sábado, 20 de julho de 2013

RUA DO AÇÚCAR [ XXII ]

 Rua do Açúcar - (2010) Foto de Barragon ("Igreja e Convento de Marvila", na "Rua Direita de Marvila" e antiga "Quinta de Marvila") in SKYSCRAPERCITY
 Rua do Açúcar - (1833) (Desenho de Gonzaga Pereira) (O "Convento de Marvila" desenho inserto in "Monumentos Sacros de Lisboa" em 1833. Podemos notar a arcada que inicialmente fechava o pátio de entrada, dando acesso directo ao claustro) in CAMINHO DO ORIENTE
 Rua do Açúcar - (1998) Foto de António Sacchetti (O Pórtico da Igreja do "Mosteiro de Marvila" datado de 1725 é atribuído a "João Vicente dos Santos", pai da Ordem religiosa) in CAMINHO DO ORIENTE
 Rua do Açúcar - (depois de 1666) Foto de Antº Sacchetti (A Pedra de Armas do arcebispo "Fernão Cabral", um dos patronos do "Mosteiro de Marvila", colocada no exterior da porta lateral do Mosteiro ) in CAMINHO DO ORIENTE
 Rua do Açúcar - (1998) Foto de Antº Sacchetti (Aspecto do claustro do Convento de Marvila, construção dos últimos anos do século XVII e início do seguinte) in CAMINHO DO ORIENTE
 Rua do Açúcar - (1998) Foto de Antº. Sacchetti (Coroamento com frontão de um dos corpos simétricos que fecham o pátio do "Mosteiro de Marvila", com decoração de azulejos) in CAMINHO DO ORIENTE
Rua do Açúcar - (1998) Foto de Antº Sacchetti (Um pormenor da decoração em talha e painel de azulejo, na "Igreja do Mosteiro de Marvila", salientando o púlpito no corpo do templo) in CAMINHO DO ORIENTE

(CONTINUAÇÃO) - RUA DO AÇÚCAR [ XXII ]

«O CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE MARVILA ( 1 )»

Este Convento foi erguido numa parcela do terreno foreiro ao Morgado do "ESPORÃO", correspondendo à extremidade nascente da grande «QUINTA DE MARVILA», dos CONDES de "FIGUEIRÓ", assim era designada no século XVI, por a "CABEÇA". Vendida por "PAULO DE TOVAR" ao cónego "MANUEL PIMENTEL" em 1611 ( 1 ), foi herdada por a família "TINOCO" em (1623). Foi adquirida mais tarde por "SANCHO DE FARIA E SILVA" a que deram o nome de "QUINTA DO SANCHO DE FARIA AO POÇO DO BISPO" ( 2 ).
Em 1648 comprava em haste-pública esta QUINTA, o Arcediago "FERNÃO CABRAL" que, por sua vez, a doou para a construção do CONVENTO.
Existe na zona de LISBOA dois antigos CONVENTOS DE FREIRAS, um na zona OCIDENTAL e outro nesta zona ORIENTAL, dedicados ao mesmo orago «NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO». O primeiro é o "CONVENTO DE Nª. SENHORA DA CONCEIÇÃO DOS CARDAIS" na "RUA DO SÉCULO" (ver mais aqui), o outro é este de MARVILA, das «FREIRAS DE SANTA BRÍGIDA" ou "BRÍGIDAS".
Esta Ordem tem história acidentada, que retrata as atribulações por que a EUROPA passou com os desentendimentos religiosos do século XVI.
"SANTA BRÍGIDA" era sueca e instituiu uma ordem nas friezas da sua pátria. 
"HENRIQUE V" de Inglaterra tomou de afecto as freiras escandinavas, fundando-lhes um Convento. Foi a "CASA DO MONTE SION".
Mais tarde, os distúrbios de "HENRIQUE VIII" levaram à expulsão das freiras, andando desde então as pobres em bolandas. Foram para a "FLANDRES", de onde fugiram à frente das tropas heréticas de "GUILHERME DE ORANGE". Seguiram para "ROUEN", onde as atingiram as fúrias dos huguenotes. Finalmente, em desespero de causa, meteram-se num barco com destino à Península Ibérica.
Reparem os termos como se descreve a viagem que as trouxe até LISBOA. Escreve o autor: "Como o seu desígnio se dirigia a ESPANHA, forcejou muito a sua embarcação por tomar nela algum porto: porém como DEUS NOSSO SENHOR as tinha destinado para PORTUGAL, a fúria dos temporais e o medo de outro qualquer encontro, as meteu como por força, na BARRA DE LISBOA"(...).
Estes acontecimentos passaram-se em 1594, sendo as errantes religiosas recebidas em LISBOA com júbilo de quem ganha uma batalha. Foi-lhes dada casa ao antigo MOCAMBO, onde fundaram o seu mosteiro em LISBOA conhecido por "CONVENTO DO QUELHAS", ou das "INGLESINHAS". Aí professou "D. LEONOR DE MENDANHA", rica herdeira, que se escondeu sob o nome de Madre BRÍGIDA DE SANTO ANTÓNIO. Em 1655, a reverenda MADRE conseguiu os seus intentos de fundar nova casa. Não o fez sem reticências de "D. JOÃO IV", que julgava que LISBOA já tinha CONVENTOS a mais. Mas a MADRE teimou na sua e, a meias com o arcediago "FERNÃO CABRAL", dono de uma Quinta em Marvila, que se prestou oferecer para os pios propósitos,  lá conseguiram arrancar ao rei a tão pretendida autorização, com o alto patrocínio da rainha "D. LUÍSA DE GUSMÃO".
Assim, nascia o «CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE MARVILA», dedicado, certamente para agradar ao rei indeciso, à recentemente declarada "PADROEIRA DO REINO".
Não foi fácil de início a vida do Convento. O dinheiro era pouco e as obras arrastavam-se... O arcediago "FERNÃO CABRAL" ainda viu erguida a nova Igreja, completada com a dádiva de "D. ISABEL HENRIQUES", ainda lembrada em lápide na parede lateral da capela-mor.
É no período entre 1660 e 1690, do chamado barroco de sensibilidade portuguesa, que se ergue e decora este Mosteiro. Alguns pormenores são posteriores, como os azulejos, mas o essencial desta casa religiosa estava então construída. Este facto concede a esta igreja a indispensável importância de ser um exemplar completo de um gosto específico, perfeito de harmonia dos diversos elementos, seja arquitectónicos, seja decorativos.

( 1 ) - DELGADO, RALPH - O Mosteiro de Marvila, in Olisipo - Nº110, p.113-1965-LISBOA

( 2 ) - Instituto de Arquivos Nacionais/Torre do Tombo-Registos Paroquiais, Nª Srª. dos Olivais, Baptismos, Cx. I, Lº. 4, fl. 6.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA DO AÇÚCAR [ XXIII ] O CONVENTO DE Nª. Srª. DA CONCEIÇÃO DE MARVILA ( 2 )»

Enviar um comentário