sábado, 2 de junho de 2018

CALÇADA MARQUÊS DE TANCOS [ VII ]

«O MERCADO DO CHÃO DE LOUREIRO E ESTACIONAMENTO DA "EMEL" ( 1 )»
 Calçada Marquês de Tancos - (1951) Foto de Mário de Oliveira  -  (Mercado do Chão de Loureiro no tempo que pertencia à freguesia de SÃO CRISTÓVÃO E SÃO LOURENÇO") (ABRE EM TAMANHO GRANDE)    in   AML 
 Calçada Marquês de Tancos - ( ant. 1951) foto de Armando Maia Serôdio -  (Obras de Construção do Mercado Chão de Loureiro)  ( ABRE EM TAMANHO GRANDEin   AML 
 Calçada Marquês de Tancos - 1947  - (O Projecto de Implantação do "MERCADO CHÃO DE LOUREIRO" do arquitecto JOSÉ DE LIMA FRANCO. Este projecto tem a particularidade de nos mostrar os lotes que foram anexados e o valor das suas indemnizações) (ABRE EM TAMANHO GRANDE)  in    RESTOS DE COLECÇÃO
Calçada Marquês de Tancos - (depois de 2011)  - (A Esplanada panorâmica no topo do -antigo Mercado  Chão de Loureiro- hoje Edifício da EMEL, possivelmente uma atracção de grande relevo para o Turismo.  in    RESTOS DE COLECÇÃO

(CONTINUAÇÃO)-CALÇADA MARQUÊS DE TANCOS [ VII ]

«O MERCADO CHÃO DE LOUREIRO E O ESTACIONAMENTO DA "EMEL" ( 1 )»

O "MERCADO CHÃO DE LOUREIRO" situado entre o "LARGO DA ATAFONA", "CALÇADA MARQUÊS DE TANCOS" e "LARGO CHÃO DE LOUREIRO" com projecto do Arquitecto "JOSÉ DE LIMA FRANCO", foi inaugurado em 25 de Outubro de 1951, pelo PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA, TENENTE-CORONEL ÁLVARO SALVAÇÃO BARRETO.
O "DIÁRIO DE LISBOA" no mesmo dia à tarde dava a notícia da abertura oficial ao público do novo MERCADO  no "CHÃO DE LOUREIRO". " Abrem hoje pela primeira vez, (...) o aspecto desta praça abastecedora é simplesmente admirável (...) com os seus cinco pavilhões em lances panorâmicos".
No projecto de instalação da obra do "MERCADO CHÃO DE LOUREIRO" foram necessárias algumas expropriações, sendo uma delas parte dos jardins ao antigo "PALÁCIO DE SÃO CRISTÓVÃO", onde tinha acontecido o casamento da Infanta "DONA LEONOR", filha de EL-REI D. DUARTE", com o "IMPERADOR ALEMÃO FREDERICO III". Estava-se em Agosto de 1451.
No ano de 1913 o PALÁCIO é adquirido pela "ASSOCIAÇÃO DE SOCORROS MÚTUOS DOS EMPREGADOS DO COMÉRCIO" cuja sua existência permanece desde 12 de Abril de 1872.

Ainda foram necessárias mais algumas demolições de casas em ruínas (para a realização do projecto do Mercado), entre o "BECO DA ATAFONA" e na "CALÇADA MARQUÊS DE TANCOS". Algumas das casas demolidas tinham sido habitadas pelos antigos criados da "CASA DE TANCOS" nesta cidade.
O MERCADO funcionou regularmente durante várias décadas, até que começou a aparecer outras superfícies comerciais com mais poder de atracção ao lisboeta.  E assim veio decaindo, ficando depois alguns anos votado ao abandono.
No entanto, no final da primeira década deste século, a CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA conjuntamente com a sua associada "EMEL", começaram a recuperar e transformar, para que no espaço pudesse funcionar um PARQUE DE ESTACIONAMENTO para automóveis.
Era então anunciado que um novo PARQUE localizado no centro histórico de LISBOA, no antigo "MERCADO DO CHÃO DE LOUREIRO", iria disponibilizou um total de 192 lugares de estacionamento 31 dos quais preparados para o abastecimento de veículos eléctricos e 5 lugares para deficientes. Um espaço para um supermercado que foi concessionado ao "GRUPO JERÓNIMO MARTINS" com a marca "PINGO DOCE", sendo o único naquela localidade.

(CONTINUA)-(PRÓXIMO)«CALÇADA MARQUÊS DE TANCOS[ VIII ]«O MERCADO CHÃO DE LOUREIRO E O ESTACIONAMENTO DA EMEL ( 2 )». 
Enviar um comentário