sábado, 12 de março de 2016

RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS - 3.ª SÉRIE [ XV ]

«RUA EDUARDO SCHWALBACH ( 2 )»
Rua Eduardo Schwalbach - (2015) - (A "RUA EDUARDO SCHWALBACH" no BAIRRO DE SANTA CRUZ, na freguesia de "BENFICA") in GOOGLE EARTH  
 Rua Eduardo Schwalbach - (1925) Desenho de AMARELHE - (Uma caricatura de "EDUARDO Schwalbach vista por AMARELHE)  in  HISTÓRIA DO TEATRO DE REVISTA EM PORTUGAL
 Rua Eduardo Schwalbach - (2015) -(A "RUA EDUARDO SCHWALBACH" ao fundo a "RUA DA CASQUILHA")  in   GOOGLE EARTH
 Rua Eduardo Schwalbach - (2015) - (A Rua Eduardo Schwalbach no sentido poente, à sua esquerda a Rua Alberto Pimenta, também um grande Jornalista)  in   GOOGLE EARTH
 Rua Eduardo Schwalbach - (1944) - (O livro "À LAREIRA DO PASSADO"-memórias de Eduardo Schwalback, primeira edição)  in  LIVROS ANTIGOS 
Rua Eduardo Schwalback - (1897) Desenho de Rafael Bordalo Pinheiro (Revista "O REINO DA BÔLHA" de Eduardo Schwalbach, com música de F. Gazul e Del Negro, estreado no Teatro Condes) in HISTÓRIA DO TEATRO DE REVISTA EM PORTUGAL


(CONTINUAÇÃO)-RUAS COM NOMES DE JORNALISTAS - 3.ª SÉRIE [ XV ]

«A RUA EDUARDO SCHWALBACH ( 2 )»

O Teatro foi sempre uma constante na sua vida. Depois de estrear, ano após ano, seis revistas entre 1896 e 1901, que lhe garantiram o direito de sucessão ao "trono" até então ocupado por "SOUSA BASTOS", "EDUARDO SCHWALBACH regressou em 1910 com a "SÁTIRA ARREVISTADA" - ou revista satírica - "A FEIRA DO DIABO", estreada no "TEATRO D. AMÉLIA", alguns meses antes da implantação da REPÚBLICA. Este "TEATRO D. AMÉLIA" depois de 1910 passou a chamar-se " TEATRO DA REPÚBLICA" e em 1921 foi-lhe dado o nome de "TEATRO SÃO LUÍS", em homenagem ao seu antigo empresário, o VISCONDE DE SÃO LUÍS DE BRAGA.
Um dos seus grandes êxitos foi "O ÍNTIMO", levado à cena no TEATRO D. MARIA II.
A peça mais conhecida será, no entanto "A BISBILHOTEIRA". 
Só para um apontamento algumas obras deste autor: (1914) - "TANGO CORDEL" texto de sua autoria, musica de ALVES COELHO (Pai), estreado no TEATRO REPÚBLICA; (1915) - "O DIA DE JUÍZO" com música de DEL NEGRO e ALVES COELHO (Pai), estreado no TEATRO TRINDADE;  (1916) - "CASTELOS NO AR" uma parceria com A.DE PAIVA, música de DEL NEGRO e ALVES COELHO (Pai), estreado no TEATRO TRINDADE; a 31.05.1917, "O OVO DE COLOMBO", música de DEL NEGRO e ALVES COELHO (Pai), estreado no TEATRO TRINDADE;  (1918) - "AO DEUS DARÁ" com igual elenco e lugar de estreia.  Em (1919) - "AUTO DA BARRICA" com música de DEL NEGRO e ALVES COELHO (Pai), estreado no TEATRO DA REPÚBLICA. No termo de grande labor, veio a despedir-se com "AS DUAS MÁSCARAS". Pelo meio, ficaram peças infantis, dramas, operetas e revistas.
Era quase lendária a sua sensibilidade. A demonstrá-lo está a história da admissão da actriz «MARIA MATOS» (que as novas gerações conhecem do filme "O COSTA DO CASTELO") no CONSERVATÓRIO.
A candidata chegara tímida, nervosa e, consequentemente, esquecida. No Júri de admissão estavam SCHWALBACH e D. JOÃO DA CÂMARA. Convidaram-na a que dissesse uns versos. "MARIA MATOS" não se lembrava. Que recitasse um trecho em prosa. Não sabia... O júri pediu-lhe que, pelo menos, rezasse uma AVÉ MARIA.  A jovem rezou. Com tal sentido o fez que os dois examinadores aprovaram por unanimidade...  
O humor era outra das suas facetas. Assim, de outra ocasião foi abordado, como sucedia frequentemente, por um colega com pretensões a literato, que não largava SCHWALBACH com perguntas insistentes sobre todos os assuntos.
O pertinaz perguntador queria, nessa nova incursão, saber que obra tinha o mestre em preparação. O Escritor-Jornalista respondeu candidamente: "obras em preparação? Tenho, realmente. Tenho um fato a fazer no alfaiate e já deve estar em prova".
Conta-se também que SCHWALBACH foi consultar um médico, daqueles que marcam determinada hora para o atendimento e entram no consultório horas depois.
Pontual, o Jornalista chegou no tempo exacto. Esperou, leu, conversou para o lado. O médico chegara entretanto, mas nunca mais o chamava, Ás tantas, o doente (mas não paciente) levantou-se e dirigiu-se à empregada, avisando-a: "Diga ao senhor Doutor que se não me atender dentro de um quarto de hora, passo a considerar-me irremediavelmente curado".

