sábado, 23 de setembro de 2017

RUA TOMÁS ALCAIDE [ IV ]

«DEIXA ITÁLIA, COM A DEFLAGRAÇÃO DA II GUERRA MUNDIAL»
 Rua Tomás Alcaide - (2008) BARRAGON  -  ("BAIRRO DAS AMENDOEIRAS" na Malha "I" de CHELAS, na freguesia de MARVILA)  in   SKYSCRAPERCITY
 Rua Tomás Alcaide  -  2004 - Foto de Ambroise Tézenas  -  (Aspecto do "TEATRO ALLA SCALA" de MILÃO, onde vários anos actuou o tenor lírico "TOMÁS ALCAIDE")  in  INFOESCOLA
 Rua Tomás Alcaide  -  (1932)  -  (Representação de "TOMÁS ALCAIDE" no "TEATRO ALLA SCALA" de MILÃO, na ópera "KÖNIGSKINDER")   in   AI QUERIAM ÓPERA
 Rua Tomás Alcaide - (29 de Agosto de 1941)  -  (Casamento de "TOMÁS ALCAIDE" com sua segunda esposa "ASTA.ROSE JORDAN", em JOINVILLE  no  BRASIL)   in   TOMÁS ALCAIDE
 Rua Tomás Alcaide  -  (1951)  - (TOMÁS ALCAIDE na opereta "AS TRÊS VALSAS" de ÓSCAR STRAUSS, no inaugurado TEATRO MONUMENTAL, ao lado da actriz "LAURA ALVES")  in  TOMÁS ALCAIDE
 Rua Tomás Alcaide  -  (1936)  -  (Apresentação do filme «BOCAGE» uma realização de LEITÃO DE BARROS, onde "TOMÁS ALCAIDE" dá a sua colaboração com uma canção de sucesso na época)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)   in   CINEMA PORTUGUÊS
Rua Tomás Alcaide - ( 1936 )  -  (Cena do filme "BOCAGE" de LEITÃO DE BARROS, "TOMÁS ALCAIDE" canta "O AMOR É CEGO E VÊ" rodado em QUELUZ.  Ouvir aqui a canção.... )  in    CINEMA PORTUGÊS

(CONTINUAÇÃO)-RUA TOMÁS ALCAIDE [ IV ]

«DEIXA ITÁLIA, COM A DEFLAGRAÇÃO DA II GUERRA MUNDIA

Voltou em 1931 ao "TEATRO ALLA SCALA" de MILÃO, e em Janeiro estreou-se na "ÓPERA DE PARIS" ( a sua única apresentação nesse teatro com RIGOLETTO e em substituição de BENIAMINO GIGLI) e no verão no "FESTEVIAL DE SALZBURGO" e na "ÓPERA DO ESTADO DE VIENA", juntamente com um grupo de cantores ligados ao "TEATRO ALLA SCALA".
"TOMÁS ALCAIDE" a partir de 1932 andou pelos TEATROS do SUL DE FRANÇA, no "GRANDE THÉÂTRE DE BORDÉUS", ou o "THÉÂTRE DU GRANDE CASINO DE VICHY", actuando também nos TEATROS BELGAS e no Norte de FRANÇA.
No ano de 1934 em Outubro "TOMÁS ALCAIDE" foi condecorado pelo Governo Português com a ORDEM MILITAR DE CRISTO e a ORDEM MILITAR DE SANTIAGO DA ESPADA.
No ano de 1936 é realizada uma longa-metragem de ficção portuguesa com o título «BOCAGE», dirigida por "LEITÃO DE BARROS", onde o tenor "TOMÁS ALCAIDE" tem uma participação musical cantando: «O AMOR É CEGO E VÊ». O filme teve a sua estreia no CINEMA S. LUÍS no dia 1 de Dezembro do mesmo ano.
"TOMÁS ALCAIDE" regressa a ITÁLIA onde é informado de que, para cantar naquele país, terá de se naturalizar-se italiano. Recusa-se a renegar a identidade portuguesa e transfere-se para FRANÇA, onde prossegue uma carreira invejável.
Entretanto, deflagra a II GUERRA MUNDIAL e vê interrompida a sua carreira. Embarca para o BRASIL, onde conhece a sua segunda mulher "ASTA ROSE" com quem viria a casar a 29 de Agosto de 1941, ano também do falecimento de seu pai "ROBERTO MARIA ALCAIDE". Esta segunda esposa vai ser sua companheira até ao fim da vida.
Parte em digressão pela "AMÉRICA DO SUL", onde permanece até 1942, actuando no "TEATRO CÓLON" em BUENOS AIRES, que o recebe de braços abertos, assim como a "ÓPERA DO RIO DE JANEIRO" e o "TEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO" no BRASIL.
A situação criada pela guerra, e problemas de saúde, levaram-no a não cantar durante dois anos, entre 1943 e 1945.  Embora em 1943 seja submetido a uma intervenção cirúrgica a uma hérnia diafragmática, surgindo depois várias complicações. Em Fevereiro de 1944 é novamente operado. desta vez a uma hérnia inguinal.  No ano de 1945 começa a frequentar um curso de pintura na ESCOLA DE BELAS ARTES, que lhe valerá a completar mais tarde, a sua actividade de encenador.
Quando retomou a actividade profissional, a carreira de "TOMÁS ALCAIDE" não voltaria a ser a mesma; para além de algumas récitas em PORTUGAL, cantaria nos Teatros Belgas em 1946/47 e no BRASIL, onde no início de 1948, actuaria pela última vez como cantor de Ópera Internacional.

De regresso a LISBOA em 1949, não conseguiu encontrar ocupação profissional como cantor lírico, assumindo um lugar de Assistente de programas de 2.ª classe na EMISSORA NACIONAL, entre 1951 e 1955 data em que se retirou, actuou pontualmente nos Teatros Portugueses, cantando operetas. É convidado em 1951 para integrar o elenco da opereta "AS TRÊS VALSAS" de ÓSCAR STRAUSS, aquando  da inauguração do "TEATRO MONUMENTAL (1951-1982), ao lado da actriz "LAURA ALVEZ" e os actores "JOÃO VILLARET" e "EUGÉNIO SALVADOR", entre outros.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA TOMÁS ALCAIDE [ V ]-EM PORTUGAL PARA REPRESENTAR E ENCENAR "ÓPERAS"».
Enviar um comentário