a COMISSÃO ENCARREGADA de tratar com o NÚNCIO as reduções dos CONVENTOS de freiras e a conversão dos bens das CASAS RELIGIOSAS.
Desde 1853 exerceu funções de Concelheiro no "TRIBUNAL DE CONTAS" tendo ascendido em 1858 a CONSELHEIRO DE ESTADO EFECTIVO,  cargo para a qual havia sido nomeado em Agosto de 1845 como extraordinário. A 10 de Maio de 1861 o REI elevou por Decreto ao PATRIATO mercê que recusou, embora tivesse explicado a D. PEDRO V as razões da recusa. Pelas suas qualidades, JOÃO SOUSA PINTO DE MAGALHÃES viu-se agraciado ainda com a ORDEM DE CRISTO e com a ORDEM PONTÍFICE DE SÃO GREGÓRIO.
Na sua casa em LISBOA, desenvolveu-se uma intensa actividade "LITERÁRIA" e " CULTURAL", sendo conhecidas essas sessões por nelas participarem entre outros, "O CARDEAL SARAIVA". "PINTO DE MAGALHÃES" é autor de vários trabalhos dos quais apenas estão publicados a "NECROLOGIA DO PROF. DE MÚSICA CANONGIA". a nota no "FASTO DE OVÍDIO", integrada numa tradução de  FELICIANO DE CASTILHO.
Dos Trabalhos inéditos por "PINTO DE MAGALHÃES" à "ACADEMIA DAS CIÊNCIAS", contam-se "ANOTAÇÕES AO DICIONÁRIO DE MORAIS", "MEMÓRIAS SOBRE A LÍNGUA PORTUGUESA" e "GRAMÁTICA FILOSÓFICA DA LÍNGUA PORTUGUESA".
Faleceu em LISBOA a 1 de Maio de 1865 com setenta e cinco anos de idade. Foram vários os jornais que destacaram a sua morte, tendo demonstrado pela figura de "JOÃO DE SOUSA PINTO DE MAGALHÃES" o maior respeito e apreço. [ FINAL ]

BIBLIOGRAFIA

- A CIDADE E OS POLÍTICOS - LISBOA 1821 - Direcção de Zília Osório de Castro- Ed. Liv. Horizonte - 1986 - LISBOA.
- DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE LISBOA - Dirc. de Francisco Santana e Eduardo Sucena - 1994 - LISBOA.
- DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO LUSO-BRASILEIRO em dois Volumes-LELLO UNIVERSAL II Vol. - Ed. LELLO & IRMÃO -  1976 - PORTO.
- DICIONÁRIO HISTÓRICO DE PORTUGAL ILUSTRADO - de HERLÃNDER ALVES MACHADO - GRAÇA MARIA FRANÇA . Ed. FORMAR - 2 VOL. - 1982 - LISBOA.

INTERNET

- CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA
- WIKIPÉDIA -

(PRÓXIMO)-«RUA DO GUARDA-MOR»[ I ] - UMA ARTÉRIA SEISCENTISTAS»
Enviar um comentário