Escreveu "EDUARDO SCHWALBACH", nos seus últimos anos, um livro de memórias «Á LAREIRA DO PASSADO», que é um verdadeiro tesouro de factos e histórias passadas com enumeras personalidades da sua época, que com ele se foram cruzando ao longo de uma vida de 86 anos: JÚLIO CÉSAR MACHADO, BULHÃO PATO, GERVÁSIO LOBATO, RAFAEL BORDALO, JOSÉ LUCIANO DE CASTRO, El-REI D. CARLOS, JOÃO FRANCO, HINTZE RIBEIRO, ARRIAGA, AFONSO COSTA, ANTÓNIO JOSÉ DE ALMEIDA e outros.
[ FINAL ]

BIBLIOGRAFIA

- ACTAS DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA DE LISBOA - 1943-1974-CML - 2000 - LISBOA.
- "ALFACINHAS" OS LISBOETAS DO PASSADO E DO PRESENTE-Plano de Ilustração de "ALBERTO SOUSA"-Edição de FERNANDO SOUSA - 1964 - LISBOA.
- CARVALHO, Jorge Rua de, - e MÁRIO DIAS (Ilustrador)- LISBOA SAUDADE - Pregões e Figuras Típicas de Lisboa (anos 20-40) - ED. Universidade Editora - 1999 - LISBOA.
- DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE LISBOA - Direcção de Francisco Santana e Eduardo Sucena - 1994 - LISBOA.
- HISTÓRIA DA LITERATURA PORTUGUESA - A. J. SARAIVA e OSCAR LOPES - Porto Editora - 17.ª Ed. - 1996 - PORTO.
- "HISTÓRIA DO TEATRO DE REVISTA EM PORTUGAL" de Luiz Francisco Rebello- 1.º e 2.º Volumes - Ed. DOM QUIXOTE - 1984-1985 - LISBOA.
- OLHAR DE PEDRA - ESTÁTUAS PORTUGUESAS - Global Notícias - 2004 - LISBOA.
- PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CHELAS - CML - Gabinete Técnico da Habitação - Agosto de 1965 - LISBOA.

INTERNET

- WIKIPÉDIA
- CASAL DAS LETRAS


(PRÓXIMO)-«RUA SÃO JOÃO DA PRAÇA [ I ] -A RUA DE S. JOÃO DA PRAÇA E SEU ENQUADRAMENTO».
Enviar um comentário