quarta-feira, 25 de abril de 2018

RUA DO ALECRIM-QUINTE-FARROBO [ IV ]

«PALÁCIO DOS BARÕES DE QUINTELA ( 4 )»
 Rua do Alecrim-Quintela-Farrobo- (1933) (Fotógrafo não identificado, Arquivo do jornal "O SÉCULO")  -  (O "PALÁCIO DOS BARÕES DE QUINTELA e CONDE DE FARROBO" na Rua do Alecrim 56-72)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE in  LISBOA DO ANTIGAMENTE
 Rua do Alecrim-Quintela-Farrobo-(Foto possivelmente do século XX)  -  (Fachada do Palácio do Barão de Quintela e 1.º Conde de Farrobo na Rua do Alecrim)  in  DIRECÇÃO-GERAL DO PATRIMÓNIO CULTURAL
 Rua do Alecrim-Quintela-Farrobo- (ant. a 1893) Foto de Francisco Rocchini  -  (Fachada principal do "PALÁCIO DOS BARÕES DE QUINTELA" )   in      AML
Rua do Alecrim-Quinte-Farrobo- (entre 1955-1970) Foto de Artur Pastor  (O Palácio dos Barões de Quintela, visto do Largo Barão Quintela)  (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in   AML 


(CONTINUAÇÃO)-RUA DO ALECRIM-QUINTELA-FARROBO [ IV ]

«O PALÁCIO DOS BARÕES DE QUINTELA ( 4 )»

Ainda da fachada principal do "PALÁCIO QUINTELA", temos no pano central ligeiramente avançado, rasgam-se no primeiro registo, ladeando o portal principal, duas janelas de moldura, inscrita de perfil abatido, com marcação da pedra de fecho por mísula simples.
O portal de perfil em volta-perfeita, estendendo-se à altura do segundo registo, insere-se em pano de muro, de definição rectangular, forrado a cantoria de junta esquadriada, onde se adossam pilastras de fuste liso, cujos capitéis se confundem com a definição das mísulas, nestas apoia-se a varanda de vão de sacada que sobrepuja o portal; ao centro marca-se o fecho do arco com mísula adornada por sulcos verticalizantes, prolongando-se até ao mascarão de suporte da varanda superior.
No segundo registo rasgam-se, ladeando o portal, duas janelas de peito de moldura e perfil recto simples, inscrita em moldura de perfil recto recortado. 
O terceiro registo, corresponde ao andar nobre, conta com três janelas de sacada, abrindo para a varanda corrida de molduração recta nos extremos e ondulada ao centro, servida por guarda de ferro forjado, assente em mísula, decoradas por sulcos paralelos que, se prolongam para o andar inferior. Ainda sobre o terceiro registo, desenvolve-se um piso em ático - que se prolonga por todos os panos da fachada e fachada laterais - revestido a cantaria, e enquadrado superior e inferiormente por cornija, onde se rasgam pequenas janelas com moldura de perfil recto. Coroando o pano central, dispõe-se frontão triangular, ladeado por acrotérios onde assentam fogaréus, emoldurado por friso de cantaria no centro do qual se rasga um óculo.

O Palácio é um exemplar de arquitectura pombalina caracterizado por um ecletismo de matriz "neo-barroca"; "neo-clássica" e "pré-romantismo", de planta rectangular simples, com dois pequenos pátios inferiores do mesmo formato, a que se adossa um corpo também rectangular correspondente às antigas cocheiras, possuindo um pórtico de acesso no Jardim murado.

Mas voltemos ao palacete em 1807, quando ali se hospedou o general "JUNOT", o Comandante da "primeira invasão francesa".  E, como foi senhor todo-poderoso até ser expulso, outro remédio não haveria se não dar-lhe pousada.
Os "QUINTELAS", proprietários da casa, andariam por outras paragens, já que se sabe que, depois da revolução de 1820, ali estabeleceu quartel-general o General "CABREIRA". E em 1833 a casa foi alugada ao CÔNSUL DE FRANÇA "LESSEPS" de seu apelido, tio de "FERDINAND DE LESSEPS", que viria a ser o construtor do CANAL DO SUEZ e que ali trabalhou também em funções de adido.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«RUA DO ALECRIM-QUINTELA-FARROBO[ V ]O PALÁCIO DOS BARÕES DE QUINTELA( 5 )».                                  

Enviar um comentário