terça-feira, 18 de março de 2008

RUA DOS CONDES [ III ]

Rua dos Condes - (2003) Foto de Dias dos Reis (Cinema Condes à noite) in www.pbase.com
Rua dos Condes - (195--) Fotógrafo não identificado (Cinema Condes no seu apogeu) in AFML
Rua dos Condes - (195--) Fotógrafo não identificado (Ao fundo o Palácio Foz ou de Castelo Melhor) in AFML

Rua dos Condes - (Inicio do Século XX) Foto Alberto Carlos Lima (Antiga Drogaria Ferreira) in AFML

Rua dos Condes - (Início do século XX) Foto Alberto Carlos Lima (Antiga Drogaria Ferreira) in AFML

(CONTINUAÇÃO)
O SÉCULO XX DO CINEMA CONDES
Durante mais de vinte anos, tudo correu normalmente. Mas a crise económica do País, agravada pela I Guerra Mundial, fez descer as receitas dos teatros e este ressentiu-se tanto que se viu obrigado, no princípio de 1915, a fechar as suas portas.
Em meados do século XX surgiu mais uma nova construção, ainda dedicada a cinema - é a que chegou até nós. Mas a rua ganhou aspectos de rainha do espectáculo e do lazer no início da década do século XX. De facto, na estreita via dos Condes nasceu o «Olympia» em 1911 e o «Odéon» em 1927.
Junto do primeiro, apareceu a certa altura uma elegante casa «Olympia Clube», onde se bebia, se dançava e convivia até madrugada.
Do outro lado da rua funcionava já o Olympia. E o respectivo empresário, Leopoldo O'Donnell, com os seus sócios Júlio Viana e Carlos Sodré, decidiram arrendar o Condes e transformá-lo em cinema. Assim, em 2 de Abril de 1915, abria o ex-teatro agora CINEMA CONDES, com a projecção do filme «CLEÓPATRA», um original italiano.
Mas foi em 1916 que a velha casa ganhou o alento que a transformou num dos mais concorridos e selectos cinemas de Lisboa.
De facto, nesse ano, passou a gerir o Condes um dos primeiros distribuidores de filmes em Portugal, José Martins Castelo Lopes. Os seus descendentes ficaram ligados à casa até ao encerramento em 1996.
A sala sofreu entretanto grandes obras em 1919, que lhe deram um ar mais moderno. Muitos êxitos por lá passaram.
Dê-se relevo ao fenómeno que, em 1947, foi o filme português «CAPAS NEGRAS», com Amália Rodrigues e Alberto Ribeiro, que permaneceu quase meio ano em cartaz.
Foi-se mantendo até que, à entrada da segunda metade do século XX, decidiram os proprietários fazer um cinema inteiramente novo. Da obra se encarregou o arquitecto Raul Tojal, pertencendo os baixos relevos da fachada ao cinzel do escultor Aristides Vaz.
A inauguração teve lugar em 30 de Outubro de 1951. Os anos 50 foram um tempo de ouro para as grandes salas:conviviam, com público para todos e a meia dúzia de passos uns dos outros, o CONDES, o ODÉON, o PILITEAMA, o EDEN, o TIVOLI, o SÃO JORGE etc..
Ainda sobrava gente para os cinemas populares como o OLYMPIA (que descera de estatuto de sala elegante) ou o RESTAURADORES (o GALO ou o CHANTECLER para os íntimos) e até o COLISEU dava cinema muitas vezes.


HARD ROCK CAFÉ
No espaço do antigo Cinema CONDES, abriu em 12 de Junho de 2003 um dos mais famosos bares, onde se pode fazer uma refeição, beber um copo ou simplesmente visitar a sua famosa «MEMORABILIA» que reúne mais de trinta peças ligadas a antigas pessoas do Rock.
O «HARD ROCK CAFÉ» tem dois pisos e uma capacidade para 220 pessoas sentadas e 450 em pé.
Mantida a traça original do Cinema Condes, o interior foi alvo de uma importante intervenção. No entanto ainda subsiste memória daquilo que foi a função do edifício durante cinco décadas.
Este grupo fundado em 1971 em Londres, iniciou a sua internacionalização em 1982. Actualmente é detido pelo «GRUPO RANK» e está presente em 41 países com mais de 110 restaurantes.
( A título de desabafo, lamenta-se que o antigo cinema CONDES sirva hoje para um «MUSEU» de «ROCK» e não guarde nada da memória dos seus mais de 230 anos de história).


O prédio de esquina da Rua dos Condes virado para os Restauradores, tem data de 1912, é um interessante símbolo de arquitectura urbanística da «Avenida moderna» da autoria do Arquitecto Francisco Vilaça, pertenceu a D. Maria da Glória Leite, e substituiu um outro prédio existente no local até 1911.
(CONTINUA - Próximo - O Cinema Olympia)



Enviar um comentário